Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capitanias ou Feudos?

Mapa da Capitania do ES de 1631

Cada vez que procuramos compreender os primórdios da nossa civilização tentamos colocar-nos no ambiente brasileiro da metade do século XVI.

“Ah! Quem te vira assim, no alvorecer da vida
Bruta Pátria, no berço, entre as sevas dormida
No virginal pudor das primitivas eras,
Quando, aos beijos do sol, mal compreendendo o anseio 
Do mundo por nascer que trazias no seio,
Reboavas ao tropel dos índios e das feras!”

Era essa a terra, onde a realidade apresentava matas espessas, povoadas de nativos ferozmente ciosos dos seus direitos e de endemias devastadoras para os estranhos que a ousassem violar, mas que a fantasia e as lendas enchiam de tesouros esplêndidos, que era preciso dominar.

Chegara a hora da alternativa: ocupar o Brasil ou perdê-lo.

Os franceses, desde 1524, tentavam apossar-se do Norte do Brasil.

Havia a necessidade, tornada urgente, de substituir a simples ocupação, já insustentável nos moldes adotados pela colonização.

Portugal, cuja população nessa época pouco excedia os 2 milhões, se via em apuros econômicos com a enormidade de suas conquistas. A África e a Ásia absorviam todos os recursos nacionais, dez vezes fossem mais elevados.

Tomou-se a resolução de dividir a imensa costa em lotes, verdadeiros feudos, e atribuí-los a fidalgos que os aproveitassem, defendessem e os fizessem produzir.

Segundo o professor Ruy Ulrich: “As Capitanias eram um tipo perfeito do regime feudal – facto estupendo este, pois o feudalismo rigorosamente caracterizado, nunca existiu no Portugal europeu. O que aqui não existira julgou-se, porém, adequado para as Colônias e lá se usou. Os donatários das Capitanias eram autênticos senhores feudais, com direitos de propriedade e de soberania, que se transmitiram hereditariamente, e tributários perpétuos da Corte suzerana...”

Numa linha em que o fato é dado como consumado, o Padre Serafim Leite fala em “regime feudal dos donatários”.

Entretanto, alguns historiadores discordam de que tenha sido implantado um regime feudal na Colônia.

“Não me parece razoável” – escreve Roberto Simonsen – “que a quase totalidade dos historiadores acentue em demasia o aspecto feudal do sistema das donatarias, chegando alguns a classificá-lo com um retrocesso em relação às conquistas políticas da época”.

Além dos vários considerandos sobre o peculiar regime jurídico das donatarias brasileiras e as motivações que terão presidido à sua criação, suficiente no entender de Simonsen para lhes subtrair o cunho feudal, acrescenta: “Os nossos historiadores, quando se referem a donatarismo, o consideram como se estivessem diante de um regime feudal. O fato se explica pela falta de conhecimento das características da vida medieval que somente os recentes estudos mais aprofundados da história econômica têm esclarecido suficientemente”.

E acrescenta: “Dom Manuel, com sua política de navegação, com seu regime de monopólios internacionais, com suas manobras econômicas de desbancamento do comércio de especiarias de Veneza, é um autêntico capitalista. Os seus vassalos não ficam atrás. Não fazem a conquista como os Cavaleiros da Idade Média. Procuram engrandecer o país. Querem que Portugal seja uma potência”.

Não há dúvidas da existência de semelhanças, no plano jurídico, entre o regime das donatarias e o feudalismo. Entretanto, o sistema estava enquadrado no contexto do capitalismo comercial, que orientava a empresa colonial portuguesa. E mais: Não só os estudos mais recentes da história econômica têm esclarecido a questão. Estudos sócio-culturais e políticos vêm contribuindo para uma visão bastante abrangente da vida medieval.
Estabelecidas as normas que deveriam ser empregadas na administração das primeiras 14 Capitanias, escolhidos os 12 primeiros donatários, a coroa portuguesa dava por encerrada a sua tarefa.

O donatário era um governador, subordinado ao controle da administração portuguesa. Cabia-lhe a tarefa de conquistar e colonizar a sua Capitania com recursos próprios, materiais e humanos.

As sesmarias eram lotes de terra distribuídos pelos donatários aos que tivessem condições de cultivá-las. A verdade é que essas terras eram distribuídas a amigos poderosos que nem sempre cuidavam desses domínios.

 

Fonte: Espírito Santo- História de suas Lutas e Conquistas, 2002
Autora
: Neida Lúcia Moraes

 

LINKS RELACIONADOS:

 Uma capitania atribulada
 A morte do primeiro donatário
 Quarto Centenário de Vila Velha 

 Perfil - Vasco Fernandes Coutinho 
 Primeiro núcleo de Vila Velha 
 Vasco Coutinho veio na certa! 
 Barrinha - A foz do Rio da Costa 
 O Morro do Moreno na história do ES

História do ES

Os Jesuítas e o Palácio Anchieta

Os Jesuítas e o Palácio Anchieta

No Espírito Santo, o primeiro superior da Ordem Jesuítica foi Pe. Afonso Brás, que começou a construir o Colégio de São Tiago (atual Palácio Anchieta) em 1551

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo