Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Auto de Aclamação e Levantamento

Revista do IHGES - nº 65

(Publicado no livro "As Câmaras Municipais e a Independência", vol. 1, pg. 180, 1973)

Ano do nascimento de N. S. Jesus de 1822 aos 12 dias do mês X do dito ano, nesta vila da N. Almeida, da Província do Espírito Santo, nos Passos do Conselho e casas da Câmara, onde se achavam reunidos o Juiz Presidente Francisco Gonçalves dos Banhos, Vereadores João Baptista da Costa, Antônio da Costa Amorim, Faustino José Santa Anna e o Procurador do Conselho Antônio Leite de Alvarenga, comigo escrivão do seu cargo abaixo declarado, e mais pessoas da nobreza, clero e povo nesta Vila e, no termo abaixo assinados, unanimemente, por todos foi aclamado por Primeiro Imperador Constitucional do Brasil e Senhor D. Pedro, hoje Príncipe Regente Protetor e Defensor Perpétuo deste vasto Império, que o mesmo Senhor prestaria previamente juramento solene de jurar, guardar, manter, defender a Constituição Política, que fizer a Assembléia Geral Constituinte e Legislativa deste novo Império do Brasil, cujo ato se fez com toda solenidade a ele devida, e com todas as circunstâncias costumadas, levantando todos a vós, gritando os vivas seguintes: Viva a nossa Santa Religião, Viva a Independência do Brasil, Viva a Assembléia Geral Constituinte e Legislativa do Brasil, Viva o Imperador Constitucional do Brasil o Sr. D. Pedro I, Viva a Imperatriz do Brasil e a Dinastia de Bragança imperante no Brasil, Viva o Povo Constitucional do Brasil, o que foi uma e muitas vezes repetido, e aplaudido com salvas, e ao depois saindo todos pelas ruas públicas da mesma Vila dando vivas acima declarados, estes eram repetidos com acenos de lenços e repetidos salvas no que mostraram o grande contentamento e alegria que tiveram, recolhida a Câmara e o Povo nos Paços do Conselho, onde Reverendo Vigário desta Vila, e fregueses foram recitados três sonetos com suas rimas, e pelo Minorista Manoel José Ramos, outros repetidos vivas ao Senhor D. Pedro I, Imperador Constitucional do Brasil, ao depois do que o Reverendo Vigário Joaquim Gomes de Jesus encaminhando-se à Igreja Matriz, Presidente e mais oficiais da Câmara, Nobreza e mais Povo celebrou missa solene cantada, e no fim Te Deum com o Santíssimo Sacramento exposto, ao depois do que fez uma oração análoga ao mesmo assunto com muito aplauso de todos os circunstantes havendo-se iluminado na noite antecedente a este ato todo o Povo desta Vila, e entusiasmados a continuar por mais noites; do que para constar mandaram fazer este auto em que assinaram. E eu, Manoel José Ramos, escrivão da Câmara que o escrevi – Francisco Gonçalves dos Banhos, João Baptista da Costa, Antônio da Costa Amorim, Faustino José de Santa Anna, Antônio Leite de Alvarenga, Manoel José Ramos, escrivão da Câmara. (Seguiram-se mais de 61 assinaturas).

 

Nota: Dados, para a História do Espírito Santo, colhidos pelos irmãos Francisco, Antônio e Pedro Feu Rosa nos arquivos do Rio de Janeiro, os quais foram entregues para publicidade ao IHGES

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Nº 65, ano 2011
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2013

 

Matérias Especiais

Amigos Acadêmicos, do lado de lá - Por Renato Pacheco

Amigos Acadêmicos, do lado de lá - Por Renato Pacheco

Síntese da palestra proferida no dia 14 de março de 2001, em sessão conjunta da Academia Espírito-santense de Letras e Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, dando inicio às comemorações dos 80 anos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Ver Artigo
As revolucionárias nos anos 30 - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Maria Stella de Novaes (1894-1990) e Haydée Nicolussi (1905-1970) são da mesma geração e foram revolucionárias de seu tempo, cada uma a sua maneira

Ver Artigo
Gabriel Bittencourt e a Historiografia Espírito-Santense - Por Marcello de Ipanema Cybelle de Ipanema

Prefácio do livro de Gabriel Bittencourt escrito em 1989. Uma incrível visão da cultura regional atualizadíssima. Parabéns Marcello de Ipanema e Cybelle de Ipanema

Ver Artigo
Dr. Luiz Buaiz - Ícone da medicina

Dr. Saulo Ribeiro do Val, ginecologista e obstetra, apresenta Luiz Buaiz como um ícone da Medicina, em Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo