Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capixabês

Jair Santos

O escritor Jair Santos, em seu conto "O maná do céu e a praga de Jocelina", história que se passa na curva de Itapuã, catalogou algumas preciosidades da linguagem capixaba, em especial, os termos do homem do mar. Confira alguns:

A maré riscou - Repontou; deixou o delineamento ou marca do ponto máximo ou mínimo das marés.
A água corre dura – Forma de referir-se à corrente marítima contínua numa mesma direção.
Correr liso - Linguagem local referida ao barco que desliza facilmente sobre o mar. 
Pegar rumo - Fugir; sair; ir embora na linguagem do povo local.
Pesca de caniço - Pescaria parada, com vara, linha e anzol, feita da pedra, da praia ou de qualquer lugar fixo.
Pesca de currico - Pescaria feita de barco em movimento, empregando vara, linha e anzol ou só linha e anzol.
Vento duro - Ventania constante na mesma direção. Vento forte, contínuo e sem rajadas. Referência idêntica à de água dura, acima citada.
Atravessador - Aquele que compra do pequeno produtor e revende com lucro.
Canjerê - Reunião de pessoas, em geral negros, para a prática de feitiçarias; candomblé.
Choça - Choupana; cabana; rancho. 
Cutuba - Bom; inteligente; preparado.
Fazimento - Ato de fazer repetidamente; fazer até aprender.
Garatéia - Anzóis atados na mesma linha de pesca.
Lonjura - Grande distância; longitude. 
Mangangá - Enorme; muito grande.
Mariscador - Aquele que é entendido em caçada ou em pescaria.
Mamado - Desiludido; embriagado; drogado.
Mondonga - Mulher imunda e desmazelada.
Muchá ou muxá - Bolo feito de milho triturado (cangiquinha) e cozido na água com sal para ser comido com café. 
Muxibenta - Cheia de pelancas 
Piquira - Miúdo; pequeno.
Piroga - Embarcação comprida, estreita e veloz, usada por índios.
Pocar - Quebrar, rasgar, estourar, não resistir a um esforço.
Setentrião - O vento norte.
Tiquinho - Tico; pedacinho de qualquer coisa.
Tremelicar - Tremer com freqüência; tiritar.
Vetusto - Muito velho; antigo; respeitável pela idade.

Confira um trecho do conto de Jair Santos:

" Narrativa sobre a pesca da manjuba, vivida por volta de 1940 no Pontal de Itapuã, em Vila Velha, ES. Os personagens são reais e alguns deles ainda estão vivos.

No horizonte o alvor diáfano de mais um lindo dia. A faina dos homens de rede começa antes do arrebol. É muito bonito o alvorecer no litoral capixaba. Itaparica, Praia da Costa, Ponta de Itapuã, Barra de Jucu, Ponta da Fruta... Na alegria de viver, a certeza da harmonia do homem com a natureza engalanada. Tudo está perfeito e o otimismo marca o semblante dos que vêm chegando. O céu vai ficando cada vez mais azul. É tempo de monções, a brisa sopra forte, vindo do nordeste. Vento duro... é o setentrião da saúde: marca característica do clima no nosso litoral. Na estação quente o litoral do Espírito Santo é diariamente visitado por sucessivos cardumes de manjuba. É tempo de peixe farto e muito conhecido de todas as vilas e povoados de pescadores.

Lá fora, no sobe e desce das ondas, os pescadores da barra lançam garatéias desde o escuro da madrugada que findou. O silêncio é quebrado pelo incessante marulhar sobre o baixio distante e pelos pios das gaivotas e das andorinhas do mar.

Nos barracões, homens fortes, de pele acobreada e luzente, dão começo à faina diária. Em aparente desorganização, retiram do barracão a canoa e a rede que devem ficar expostas ao sol, ao vento e também para abrir um pouco de espaço no seu interior. Essas cabanas são os abrigos necessários para a guarda de todos os apetrechos de cada grupo que se dedica à pesca de rede e são construídos na parte mais alta da linha da praia.

A conversa vai ficando animada ..."

 

Fonte: O maná do céu e a praga da Jocelina, 
Narrativa sobre a pesca da manjuba, vivida por volta de 1940 no Pontal de Itapuã, em Vila Velha,   ES.    Os personagens são reais e alguns deles ainda estão vivos. 
Autor: Jair Santos

 

Clique aqui para ver o conto completo.

Matérias Especiais

Os primórdios da terra

Os primórdios da terra

Quando Vasco Fernandes Coutinho desembarcou 
em Vila Velha, no dia 23 de maio de 1535, 
encontrou muito mais do que uma terra primitiva
habitada por silvícolas nada hospitaleiros.
Aqui, o lusitano, tão viajado, com aventuras 
na Ásia e na África, deparou-se com o amor...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1534 – Por Basílio Daemon

No dia 1º de junho de 1534 deste ano faz el-rei D. João III doação a Vasco Fernandes Coutinho da capitania do Espírito Santo 

Ver Artigo
Ano de 1508 e 1526 – Por Basílio Daemon

Cristóvão Jaques: o descobridor da costa do Espíto Santo que deu nome a praça, hoje conhecida como Praça do Cauê

Ver Artigo
Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Ver Artigo
Dia da Mulher - Origem

O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher!

Ver Artigo
Dia Internacional da Mulher

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco

Ver Artigo