Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Fortaleza de Piratininga, onde Vasco Coutinho construiu "um forte de madeira para sua defesa"

Como tudo tivesse ocorrido no dia pela Igreja dedicado à terceira pessoa da Santíssima Trindade, ao rio e à vila logo iniciada foi dado o nome de Espírito Santo,(3) depois estendido a toda a capitania.

A atitude hostil dos habitantes da terra aconselhava a construção imediata de obras de defesa. Foi, naturalmente, o que se fez, rezam as crônicas. Fortificações contra as acometidas da terra, das florestas vizinhas, levantadas com o material mais acessível e que propiciava, também, construção mais rápida – a madeira. Seria uma paliçada contornando a faixa de praia, onde levantaram-se os primeiros casebres da exígua população.

Basílio Daemon arrola, entre as construções iniciais, “um forte no lugar onde hoje [1879] se acha a Fortaleza de Piratininga”.(4) Parece mais razoável admitir que a cerca externa, de mais rápida execução, constituiu a obra de defesa do primeiro instante. O forte veio depois. Teria estrutura mais custosa e se destinaria à defesa contra os corsários, que, durante séculos, serão perigo constante.

 

NOTAS

(3) - “... para que o pensamento religioso estivesse sempre presente aos colonos”, frisa o precioso RUBIM (Memórias, 202).

(4) - Prov. ES, 55. Também RUBIM faz referência à construção de “um forte de madeira para sua defesa” (Memórias, 202). Insistimos, porém, na hipótese que formulamos no texto. No local da antiga Fortaleza levanta-se hoje o Quartel do 3.º B. C.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

As vilas de Vitória e Nova Almeida expediram uma ordem proibindo falar-se na capitania a língua dos silvícolas, sendo os infratores sujeitos às penas de prisão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo