Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capela de Fazenda

Largo de Santa Luzia. Desenho: André Carloni

Na Cidade Alta, um vestígio da Vitória do século XVI: a Capela de Santa Luzia. A história diz que foi erigida pelo primeiro "dono" de Vitória, o próprio Duarte de Lemos. Seguindo o costume da época, era uma capela de fazenda. Abrigou o destino de inúmeras procissões e festas de igrejas, além de associações de devotos, como a Irmandade de Nossa Senhora dos Remédios (isso no século XVIII), com suas festas e devoções bastante alegres e concorridas.

A Capela de Santa Luzia hoje é a sede capixaba do Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A arquitetura da Capela de Santa Luzia já dá pistas sobre como eram as primeiras construções de Vitória. Seguindo a necessidade de proteção e defesa, os prédios tinham paredes grossas, maciças, poucos e imensos janelões para aproveitar ao máximo a luz do sol. Justamente por causa dessa luminosidade dos trópicos, as casas eram caiadas de branco. A decoração era restrita às igrejas, com pinturas simples nas paredes e imagens de madeira e gesso, vindas sobretudo de Portugal.

 

Fonte: A Gazeta, Vitória 450 anos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010 

Matérias Especiais

Capixabês

Capixabês

O escritor Jair Santos, em seu conto "O maná do céu e a praga de Jocelina", história que se passa na curva de Itapuã, catalogou algumas preciosidades da linguagem capixaba, em especial, os termos do homem do mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo