Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

Poucos logradouros guardaram os eixos diretores daquela época, situação que se manteve no Século XIX, conforme a foto de 1911 do Parque Moscoso

Os colonos portugueses, no Espírito Santo, não conheceram conforto doméstico e muito menos o coletivo, por isso, não souberam construir cidades: Vila Velha, Vitória, Nova Almeida, Guarapari e Anchieta, elevadas todas a categoria de vilas, antes do 1760, atestam, insofismavelmente, o mau gosto arquitetônico e a ignorância absoluta das regras mais elementares de construir. Foram pobres demais e ignorantes em grau superlativo.

Pelo meado do século XVIII, o número de sobrados em Vitória é avultado. Todos invariavelmente toscos, inexpressivos e desproporcionados.

As janelas, mal vazadas, temiam a entrada de luz e ar. As sedes das sesmarias afinavam no mesmo diapasão de desconforto e mau gosto. É de se lamentar, pois a arquitetura colonial, nascida do barroco, larga e sombria, que se adaptou no ambiente americano, tem requintes de grandeza. É a alma pródiga do conquistador audaz, que se implantou dominado pela paisagem. Tudo é grande, como grande é o território que o recebe. Não nos transmitiram, os portugueses, nenhum monumento ou edifício, que possa atestar-lhes o indiscutível penhor pelas artes, manifestado com tanto engenho na metrópole. Os poucos conventos construídos pelas Ordens Religiosas e pela fé do povo, no desejo sincero de expiar suas culpas e cultuar a religião cristã, são obras singelas, de valor sem dúvida, mas traduzem parcela modesta no âmbito da arte de construir.

Das velhas residências nenhuma resistiu aos tempos. E fica-se curiosamente perguntando como seriam as casas dos moradores coloniais, da pequena nobreza senhoril, dos capitães privilegiados e das autoridades presunçosas, que usavam calções de seda e chinós frisados em meio à escravatura rota e esfomeada.

No que concerne ao traçado das cidades, o ilogismo foi a regra. É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino, Ladeira da Misericórdia orientam-se todas por onde não deviam.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

História do ES

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
A Imigração no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

A entrada de imigrantes europeus representou a maior transformação social e econômica que o Espírito Santo passou

Ver Artigo
Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo
Milagres Acontecem - Por Geert Banck

Estamos todos na sala de um sítio de Alto Corumbá, no município de Castelo, Espírito Santo

Ver Artigo
De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício na parte lateral da tulipa

Ver Artigo