Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barão de Itapemirim

Trapiche em Itapemirim, cujo primeiro proprietário foi o Barão de Itapemirim.

Joaquim Marcelino da Silva Lima era paulista, filho do Alferes Joaquim José da Silva e Ana Fernandes. Nasceu entre 1779 e 1780 e chegou ao Espírito Santo em 1802.

Recebeu o título de barão do imperador Dom Pedro II na década de 1840. Entre 1834 e 1858 ocupou por oito vezes o cargo de Vice-Presidente da Província e por várias vezes assumiu interinamente a função de presidente da Província.

Sua riqueza era extensa. Possuía dois navios para navegação costeira (de cabotagem), um porto dentro de sua fazenda e um grande depósito para embarque e desembarque de mercadorias, o Trapiche, localizado na Barra de Itapemirim e atualmente em ruínas.

Suas terras seguiam do litoral ao interior do Estado até a cidade de Mimoso do Sul. Cachoeiro de Itapemirim, que na época já começava a se desenvolver na região, ficava dentro de sua área de domínio. Ele morava em um palácio.

Sua atividade agrícola era a cana-de-açúcar, mas também ganhava muito dinheiro como mercador de escravos, sendo considerado o maior do Estado pelos historiadores. Outra fonte de renda era o desmatamento e a venda de árvores.

O poderio econômico e político o transformou em um homem muito influente em todo o Estado e país. Há ruas com o nome Barão de Itapemirim em Cachoeiro, Vitória e no Rio de Janeiro, na época capital do país.

Passou por dois casamentos. No primeiro, com Francisca do Amaral e Silva, teve dois filhos. A segunda mulher, Leocádia Tavares da Silva Lima, lhe deu outros oito filhos.

Fonte: Jornal A Tribuna (06/04/2008).

Links Relacionados:

>> Ouro e Açúcar 
>>
 
Palácio das Águias
>>
 
Engenhos de açúcar no ES
>> Barão de Timbuí 
>> Nobreza Capixaba 
>> Cachoeiro de Itapemirim

Personalidades Capixabas

Carta aberta Edgar Feitosa – Por Delano Câmara

Carta aberta Edgar Feitosa – Por Delano Câmara

Recebi um convite para escrever sobre uma personalidade qualquer de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo
Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo