Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Belezas de Matilde

Espaço de encontros e despedidas, chegadas e saídas, onde todos os dias era um vai-e-vem com pessoas chegando e trazendo notícias do “mundo do lá”, e Estação de Matilde, recentemente restaura da e reinaugurada, está localizada em uma das regiões  mais belas do Estado do Espírito Santo.

O pequeno e singelo distrito de Matilde é cortado pelo Rio Beneventes que ao longo de sua trajetória forma corredeiras e presenteia aquele conjunto arquitetônico e natural com uma cachoeira de mais de sessenta metros de queda d’água. Do mirante instalado em suas proximidades vislumbra-se uma paisagem exuberante que enche os olhos e a alma de todo visitante que por ali passa.

A bela Matilde faz parte de Alfredo Chaves, um município fortemente marcado pela imigração italiana que, no início do século XX, representava a quarta parte dos habitantes do Estado. O município deve seu nome ao Inspetor Geral de Terras e Colonização do Império Dr. Alfredo Rodrigues Fernandes Chaves, que recebeu essa homenagem em função de sua relevante atuação juntos às comunidades imigrantes que compunham a região.

O nome Matilde também é uma homenagem a uma das filhas do engenheiro Adolfo Pinto Paca, encarregado da medição dos lotes agrícolas no século XIX. Suas outras duas filhas, Guiomar e Virgínia também dão nome a vilas do município. O nome feminino empresta uma aura especial ao lugar, marcado pela beleza e pela suavidade.Segundo o historiador Luiz Serafim Derenzi, em 1895, o recenseamento das colônias do município indicava uma população de 5.843 habitantes, e o número de residências em 1.013 casas. Nesta época, o Brasil era grande exportador de produtos primários, sobretudo o café. Alfredo Chaves foi beneficiado com a implantação de vias férreas que favoreceram o escoamento da produção beneficiando assim a maioria dos imigrantes ali estabelecidos.

A Estação Ferroviária de Matilde é a maior estação implantada ao longo das estradas de ferro do Espírito Santo. Foi inaugurada em 1902 e tornou-se um marco da engenharia ferroviária nacional. Desativada em meados da década de 1980 foi tombada pelo Conselho Estadual de Cultura em 1986.

Durante muito tempo e estação foi ponto de encontro de gente “que vem e quer voltar, de gente que vai e quer ficar, de gente que veio só olhar, e assim chegar e partir...A plataforma dessa estação é a vida desse meu lugar”. Maria da Penha Franzotti descreve em seu texto “A Bela Adormecida” esses momentos de intensa agitação durante a chegada do trem:”...de repente o relógio avisa, o sino dá a partida, a espera veste-se rápida e o apito ainda longe, alegra uns, entristece outros. Iniciam-se as despedidas: afagos, queixas, promessas, cuidados, recomendações, vozes confundem-se. Corre o guarda-chave, aguarda o guarda-freio, apressa-se o agente. Mãos procuram mãos, malas, embrulhos, capas, o chalé, o chapéu, bilhetes de passagem e...mama mia! Lá vem ele! Vagaroso em sua imponência, caloroso, vibrante, diferente do solitário trem de carga. Vem em seu ritmo próprio, cantarolando o trilho, exigindo atenções, estremecendo a plataforma, aflorando emoções, divertindo crianças, inquietando mães.”

A restauração da Estação de Matilde e a sua utilização pública como centro de convivência, dotado de um salão multiuso para apresentações culturais implantado recentemente, deram um novo sentido ao turismo cultural da região convidando a todos que desejam desfrutar uma paisagem bela e sedutora e visitar um significativo patrimônio histórico e natural do Espírito Santo.

 

 

Autor: Erlon José Paschoal
Fonte:Caderno D – Ano I, Revista nº 2, fev/2011
Revista de Cultura do Diário Oficial do Estado do ES
Compilação: Walter de Aguiar Filho mar/2011

 

 

 

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Ver Artigo
Iconha

O Município de Iconha, localizado na BR 101, região de montanha do ES, teve início nas povoações de Piúma, no vale do rio Orobó, fundadas pelo Padre José de Anchieta

Ver Artigo
Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha

Ver Artigo
A política e o coronelismo em Iconha - Por Luciana Maximo

O Jornal conversou com Aldieris Braz Amorim Caprini, que cedeu alguns artigos de sua tese de mestrado que descreve com detalhes a história política do município de Iconha

Ver Artigo
Vila do Riacho - Por Maurilen de Paulo Cruz

A origem da Vila do Riacho se situa em 1800, quando foi instalado um quartel na confluência dos Rio Riacho e Comboios, pelo Capitão-mor Antônio Pires da Silva

Ver Artigo