Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bocha

Jogo de Bocha

O jogo de bocha é muito apreciado pelos imigrantes italianos. Alguns, não satisfeitos com os jogos dominicais, construíram canchas junto à própria residência, para aproveitar as horas de lazer durante a semana e nos finais de semana. Hoje seus descendentes e clubes de lazer adotam essa modalidade, preservando a força da cultura e realizando campeonatos entre as comunidades da região.

Constitui-se num esporte praticado por homens e com muita influência nas cidades onde residem descendentes da imigração italiana, no Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e nos Estados do Sul do Brasil.

Em Santa Teresa, é praticado desde a chegada dos primeiros imigrantes. No auge do café, quando houve enriquecimento dos produtores e exportadores, os homens jogavam bocha "até com queijo do reino".

Para o jogo de bocha, utiliza-se uma pista de 23 a 24 metros de comprimento e quatro metros de largura, em piso nivelado e solado. São oito bochas, sendo quatro para cada time. Essas bochas são de madeira ou massa, pesando entre um quilo e um quilo e meio. A forma de jogar é lançar na pista as bochas verificando a que chega mais perto do bolim (bocha em tamanho menor). Ao lado da pista, fica a tabela, onde são marcados os pontos. Joga-se por lazer ou apostando dinheiro.

 

Livro: Santa Teresa - Viagem no Tempo 1873 a 2008
Autora: Sandra Gasparini
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Imigração no ES 
>> Santa Teresa  

O Esporte na História do ES

Surfistas

Surfistas

O que mais ocupa o tempo livre dos surfistas quando estão na praia (além do surfe, claro) é o sádico esporte de tirar um sarro uns dos outros, inventando os mais bizarros apelidos. E, diga-se, nessa modalidade, os surfistas são praticamente imbatíveis

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo
Fluminensinho, uma lição para a vida - Por Marcelo Bonfim Dessane

Os encontros continuavam na Prefeitura, perto da secular palmeira que enfeitava a praça, no bar do Olímpio, depois no Britz, na Sapataria Musiello

Ver Artigo