Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Britz - Por Milson Henriques

Nota sobre a tirinha: conforme relato da jornalista Maura Fraga, o autor Milson Henriques nominou a tirinha de Britznicks. Os personagens que aparecem são: Paru, Urano, Carmélia, Sérgio Egito e a própria Maura Fraga

Ao falar de bares antigos em uma coletânea corro dois riscos: ou citar os mesmo lugares que todos, o que ficará repetitivo, ou falar de bares que ninguém conheceu, o que comprometerá minha fama de boêmio tão bem cultivada. De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214, Anelise, Monalisa (as duas últimas freqüentadas por senhoras não muito de família), ma s aí já é outro assunto. Como tudo criado pelo homem, o bar sempre foi e será dividido em classes sociais distintas. Por exemplo, o Marrocos, na rua Duque de Caxias, atrás da Praça Oito, o primeiro que freqüentei assim que cheguei a Vitória, nos idos de 1964. Lá reunia-se a esquerda intelectual festiva ou não, uma verdadeira igrejinha fechadíssima, formada de jovens inteligentes, pretensiosos, que iriam mudar o mundo ( o tempo provou que o mundo mudou todos eles...). O prato famoso era o filé ao Marrocos. Garçom era o “Cariacica”. Ali madruguei porres homéricos, bebi uma lente de contato, chorei desamores...

Já o Dominó, no então aristocrático Parque Moscoso, era freqüentado por mocinhos (mocinhas não iam a bar) das famílias ricas. Sua decadência começou quando um garçom matou a tiros um dos rapazes freqüentadores, num tempo em que crimes ainda abalavam a população. Eu só o freqüentava pela madrugada para comer a última refeição do dia – ou a primeira? – um delicioso e pavoroso arroz com ovos e salsicha.

O Britz Bar (da cidade) começou a subir com a queda do Dominó, e ficou famoso por estar logicamente freqüentado pelos jornalistas que viam o sol nascer em suas cadeiras. A esquerda jovem liberal, os hippies, os porraloucas, a polícia federal disfarçada, as primeiras bichas liberadas, fizeram lá seu ninho para tomar cerveja quente, sentir o terrível odor do banheiro, os esporros do proprietário, a reclamação do prédio em frente... Sabem o mistério daquela pessoa feia, sem educação, vulgar, desbocada, sem graça, ma que você não consegue passar um dia sem ver? Assim era o Britz.

Bar Santos, Mar e Terra... Estes eram os meus bares. Esporadicamente batia ponto também no Miramar e Bar do Iate Clube, na Praia do Canto, Bar do Álvaro e Shakesbeer, respectivamente ao lado e atrás do Teatro Carlos Gomes, Bar do David (Jucutuquara0, Scandinave (no centro), Bar do Grego (na Duque de Caxias), Bar do Toninho (na longínqua Praia da Costa, onde dormi várias vezes esquecido pelos amigos que tinham carro), Bar dos Caranguejos (Paul) e muitos botecos anônimos, principalmente em Santo Antônio. Não esquecer o saudoso Terra Viva, em Santa Lúcia, berço de muitos cantores capixabas, onde dei adeus á vida noturna.

Mas foi o Bar do Ralph, em uma sobreloja em plena praça Costa Pereira, em frente ao Teatro Glória, que marcou a minha vida. Foi ali, numa tarde de chuva fina, que tomei uma grande decisão. Bebericava em silêncio junto com Zélia Stein, quando, olhando a praça, avistei os moços Elcio Álvares e Marien Calixte cruzarem por Boião, mendigo negro enorme que morreu de beber, logo após passarem pelos jovens Marcos de Alencar e Amylton de Almeida, e pararem para um papo com o quase garoto Antonio Carlos Neves e Arthur Carlos Gerhardt Santos. Em seguida adentrou no bar a figura de Mane Diabo seguida pelo locutor de rádio Gerson Camata. Todos já eram personagens da cidade, eu os conhecia e me conheciam. De uma forma ou de outra, faziam parte de minha história. Aí, veio a decisão: - Vou ficar para sempre em Vitória! Além do mais, eu já estava embriagado de amor pela ilha.

Acho que é por isso que não freqüento mais bares. Não preciso. Meu porre – de amor – é permanente.

 

Livro: Escritos de Vitória: Bares, botequins, etc.,1995Autor: Milson Henriques
Compilação (parte): Walter de Aguiar Filho, maio/2012

*NOTA: sobre a tirinha, conforme relato da jornalista Maura Fraga, o autor Milson Henriques nominou a tirinha de Britznicks. Os personagens que aparecem são: Paru, Urano Carmélia, Sérgio Egito e a própria Maura Fraga.* 



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Memória de Guarapari

Memória de Guarapari

O colégio-residência, onde se hospedaram os primeiros padres formados no Espírito Santo e no Brasil

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Em 1823, tomou assento na Assembléia Constituinte brasileira, como representante capixaba, o Dr. Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, membro do Supremo Tribunal de Justiça, era nascido em Vitória

Ver Artigo
Zé Pretinho

Fica ali, exatamente na esquina da Aleixo Neto com a José Teixeira. Do lado de Santa Lúcia. Não tem placa que o identifique. Mas há quarenta anos toda a redondeza cohece o Zé Pretinho

Ver Artigo
E por falar em saudade

Tenho saudades do torrone, da Garoto, um tablete de docinho recoberto de chocolate e com recheio pastoso de castanha, amêndoa ou amendoim, já não me lembro mais. Só sei que era uma delícia e que guardava todas as minhas pequenas economias para comer um a casa quinze dias. Era a época do leite-mel, da pastilha forte, da groselha, do sorvete de coco verde do Michel, guloseimas,...

Ver Artigo
Origem do Carnaval no Brasil

Fomos influenciados inicialmente pelos portugueses da Ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias. No Brasil, com a criação dos Trios Elétricos pelos baianos, uma nova caracteristica de carnaval se disseminou

Ver Artigo
A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Ver Artigo