Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aterro da Prainha

Um homem hodierno que pretenda avaliar as razões do aterramento da Prainha sob o aspecto histórico-cultural, poderá concluir que foi uma obra sentenciada pelo Palácio Anchieta e pelo Ministério da Marinha com o consentimento dos Poderes Executivo e Legislativo de Vila Velha. Foi um rude golpe na exuberante história do estado, um acontecimento que em qualquer tempo poderá ser considerado lastimável, porque sepultou de vez a histórica angra capixaba e apagou definitivamente o encantador cenário formado pela praia de Inhoá e ilha da Forca.

Qual seria o pensamento dos administradores e mandatários no fim dos anos 50 e começo dos 60 diante de uma sociedade que lutava para se organizar melhor e conquistar uma nova qualidade de vida? Era do conhecimento geral o exemplo vindo da cidade do Rio de Janeiro, no qual o governo carioca acabava de brindar a cidade maravilhosa com o imenso aterro que resultou no novo parque do Flamengo dotado de áreas de lazer quadras esportivas, restaurantes, ancoradouros, estacionamentos, museus, salas de artes e fantástico jardim criado pelo urbanista Roberto Burle Max. O aterro utilizou o material resultante do desmonte do morro de Santo Antônio, que tinha também o seu passado repleto de histórias e lendas relacionadas com a colonização da região. Mas para o homem local o passado daquele morro era de importância menos, porque a elevação principal já havia sido arrasada dando lugar à moderna esplanada do Castelo, cujo conteúdo cultural estava sendo recontado.

O capixaba do mesmo período deve lembra-se da urgente necessidade de dragagem de todo o canal de acesso ao porto da cpital, que estava na iminência de ser bloqueado PPR assoreamento acumulado ao longo de muitos anos. Não havia mais porque esperar. A areia removida deveria ser transportada e lançada em locais previamente escolhidos transformando-se, certamente, em conquista de novas áreas urbanas. Foi assim que surgiram os aterros de Bento Ferreira e da esplanada Capixaba, em Vitória, e o da enseada da Prainha, em Vila Velha. Uma obra estadual realizada no governo de Jones dos Santos Neves, que antes da sua execução cuidou de preservar farta documentação constituída de textos e fotos de bom conteúdo histórico, hoje devidamente arquivada e ao alcance de todos.

Se Vila Velha de ontem perdeu parte do seu patrimônio histórico natural, pode-se dizer também que a cidade lucrou porque ganhou o belo parque da Prainha, uma obra realizada no governo de Max de Freitas Mauro, espaço para novas instalações do 38º Batalhão de Infantaria e passou a abrigar definitivamente a Escola de Aprendizes-Marinheiros.

Em Vila Velha, se erros foram cometidos vieram bem depois com o abandono do aprazível parque por parte dos maus administradores, que cultivam o hábito de desprezar as obras que não foram realizadas nas suas gestões, criam leis susceptíveis à má interpretação ou que dificultam o aproveitamento das áreas que constituem um determinado sítio histórico. Essas leis precisam de propostas claras de revigoramento da história e da revalorização da área decadente.

Segundo Roberto B. Abreu, (relato, 1997) por volta de 1973 o governo estadual empregou CR$1.234.000,00 na transformação da área conquistada em restaurante; amplo estacionamento; lanchonetes, área coberta com mesas e bancos fixos, onde romeiros fariam suas refeições; quadra de bocha; duas quadras poliesportivas; pista de skate; campo de futebol; churrasqueiras; palco para shows; mesas fixas para jogo carteado e dominó; banheiros públicos; entreposto frigorífico para comercialização de pescado; jardim e pavilhão para receber a administração do parque.

Fonte: Vila Velha – Onde começou o Estado do Espírito Santo (1999).
Autor: Jair Santos.

LINKS RELACIONADOS:

 Prainha em 1940
 
O primeiro aterro da Prainha 
 
O aterro de Inhoá
 Primeiro aterro da Prainha: 1958
 A fonte de Inhoá 
Banho de mar na Prainha 
Galeria de Fotos da Prainha
Jones dos Santos Neves

Prainha

Prainha em 1940

Prainha em 1940

A foto ao lado foi tirada em 1940 da varanda da Capela do Convento da Penha, voltada para a Prainha...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Fábrica de sabão e explosivos de Inhoá – Por Seu Dedê

No ano de 1912 residiu sobre uma pequena colina o Comendador Evaristo Pessoa e dizem que pouco mais além, na linha do mar, foi construída a primeira fábrica de sabão do Estado

Ver Artigo
Banho de Mar na Prainha

Entre o Cais das Timbebas e o Exército, de frente para a subida do Convento da Penha (ladeira das 7 voltas), havia uma pequena, linda e bucólica praia conhecida como Praia das Timbebas

Ver Artigo
Cemitério da Praínha

No local foi enterrado o primeiro donatário da capitania do Espírito Santo, Vasco Fernandes Coutinho. Tudo leva a crer que esse foi o primeiro cemitério de Vila Velha

Ver Artigo
Aterro da Prainha – Por Jair Santos

A Enseada da Prainha, onde aportou Vasco Fernandes Coutinho, está se transformando em imenso aterro, sem qualquer objetivo técnico ou interesse estético

Ver Artigo
Enseada da Prainha – Por Jair Santos

Esse é o nome do ancoradouro original onde aportou, em 1535, o donatário da capitania do Espírito Santo

Ver Artigo