Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Banda Casaca - Terra de todos os sons

Banda Casaca - Foto: Antônio Moreira, 2001

Misturar a toada do congo ao rock e ao pop pode não soar como uma boa idéia para os convictos de sua postura frente a esses dois gêneros musicais.

Mas foi exatamente através desse sincretismo que algumas bandas capixabas venceram o inimigo chamado preconceito e conseguiram agradar ao público e se tornar famosas também fora do Espírito Santo.

 

A coragem de defender uma tradição cultural do Estado, que já se arrasta há 139 anos, deu certo. Tanto que Vitória vem ganhando cada vez mais bandas com essa característica. A mais nova delas é a Casaca, dona do sucesso pop/congo “Garça de Jacarenema”.

Com um ano e meio de idade, há quatro meses a banda lançou o seu primeiro CD e já vendeu 15 mil cópias no Estado.

“Nenhum artista se lança sem a intenção de se tornar popular. A mistura do congo com o pop serviu para alavancar o movimento musical capixaba”, comemorou Paula Bastos, empresária da Casaca.

A maior prova do entrosamento da Casaca com o congo está no próprio nome da banda, inspirado num instrumento utilizado pelos congueiros. “Inclusive, os rapazes do grupo utilizam em cena três tambores de congo e uma casaca”, revelou Paula.

A banda Casaca veio no encalço das veteranas Lordose Pra Leão, Pé do Lixo e Manimal. Formadas a partir de um encontro de colegas de faculdade, essas bandas não só já gravaram CDs e alcançaram uma boa média de vendagem dentro de seus limites de mídia, como estão na mira das gravadoras nacionais.

“Com esse sincretismo, a gente descobriu um jeito capixaba de fazer música. A releitura da nossa cultura de raiz ficou muito moderna e teve a aceitação do público. Esse tipo de junção não acontece só aqui, mas em outros estados. Só que cada qual com o seu folclore”, explicou Alexandre Lima, líder do Manimal.

De todas essas bandas, a mais antiga é a Lordose Pra Leão, formada na Ufes há nove anos por estudantes do curso de Comunicação Social.

Foi com a música “Juliete”, em que os rapazes faziam referência a um de seus professores, que eles estouraram em todo o Estado. A partir daí, outros grupos se sentiram motivados a se arriscar na carreira.

Inclusive, foi abrindo um show do Lordose Pra Leão que o Manimal mostrou a cara pela primeira vez. Paralelamente, o grupo Pé do Lixo, que utiliza instrumentos improvisados, como latões de lixo, conquistou os capixabas, mas de uma forma diferente.

Embora não misture o congo à sua música pop, a banda é famosa pelo rock alternativo, do tipo tribal (com uso de instrumentos exóticos). Isso pode ser conferido no único álbum do grupo, chamado “Reciclo”, lançado há cerca de dois anos.

 

Fonte: Jornal A Tribuna, 08/09/2001
Autor: Rodrigo Prado
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2015 

Variedades

Revitalizando o Centro - Por Cacau Monjardim

Revitalizando o Centro - Por Cacau Monjardim

O próprio Teatro Glória, deveria ter prioridade num projeto de revitalização do centro, além de outras sugestões...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Ver Artigo
Regência - Por Rubem Braga (1949)

Os motores novos pulsam no rio, a estrovenga limpa o mato, os americanos fazem contratos, os baianos chegam ávidos de dinheiro

Ver Artigo
O Dia Internacional da Mulher - Origem

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco. Comemoramos esse dia com vocês, pois sabemos que fazemos parte da vida de um grupo de mulheres especiais

Ver Artigo
Escotismo – Legislação no Estado do ES, 1930

O senhor Dr. Attilio Vivacqua, alma do escotismo espírito-santense e aos chefes Gabriel Skinner e Eurico Gomide

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo