Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Assistência Social em 1830 - Vitória

Santa Casa de Misericórdia, 1914

A Santa Casa de Misericórida de Vitória retirava as suas rendas da contribuição paga pelos comerciantes locais, dos aluguéis dos prédios que possuía, da venda de esquifes, diárias dos soldados que hospitalizava, legados, esmolas e do que recebia dos doentes não indigentes. Além do Hospital, tinha sob seus cuidados a criação dos expostos. Sendo o único estabelecimento de caridade da Província, portanto, necessariamente sobrecarregado de encargos, conseguia operar milagres orçamentários - tinha (em 1828) 8:000$000 em dinheiro, no cofre. E pagava salários a um boticário seu, um capelão e mais empregados.

População

O recenseamento de 1827 acusou uma população estimada em 35.879 almas, aqui incluídos índios (aldeiados) e escravos. Comparando o quadro censitário com o de 1824, o presidente apontava o recrutamento como causa da diminuição do número de pretos forros e índios. Quanto aos cativos, cuja redução era também acentuada, vinham sendo "remetidos para fora da Província para boleeiros, caixeiros, etc...".

Padres, Cirurgiões, etc...

Os capixabas não podiam se queixar - como em outros tempos tantas vezes o fizeram - da falta de sacerdotes. Além de vinte do clero secular, viviam aqui oito do regular. Freira, ou recolhida, é que não havia uma sequer. Os cirurgiões - dada a penúria do país - não eram poucos: cinco. Em compensação, nem um médico. Os rábulas - em número de cinco - substituiam os advogados, também inexistentes. Boticário, três; magistrados, zero; alguns empregados públicos e cinco professores de primeiras letras, dos quais dois em Vitória. Trinta mendigos e oito estrangeiros, dos quais um naturalizado. Ninguém que vivesse exclusivamente de suas rendas. Trabalhadores jornaleiros, só alguns índios que lidavam nas fazendas e aos quais se pagava, anualmente, em média 12$800.

Preocupado com os mínimos detalhes, o presidente Acioli registrou:

"Não há estabelecimento algum de recreio, nem militar, nem seminário, nem casas de educação: há unicamente uma aula de gramática latina na capital, em que se dão lições desta língua de manhã e de tarde nos dias não feriados, e tem treze alunos."

Se não existia estabelecimento algum de recreio - como se disse acima - abundavam, em compensação, as associações pias: da Misericórdia, do Santíssimo, dos Passos, da Boa Morte, Rosário dos Pretos, Amparo, Rosário dos Pardos, Mãe dos Homens, São Benedito, Remédios e Rosário.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo - RJ - 1951 
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Um caldeireiro, a paz de Holanda e o dote da infanta - 1622

Um caldeireiro, a paz de Holanda e o dote da infanta - 1622

No que tange à situação material da capitania, em 1662, não se encontrou na Bahia caldeireiro que quisesse se passar para cá 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Diretrizes republicanas e Governo Afonso Cláudio

Uma constante presidiu aos atos dos governos espírito-santenses na primeira metade do século – a conquista do hinterland

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
O desporto na Universidade – Por Mário Cantarino

Há esperanças de que do meio universitário saiam os futuros representantes das equipes brasileiras nos confrontos desportivos internacionais

Ver Artigo
Notícia histórica: São Maurício, Padroeiro da Vila do Espírito Santo nos tempos coloniais

Inobstante ao fato dessa onipresente proteção Mariana, o padroeiro de ambas as povoações da Capitania do Espírito Santo, naqueles tempos iniciais, foi o mártir São Maurício

Ver Artigo
Vitória ao limiar do século XVII – Por Serafim Derenzi

Ao limiar do século XVII a vila de Vitória é ainda uma aldeia construída de taipa, cujas casas são cobertas de sapé ou palhas da pindoba

Ver Artigo