Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barão de Itapemirim

Trapiche em Itapemirim, cujo primeiro proprietário foi o Barão de Itapemirim.

Joaquim Marcelino da Silva Lima era paulista, filho do Alferes Joaquim José da Silva e Ana Fernandes. Nasceu entre 1779 e 1780 e chegou ao Espírito Santo em 1802.

Recebeu o título de barão do imperador Dom Pedro II na década de 1840. Entre 1834 e 1858 ocupou por oito vezes o cargo de Vice-Presidente da Província e por várias vezes assumiu interinamente a função de presidente da Província.

Sua riqueza era extensa. Possuía dois navios para navegação costeira (de cabotagem), um porto dentro de sua fazenda e um grande depósito para embarque e desembarque de mercadorias, o Trapiche, localizado na Barra de Itapemirim e atualmente em ruínas.

Suas terras seguiam do litoral ao interior do Estado até a cidade de Mimoso do Sul. Cachoeiro de Itapemirim, que na época já começava a se desenvolver na região, ficava dentro de sua área de domínio. Ele morava em um palácio.

Sua atividade agrícola era a cana-de-açúcar, mas também ganhava muito dinheiro como mercador de escravos, sendo considerado o maior do Estado pelos historiadores. Outra fonte de renda era o desmatamento e a venda de árvores.

O poderio econômico e político o transformou em um homem muito influente em todo o Estado e país. Há ruas com o nome Barão de Itapemirim em Cachoeiro, Vitória e no Rio de Janeiro, na época capital do país.

Passou por dois casamentos. No primeiro, com Francisca do Amaral e Silva, teve dois filhos. A segunda mulher, Leocádia Tavares da Silva Lima, lhe deu outros oito filhos.

Fonte: Jornal A Tribuna (06/04/2008).

Links Relacionados:

>> Ouro e Açúcar 
>>
 
Palácio das Águias
>>
 
Engenhos de açúcar no ES
>> Barão de Timbuí 
>> Nobreza Capixaba 
>> Cachoeiro de Itapemirim

Personalidades Capixabas

Hermógenes - Pai Carinhoso

Hermógenes - Pai Carinhoso

Em Vitória, Hermógenes conheceu a professora Maria Augusta Fonseca, com quem se casou em 8 de julho de 1944, tendo com ela  oito filhos: Luiza, Maria Angelica, Rita, Raquel, Manoel, Margarida, Marcus e Marília Augusta

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Maria Ortiz, heroína inesperada

O prazer de Maria Ortiz era rolar pela ladeira do Pelourinho dentro de uma ancoreta vazia. Tinha nove anos nessa época. Seu pai, o espanhol Juan Orty y Ortiz, veio para o Espírito Santo em 1621

Ver Artigo
Pauta para Sussen – Por José Irmo Goring

E olha que o Elmo foi figura sempre presente e atuante no movimento cultural de Vitória. Membro da AEL e do IHGES, escreveu alguns livros

Ver Artigo
Personalidades de Vitória – Por Magda Regina Lugon Arantes

Personalidades de Vitória são os que fazem o nosso dia-a-dia, os que tropeçam conosco no prazeroso caminhar pelas ruas da cidade

Ver Artigo
Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
O Dial Capixaba – Por Maria Lúcia da Silva

Nessa conjuntura, nasceu em Vitória a primeira emissora em freqüência modulada, a Cariacica FM, inaugurada em 1975 

Ver Artigo