Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Timbebas - Edward Athayde D’Alcântara

Timbebas - Foto: Otávio Paes, 1936

As Timbebas ofereciam, nas marés baixas, a quem quisesse e soubesse catar, suas ostras que era abundantes. A Prainha era um berçário de mariscos; ali, você colhia com fartura o burdigão. De posse do gereré e puçá, facilmente se conseguia, na Prainha e nas pontes nova e velha, encher o samburá de siris ou retirar nos mangues os mariscos, como sururus. E nas areias da Barrinha, ameixas, canivetes etc.

Na enchente da maré passava-se rede de calão no Rio da Costa. Com a maré baixa, a gente usava a seta para atirar pedras nas folhas de mangue que ao caírem faziam os caranguejos deixar suas locas servindo de alvo para novo tiro de seta (pelotada); depois era só recolher os crustáceos e repetir quantas vezes fosse necessário para obter uma grande quantidade deles.

Bons tempos aqueles: Prainha, Rio da Costa e Barrinha, a benção de Deus, que em nome do progresso, o homem destruiu!

Sempre havia uma briga para divertir. Todo garoto gosta de assistir a briga, mas há os provocadores. Quando começa uma discussão sempre aparece um mediador cheio de “boas intensões”. Naquela época ele mandava os brigões se aproximarem, e traçava dois riscos no chão e falava: mãe de um, mãe de outro. Cada um tenta pisar na mãe do outro e aí se atracavam a socos, pontapés e gravatas, indo ao chão até que alguém os separasse ou que um deles fugisse. Também havia o cabelo de um, cabelo de outro: o mediador ia à cabeça de um e do outro, trocando os cabelos e falando: “Você vai deixar o seu cabelo lá na cabeça dele? Aí o pau comia.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Folclore e Lendas Capixabas

São Sebastião e São Benedito

São Sebastião e São Benedito

Hoje é dia de corfefir a tradicional festa de São Benedito e São Sebastião, em Nova Almeida, Serra. Veja a programação aqui!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes

Ver Artigo
Frade e Freira – Por Maria Stella de Novaes

Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo alcantil, como se fossem esculturas planejadas, para a representação das figuras de um monge e uma devota, esta envolta num manto, em atitude contrita

Ver Artigo
Folclore, cinema e teatro - Por Luiz Buaiz com texto de Sandra Medeiros

O teatro que sucedeu o Melpômene foi o Carlos Gomes, inaugurado em 1927, seis anos depois do nascimento de Luiz Buaiz

Ver Artigo
Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo