Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Timbebas - Edward Athayde D’Alcântara

Timbebas - Foto: Otávio Paes, 1936

As Timbebas ofereciam, nas marés baixas, a quem quisesse e soubesse catar, suas ostras que era abundantes. A Prainha era um berçário de mariscos; ali, você colhia com fartura o burdigão. De posse do gereré e puçá, facilmente se conseguia, na Prainha e nas pontes nova e velha, encher o samburá de siris ou retirar nos mangues os mariscos, como sururus. E nas areias da Barrinha, ameixas, canivetes etc.

Na enchente da maré passava-se rede de calão no Rio da Costa. Com a maré baixa, a gente usava a seta para atirar pedras nas folhas de mangue que ao caírem faziam os caranguejos deixar suas locas servindo de alvo para novo tiro de seta (pelotada); depois era só recolher os crustáceos e repetir quantas vezes fosse necessário para obter uma grande quantidade deles.

Bons tempos aqueles: Prainha, Rio da Costa e Barrinha, a benção de Deus, que em nome do progresso, o homem destruiu!

Sempre havia uma briga para divertir. Todo garoto gosta de assistir a briga, mas há os provocadores. Quando começa uma discussão sempre aparece um mediador cheio de “boas intensões”. Naquela época ele mandava os brigões se aproximarem, e traçava dois riscos no chão e falava: mãe de um, mãe de outro. Cada um tenta pisar na mãe do outro e aí se atracavam a socos, pontapés e gravatas, indo ao chão até que alguém os separasse ou que um deles fugisse. Também havia o cabelo de um, cabelo de outro: o mediador ia à cabeça de um e do outro, trocando os cabelos e falando: “Você vai deixar o seu cabelo lá na cabeça dele? Aí o pau comia.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo
Por que Peroás e Caramurus? - Por Areobaldo Lellis Horta

À garrida "oficialidade" ao passar a igreja da Misericórdia, onde está hoje o edifício da Assembléia, a guarda, postada à porta do Palácio, bradou "às armas" e o pequeno pelotão ali existente, formou, sob o comando de um sargento

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Ver Artigo