Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cai avião no Exército

Foi instalado um cabo de aço do Moreno ao Convento para sustentar o fio de telefone por meio do qual era feita a comunicação com a Capitania dos Portos

 O serviço de vigilância no Morro do Moreno (posto semafórico) e na Pedra do Atalaia era feito das cinco às dezessete horas, diariamente. Mais tarde, os sinais por meio de bandeiras foram substituídos por comunicação telefônica. Para isso foi instalado um cabo de aço do Moreno ao Convento para sustentar o fio de telefone por meio do qual era feita a comunicação com a Capitania dos Portos.

Um biplano da FAB que fazia o Correio Aéreo Nacional, ao tentar um vôo rasante entre o Convento e o Moreno, mais ou menos às dez horas de um dia de abril de 1939, para jogar sobre o campo de instrução do 38º BI (então 3º BC) o malote de correspondência, teve a infelicidade de atingir o cabo de aço, que se enrolou na hélice do avião, fazendo parar o motor. O jovem tenente-aviador tentou uma aterrisagem forçada mas não conseguiu evitar que a aeronave caísse sobre o pavilhão da 2ª Companhia. O piloto teve fraturas no braço e na perna além de ferimento em um dos olhos.

O tenente-aviador Hildegardo de Miranda, nos dias em que ficou internado na enfermaria do Batalhão, recebia visitas de muitas moças de Vila Velha que queriam conhecer e falar com o jovem oficial da FAB.

 

Fonte: Vila Velha - seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2014



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Memória Capixaba - O Arquivo e a Biblioteca (II) – Por Gabriel Bittencourt

O novo Congresso Legislativo construído sobre os escombros da antiga igreja da Misericórdia, que fora arrasada por ordem de Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo
As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Ver Artigo
As revolucionárias nos anos 30 - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Maria Stella de Novaes (1894-1990) e Haydée Nicolussi (1905-1970) são da mesma geração e foram revolucionárias de seu tempo, cada uma a sua maneira

Ver Artigo
Gabriel Bittencourt e a Historiografia Espírito-Santense - Por Marcello de Ipanema Cybelle de Ipanema

Prefácio do livro de Gabriel Bittencourt escrito em 1989. Uma incrível visão da cultura regional atualizadíssima. Parabéns Marcello de Ipanema e Cybelle de Ipanema

Ver Artigo