Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capitania da Coroa (1711)

Capitanias Hereditárias

Foi justamente em 1711 – princípios do ano, segundo assevera Basílio Daemon(44) – que faleceu o donatário Manuel Garcia Pimentel.

Cumprindo determinações régias, o governador geral ordenou ao capitão-mor e aos oficiais da Câmara de Vitória que tomassem posse da capitania para a Coroa,(45) uma vez que Pimentel não deixara descendentes.

Chamada a decidir, a Relação da Bahia reconheceu o direito de Cosme Rolim de Moura, primo e cunhado do extinto, à herança da capitania.

Pouco depois, o Conselho Ultramarino, por consulta de dezoito de junho de 1715, representou ao soberano ser “muito conveniente” se comprasse a donataria “por conta da Fazenda Real para se incorporar na Coroa, e evitar por este modo as controvérsias que havia com os donatários, e ficarem os povos bem regidos, e melhor defendidos por ministros e cabos nomeados pelo dito Senhor”, conforme reza a escritura lavrada em Lisboa, a seis de abril de 1718.(46)

Rolim de Moura desfez-se do senhorio pelo mesmo preço por que Francisco Gil de Araújo o adquirira no século anterior, isto é, quarenta mil cruzados, pagos em quatro prestações anuais de igual valor.

 

NOTAS

(44) - Prov. ES, 148.

(45) - Cartas de dezenove de outubro de 1711, in DH, LXX, 100-1. A ordem del-rei dirigida ao governador geral é datada de dezenove de maio de 1711.

(46) - RIHGB, XXV, 233-42. Cosme Rolim de Moura foi representado no ato da escritura pelo desembargador Antônio de Campos de Figueiredo.

– “Consulta do Conselho de Estado, na qual tendo-se visto uma consulta do Cons Ult sobre a nomeação de capitão para a Capitania do Espírito Santo no Estado do Brasil, parecera a todos os conselheiros que o donatário desta Capitania, como os das mais do Brasil, deveria vendê-la a el-Rei, porque sendo providas por el-Rei se defenderiam e conservariam melhor. Escolhiam entre os candidatos Francisco Grisantes da Gama. O conde de Odemira apontava Lourenço Carneiro, e acrescentava que, sendo a Capitania tão apetecida pelo inimigo, que já a atacara duas vezes, devia S. Majestade nomear para ela um sargento-mor ou pessoa de aventejado posto e experiência. S. l., vinte e oito de março de 1650” (RAU, Manuscritos, I, 89).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, agosto/2017

História do ES

A Estrada Real São Pedro de Alcântara - Por João Eurípedes Franklin Leal

A Estrada Real São Pedro de Alcântara - Por João Eurípedes Franklin Leal

Em 28 de agosto de 1816, foi concluída a construção da Estrada São Pedro de Alcântara, ligando a Capitania a Minas Gerais 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Anotações a respeito de Frei Pedro Palácios

Nasceu em Medina do Rio Seco, na Espanha, perto de outra cidade maior, Medina Del Campo. Ambas hoje são cidades turísticas e perto da famosa Salamanca

Ver Artigo
Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo