Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Berçário de espécies ameaçadas - Itaúnas

Parque Estadual Itaúnas - Fonte: Assessoria de Comunicação IEMA

O Parque Estadual de Itaúnas é um verdadeiro berçário para espécies ameaçadas de extinção. Tartarugas marinhas, aves, peixes e mamíferos escolheram o lugar para se alimentar, reproduzir e alguns só são encontrados naquela região.

Três espécies de tartatuga marinha desovam nas areias da praia de Itaúnas: Cabeçuda, Oliva e de Couro. Em setembro, o Projeto Tamar começa a monitorar a desova.

Quem visitar o parque entre os meses de dezembro e fevereiro já poderá acompanhar a abertura dos ovos na areia e o caminho traçado pelos filhotinhos até o mar.

Na região de alagados, às margens do rio, a cheia vem junto com as chuvas e é a época em que acontece a reprodução do “peixe das nuvens”, ou “peixe anual”, que só existe naquele local.

Atingindo até 10 centímetros, o peixinho, com listras pretas a amarelas, enterra os ovos quando percebe que os alagados estão secando. Somente no ano seguinte, nas cheias, os filhotes nascem.

“A região dos alagados é uma das maiores áreas inundáveis do Estado e abriga muitas espécies. O ‘marreco irerê’, por exemplo, vem todos os anos voando da África, para se alimentar no local”, ressaltou o biólogo André Luiz Campos Tebaldi, gerente do parque.

Outras 135 espécies de aves têm a região como rota migratória. Papagaios e maritacas voam em bandos. As garças brancas e cinzas são presença constante às margens do rio Itaúnas, onde o manguezal luta pela sobrevivência.

Jaguatiricas, pacas, lontras e sagüis resistem à caça predatória. Na fauna, existem orquídeas raras e bromélias, principalmente nos alagados, onde há até a ilha das bromélias.

“É importante que turistas, sociedade e poder público estejam cientes da necessidade de promover a proteção desse ambiente para as futuras gerações”, ressaltou André.

Conheça as belezas do Parque

Fauna

A diversidade de ambientes dentro do parque favorece o aparecimento de uma variedade muito grande de espécies, muitas ameaçadas de extinção.

Foram catalogadas 43 espécies de mamíferos, sendo que o parque abriga 23% dos mamíferos não voadores que ocorrem na Mata Atlântica.

Entre os exemplares, há jaguatiricas, sagüis-da-cara-branca, lontras e pacas.

Também há 183 espécies de pássaros na região, a maioria na lista dos ameaçados em extinção, como papagaio, maritaca, iInhambu-tururim, gavião-pomba, águia-uiraçu, corujão-orelhudo, tangará-falso, macuco, pato-selvagem, jacu-pemba, papagaio- curica e curió.

As tartarugas Oliva, de Couro e Cabeçuda se reproduzem nas areias da praia e outras espécies se aproximam da orla para se alimentar.

O parque é o único lugar no mundo em que se encontra o peixe ornamental da espécie de “anual” ou “das nuvens”.

Descoberto em 1969, mede até 10 centímetros e tem listras amarelas e pretas, se reproduzindo anualmente, na época das chuvas, na região dos alagados.

Flora

Possui várias espécies de plantas raras e ameaçadas. São de exemplares da Mata Atlântica, como a mata de tabuleiro que se encontra em extinção no Estado, além de vegetação de restinga e mata ciliar, onde há formação de manguezal. Nos alagados há forte presença de bromélias. Orquídeas raras também estão protegidas na área.

Área

Fica na bacia do rio Itaúnas, cobrindo área aproximada de 3.500 hectares. Sua extensão vai da foz do rio, em Conceição da Barra, até a praia de Riacho Doce, na divisa com a Bahia, cobrindo 25 quilômetros de litoral, além de Mata Atlântica, restinga, manguezal, dunas e o maior alagado do Estado.

Sítios arqueológicos

São 23 sítios arqueológicos no parque, que mostram a diversidade cultural do Norte do Estado, com resquícios pré-coloniais e artefatos dos séculos XIX e XX. Um sítio arqueológico é a vila antiga de Itaúnas, que foi soterrada pela areia.

Plano de Manejo

O Plano de Manejo é instrumento para gestão do parque, visando melhoria em sua relação com a comunidade e implantação de programas para preservação, com controle das atividades como caça, pesca, retirada de madeira, cultivo de subsistência, moradia e turismo descontrolado, incompatíveis com a proteção integral.

Serviço

• Como chegar: A sede fica na vila de Itaúnas. Seguir pelo acesso para Conceição da Barra. São 14 quilômetros até a saída para a ES-010, com 21 quilômetros de estrada de chão até a vila.

• Visitação: A sede está aberta todos os dias, das 9h às 17 horas.

• Informações: (27) 3762-5196.

Fonte: Iema.

Outras unidades de conservação

Reserva Biológica do Córrego do Veado

O Corredor Ecológico Córrego do Veado está localizado numa área de 43 mil hectares, sendo que 2.382 deles formam a reserva.

Localizada na região com a menor cobertura florestal do Estado e uma das que mais sofrem com a escassez de água, o corredor propõe conectar a Reserva Biológica Córrego do Veado, em Pinheiros, a fragmentos florestais do entorno e do município de Boa Esperança.

No local ainda é possível encontrar exemplares de espécies animais e vegetais raras, como gonçalo-alves, jacarandá, vinhático, maçaranduba, peroba-do-campo; preguiça-de-coleira, gavião-real, cotinga e macuco, dentre outros.

Reserva Biológica Córrego Grande

Criada em 1989, com 1.504 hectares, a Rebio Córrego Grande se destina à preservação integral das espécies animais e vegetais encontradas em sua área, cujo principal ecossistema é a Mata Atlântica.

A unidade – que se localiza a 16 km da BR-101, na altura da divisa com o estado da Bahia, distante 71 Km da sede de Conceição da Barra –, vem sendo preservada e recuperada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Floresta Nacional Rio Preto

Também em Conceição da Barra está a Floresta Nacional Rio Preto, que possui 2.830 hectares com uma cobertura de Mata Atlântica e infra-estrutura recreativa e de lazer em contato com a natureza.

No local existe o trabalho de proteção das espécies nativas destinadas à produção econômica sustentável de madeira, dos recursos hídricos, além de pesquisas e estudos do manejo da fauna silvestre.

A floresta possui também ocorrências naturais de jequitibá, ipê, cedro, canela, paraju, juçara, copaíba, braúna, peroba, entre outras. Entre os representantes da fauna estão: tatus, pacas, veados, lontras, sagüis, caxinguelês, teiús, papagaios e tucanos.

Está localizada a 12 km da BR-101, no Km 27, distante 56 km da sede do município e também é gerenciada pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis.

Fonte: Pesquisa A Tribuna.

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rio Itaúnas - 29/07/2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaboradora de texto e fotografia: Flávia Martins
Diagramação: Carlos Marciel Pinheiro
Edição de fotografia: Sérgio Venturin
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2016

Rios do ES

Rio Doce - O Amazonas Capixaba

Rio Doce - O Amazonas Capixaba

O Rio Doce é o maior rio do Espírito Santo. É chamado carinhosamente de "Amazonas Capixaba"

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Bacia do Rio Itaúnas é marco da luta dos escravos

Na bacia do Itaúnas, em Conceição da Barra, os escravos fugitivos enfrentavam os capitães-do-mato

Ver Artigo
Projeto ajuda a salvar dunas - Itaúnas

O Iema desenvolve trabalho que visa a recuperação e preservação da vegetação de restinga

Ver Artigo
Parque Estadual de Itaúnas

São 3,5 mil hectares que integram a beleza exuberante da bacia do rio Itaúnas e ajudam a preservar a fauna e a flora da região

Ver Artigo
História debaixo da areia - Itaúnas

A antiga vila de Itaúnas, em Conceição da Barra, foi coberta pela areia. Hoje só restam ruínas

Ver Artigo
Investimento em saneamento – Rio Itaúnas

Cesan vai aplicar R$ 1 milhão até o ano que vem em sete dos oito municípios capixabas da bacia do rio Itaúnas

Ver Artigo
Rio Itaúnas, contraste no Norte

Formada por oito municípios capixabas, a riqueza natural da região esbarra na baixa disponibilidade de água

Ver Artigo
Desmatamento é o maior problema – Rio Itaúnas

Pouca chuva, solos pobres, clima seco e falta de cobertura vegetal aumentam a seca na região

Ver Artigo
União para vencer desafios – Rio Itaúnas

O Comitê da Bacia do Rio Itaúnas, primeiro criado no Estado, surgiu da mobilização de usuários de água, poder público e sociedade

Ver Artigo