Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Fortaleza de Piratininga, onde Vasco Coutinho construiu "um forte de madeira para sua defesa"

Como tudo tivesse ocorrido no dia pela Igreja dedicado à terceira pessoa da Santíssima Trindade, ao rio e à vila logo iniciada foi dado o nome de Espírito Santo,(3) depois estendido a toda a capitania.

A atitude hostil dos habitantes da terra aconselhava a construção imediata de obras de defesa. Foi, naturalmente, o que se fez, rezam as crônicas. Fortificações contra as acometidas da terra, das florestas vizinhas, levantadas com o material mais acessível e que propiciava, também, construção mais rápida – a madeira. Seria uma paliçada contornando a faixa de praia, onde levantaram-se os primeiros casebres da exígua população.

Basílio Daemon arrola, entre as construções iniciais, “um forte no lugar onde hoje [1879] se acha a Fortaleza de Piratininga”.(4) Parece mais razoável admitir que a cerca externa, de mais rápida execução, constituiu a obra de defesa do primeiro instante. O forte veio depois. Teria estrutura mais custosa e se destinaria à defesa contra os corsários, que, durante séculos, serão perigo constante.

 

NOTAS

(3) - “... para que o pensamento religioso estivesse sempre presente aos colonos”, frisa o precioso RUBIM (Memórias, 202).

(4) - Prov. ES, 55. Também RUBIM faz referência à construção de “um forte de madeira para sua defesa” (Memórias, 202). Insistimos, porém, na hipótese que formulamos no texto. No local da antiga Fortaleza levanta-se hoje o Quartel do 3.º B. C.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

A revolta dos sargentos

A revolta dos sargentos

A revolta dos sargentos da Marinha e da Aeronáutica teve repercussão nacional, o que não ocorreu com a morte do infeliz motorista

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1843 – Por Basílio Daemon

Falece no Rio Doce Guido Pokrane, célebre chefe índio da tribo dos botocudos, muito coadjuvado por Guido Tomás Marlière, seu padrinho de batismo 

Ver Artigo
Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo