Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Belchior de Azeredo e Ararigbóia – Por Serafim Derenzi

Engenho - Ilustradora: Mônica Mol

NOMES QUE TRANSPÕEM AS FRONTEIRAS

Belchior de Azeredo ocupou todos os cargos importantes da Capitania. Sesmeiro, lavrou fazenda que se tornou próspera. A notícia que dele nos chegou, através dos responsáveis pelo registro da história quinhentista do Brasil, nô-Io retrata homem de caráter, corajoso, prudente e bom. Sucedeu a Vasco Fernandes Coutinho, de quem foi secretário, por eleição do povo e por nomeação de Mem de Sá. Governou com prudência de 3 de agosto de 1560 a 1563. Ligou seu nome a todas as iniciativas de seu tempo. Ajudou a Afonso Brás e a Brás Lourenço, carregando, com as próprias mãos, pedras para a construção dos jesuítas. Defendeu a vila contra a invasão dos franceses, acolheu Frei Palácios e foi possivelmente seu melhor esmoler para construir as capelas do morro da Penha. E, quando já desobrigado de Capitão-mor, é ele que acompanha Estácio de Sá, com reforço de homens e índios, na tomada do Rio de Janeiro, invadido pelos franceses.

Não houve dois Belchior de Azeredo, o velho e o moço, conforme supõem Daemon e José Marcelino. Os moços, porque foram dois, Marcos e Miguel de Azeredo, eram sobrinhos de Belchior, assinalaram-se igualmente no fim do século XVI, como se verá.

Ararigbóia comandou os temiminós recrutados por Belchior, na retomada da Guanabara, vingando-se dos castigos que os tamoios, então aliados aos franceses, infligiram, anos atrás, à família de Maracaiaguaçu o Gato Grande.

Não é pacífico o nascimento de Ararigbóia no Espírito Santo. Deram-lhe o nome, no batismo, de Martim Afonso de Souza e por isso Frei Vicente admite que tenha nascido no Rio de Janeiro. O frade não se documenta. Mário Freire limita-se a escrever que "há quem afirme" ter o índio nascido no Espírito Santo.

Tudo me leva a crer que o famoso guerreiro indígena tenha nascido na Capitania. Catequizado pelos jesuítas, distinguiu-se como chefe da tribo a que pertencia, razão para ser recrutado por Belchior de Azeredo. Varnhagen encarece o auxílio do Espírito Santo a Estácio de Sá. Pagou-lhe na mesma moeda de honra o sangue derramado pelos primos Fernão e Baltazar de Sá, nas águas do Cricaré e no cerco de Vitória, pelos botocudos selvagens.

Levino Fanzeres, pintor capixaba, imortalizou, em famosa tela, a partida de Ararigbóia para o Rio de Janeiro.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

História do ES

Morrinho da Penha

Morrinho da Penha

O Morrinho é uma extensão baixa do morro do convento, ou seja, a parte que se estende paralela à Rua Luiza Grinalda fazendo divisa com os quintais das ruas Luiza Grinalda e parte da Rua Dom Jorge Menezes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Diretrizes republicanas e Governo Afonso Cláudio

Uma constante presidiu aos atos dos governos espírito-santenses na primeira metade do século – a conquista do hinterland

Ver Artigo
Outras versões da origem do nome Vitória

A origem do nome Vitória é assunto sobre o qual não são unânimes as opiniões dos historiadores. Na opinião de Basílio Daemon, citada por Luiz Serafim Derenzi, “houve uma batalha com os índios. Sobre estes foi conseguida a vitória e, por essa motivo, deu-se o nome de Vitória à nova sede do governo”.

Ver Artigo
O desporto na Universidade – Por Mário Cantarino

Há esperanças de que do meio universitário saiam os futuros representantes das equipes brasileiras nos confrontos desportivos internacionais

Ver Artigo
Notícia histórica: São Maurício, Padroeiro da Vila do Espírito Santo nos tempos coloniais

Inobstante ao fato dessa onipresente proteção Mariana, o padroeiro de ambas as povoações da Capitania do Espírito Santo, naqueles tempos iniciais, foi o mártir São Maurício

Ver Artigo
Vitória ao limiar do século XVII – Por Serafim Derenzi

Ao limiar do século XVII a vila de Vitória é ainda uma aldeia construída de taipa, cujas casas são cobertas de sapé ou palhas da pindoba

Ver Artigo