Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Conceição da Barra, ES

Município do extremo norte espírito-santense, Conceição da Barra é hoje uma das suas mais prósperas unidades. Nos fins do século passado foi palco de interessante episódio que até hoje intriga a todos. Não é ficção, fato real.

Sem dizer de onde vinha, surgiu na Barra um estrangeiro. Entrado em anos, era tipo esquivo com cara de poucos amigos. Alto, bastante alto, rosto anguloso, o farto bigode de guias reviradas para cima emprestava-lhe ares quixotescos, senão atrevidos. Era espanhol. As botas, que se alongavam até os joelhos, chamavam a atenção. O aspecto marcial, os ares de comando, revelavam o militar. Toda a sua bagagem uma pesada arca. Instalou-se na única estalagem da vila. Não tinha amigos e não procurou fazê-los. Arredio, era de gênio intratável.

Passaram-se os meses e ele sempre esquivo. Só à estalajadeira falava, assim mesmo o necessário.

Um dia, bem cedo, ele saiu sem ser visto. Quando voltou já era tarde alta. Estranho, não calçava as botas. No mesmo dia e da mesma forma desapareceu. Passaram-se os dias. Um mês, dois e nada dele voltar. Desiludida e desconfiada a estalajadeira resolveu arrombar a porta do quarto e desvendar o mistério. Tudo estava como ele deixara: a cama desarrumada, a bacia, com água, no lavatório, a toalha de rosto no espaldar da cadeira, um sabonete gasto e a arca aberta e vazia. A ave batera a linda plumagem.

Meses e meses se passaram até conhecido morador da Vila receber uma carta da Espanha. Intrigado abriu-a, pois não conhecia ninguém naquele país. O que leu deixou-o estarrecido. Veio então saber chamar-se Pablo o misterioso espanhol.

História longa e dramática. Capitão do Exército Espanhol, no Marrocos, fugira com o dinheiro destinado ao pagamento das tropas ali estacionadas; importância bastante forte.

Viúvo, deixara a filha em Cádiz, razão pela qual voltara à pátria e fora preso. Antes enterrara o dinheiro nas botas que usava. Do lugar avistava a torre da igreja, um dos marcos para encontrá-lo. Ao destinatário revelaria o lugar exato sob a seguinte condição: teria de ir à Espanha buscar a sua filha e dela tomar conta até que estivesse encaminhada na vida.

O destinatário sentiu-se lisonjeado com a preferência, quando outras pessoas igualmente dignas existiam na Vila. Desvanecia-o a confiança. A responsabilidade de educar a filha seria recompensada pelo dinheiro que iria receber, mas esse dinheiro era roubado. Aceitando a proposta tornar-se-ia cúmplice e passível das penas da lei. Prudentemente silenciou, como se não houvesse recebido a carta. O espanhol tivera um cúmplice, também preso, em França.

O destinatário da carta não guardara segredo e o seu conteúdo tornou-se público. A caça ao tesouro passou a ser a coqueluche da Vila. Sem reservas a população lançou-se à sua procura. Em poucos dias Conceição da Barra transformou-se numa paisagem lunar, como se por ali tivesse passado uma legião de toupeiras.

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja? E não era ela um dos marcos localizadores do tesouro? Logicamente era ele o indicado para receber a proposta; porquanto pesquisaria em terreno próprio sem despertar suspeitas.

Todavia o tesouro não foi encontrado, embora procurado pelos melhores faiscadores.

O espanhol não fornecera o roteiro. Apenas, ao pretendido beneficiário, mencionara a torre da igreja como inteligente e velada sugestão, coisa diariamente vista da sua propriedade. Baseados nas informações os mais argutos pesquisadores revolveram a Barra debaixo para cima, sem que as botas aparecessem.

Certa noite, na venda principal da Vila, ponto de reunião dos importantes do lugar, entrou esbaforido o João Serrador. Espanto geral. Acalmando-se com um gole de cachaça, contou o que lhe sucedera, nas proximidades da serraria, a dois quilômetros dali. Noite escura, atento ao chão que pisava, tendo por companhia os vagalumes, quando surgiu das sombras um estranho alto e magro. Assustou-se, mas logo se acalmou. Devido à escuridão não pôde divisar o rosto do desconhecido. Mais perto ele lhe falou. A sua voz causava arrepios. Pedia que o acompanhasse ao lugar onde ele havia enterrado um tesouro. Só então percebeu que se tratava do fantasma do espanhol. Como um louco desandou a correr, ouvindo ainda os seus gritos.

Indignados todos reprovaram a covardia do João Serrador, mas ninguém ousou acompanhá-lo ao lugar da aparição, onde o espanhol perdera as botas.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Elisiário e Nossa Senhora da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Elisiário e Nossa Senhora da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Rezou, com toda a confiança no poder da Virgem. Poderosa, jamais lhe faltaria, naquela hora de angústia!

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo