Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carta de Anchieta ao Capitão Miguel de Azevedo

Capa do Livro: Jesuítas e Governantes do Espírito Santo (1551 - 2008): O Palácio Anchieta de Vitória - 2013

(Trata da chegada de naus do Reino. - Padre João Pereira. - Congregação provincial. - Eleição do Padre Luiz da Fonseca para procurador a Roma. -Padre Fernão Cardim. - Negócios do Espírito Santo. - Atentado contra a vida do Inquisidor. - Partida do Padre Luiz da Fonseca para o Reino. - Padre Marçal Belliarte. - Padres Gabriel e Pedro Soares.)

Ao capitão Miguel de Azevedo, meu Senhor em Cristo, na Capitania do Espírito Santo. Intus vero.
Jesus
Pax Cristi
Senhor.

Este barco vai direto ao Rio de Janeiro e assim esta vai à ventura, se ele lá arribar à nossa terra, e será breve e quão extensa eu puder com poucas palavras. Chegamos a esta Bahia com boa viagem em oito dias. Logo a seguir entraram dez ou doze ou mais naus do Reino, mas nem por isso deixaram de valer as cousas o seu peso em dinheiro: a pipa de vinho a 24$, e daí a pouco aumentou tanto que agora nem a quarenta mil se acha e neste Colégio bebem água, e assim vão as mais mercadorias. Boa é lá a nossa terra, mas não o conhecemos.

Esperamos alguns dias pelo padre João Pereira, mas como tardou fez-se a congregação, e foi eleito Procurador para Roma o padre Afonseca por maioria de votos. Depois de sua eleição até agora, nem ele nem eu temos vida: ele com escrever e outros negócios, e eu com escrever para o que os dias me não bastam, nem descansarei até que ele se não embarque, digo se embarque. Contudo, furtei ou furtamos ele e eu alguns tempos para negociar com o Senhor Governador algumas cousas dessa Capitania, com favor do padre Fernão Cardim, Reitor e seu confessor. Mas é o vagar nisto imenso etc.

Temos negociadas duas provisões. Uma, que não vão ao sertão sem primeiro VV. EE. fazerem aqui saber, a qual ele passou de boa vontade e com zelo de não se deixar a terra sem gente em tempo que se esperam ingleses, etc. Outra, é confirmação do largo da senhora dona Luíza e vossa mercê com ela, que não foi pouco tirar-lha das mãos, porque se lhe ofereciam a ele muitas razões para duvidar e na verdade todos os letrados, que estimam muito isto, nos aconselharam que as ouvíssemos, porque se ele quiser pode nisso fazer o que quiser sem fazer injustiça contra ninguém, segundo eles dizem, por provisões novas que tem de El-Rei para isso e para dar as serventias dos ofícios, etc. E já ele oferecia o ofício de adjunto a N. dos Ilhéus como a cunhado (sic), mas ele foi tão bom que não quis aceitar.

As embrulhadas da eleição que lá houve andam agora na forja. Espero que tudo sairá acabado e apagado, e não se procederá na devassa, que lá se tirou, porque a todos os letrados e ao próprio ouvidor geral lhes pareceu bem e ajudaram nisso, e o Senhor Governador, que é muito amigo de pacificar o povo, tem já dito que assim será. A petição fiz eu de minha letra com ajuda do mesmo ouvidor geral: lá a tem para a despachar. Eu dizia que se podia lá dar largueza a Rodrigo Garcia e aos mais que por acaso tivessem alguma provisão, ou embaraço, porque tudo se há de consumir aqui e para isso irão provisões como espero de certeza.

Para Marcos de Azevedo negociamos outra sobre o caso do Rocha: já está passada. Neste negócio interveio Manuel de Freitas e Ambrósio Peixoto e eu; e foi o caso que o Rocha era favorecido do Mestre da Capela e lhe dava de comer, disse-nos isto Manuel de Freitas. Com isto Ambrósio Peixoto rogou ao Mestre da Capela que houvesse dele o perdão, isto é, não falar no caso. Eu apertei tanto como o Mestre da Capela que o não deixei descansar até que houve dele o necessário, e, ainda que ele lhe tinha prometido que faria disso termo por escrito, depois tornou atrás dizendo que somente de palavra o diria diante do senhor Governador. Perguntei a Peixoto se bastava e disse-me que sim. Trabalhei que se fizesse logo e assim se fez, tendo eu já prevenido o senhor Governador o qual me disse que o fizesse logo, como fez, e sobre isto passou a provisão para Marcos de Azevedo não ser mais molestado sobre o caso, pois Rocha não queria dele nada. A qual provisão tinha eu cá feita como o Padre Afonseca para ele a assinar, e, indo a mostrar a Peixoto para ver se estava boa, me mostrou ele outra que tinha já aviada, assinada e selada. De maneira que não faltaram cá servidores ao senhor Marcos de Azevedo.

Isto concluído, daí a muitos poucos dias o Rocha, que diziam estar agravado do Inquisidor, lhe atirou duas noites com um arcabuz à sua janela, foi preso e se os padres, que são adjuntos do Inquisidor, não trabalhavam muito nisso, ele não escapava de morte de fogo, conforme a bula do Papa. Mas eles a interpretaram de maneira que pareceu bem ao Inquisidor dar-lhe a vida. Mas contudo saiu com degredo para as galés por dois anos e primeiro cinco domingos na Sé com grilhão e baraço e cumprir um ano de cadeia e depois de degredo.

Quis Nosso Senhor que tínhamos já aviada a provisão; porque agora mal se houvera de aviar porque cuida ele que nós o perseguimos sendo nós os que lhe damos a vida. Este capítulo seja para o senhor Marcos de Azevedo para que entenda que nós não esquecemos dele. E não folgue ninguém com seu mal que bem grande é. Muito deve a Ambrósio Peixoto, posto que ficou muito sentido de tirar ele lá o ofício a Luiz Gomes e tomou como agravo feito a si mesmo, que o tinha provido dele segundo ele mesmo me disse ao cabo de três meses da nossa chegada, falando em outras cousas e rogando-me que lho estranhasse lá; e não quis aceitar escusas dele dizendo que, se viessem quaisquer papéis de Luiz Gomes, que logo o houvera a meter de posse dele. Deste derradeiro ponto dará vossa mercê a conta que lhe parecer a Marcos de Azevedo.

Também está queixoso Ambrósio Peixoto de vossa mercê lhe não escrever e eu digo que tem razão se assim é, porque de verdade é amigo de vossas mercês e portanto daqui por diante havendo ocasião não deixe de o fazer. Seu sogro Fernão Cabral saiu agora com sua sentença: foi misericordiosa, segundo todos afirmam, e ele mesmo o reconheceu dando graças ao Inquisidor e a todos os adjuntos da mesa pela mercê que lhe faziam merecendo muito mais suas culpas, e isto de joelhos com muita humildade.

O padre Afonseca partirá no fim deste mês para o Reino num galeão de Viana. Tem lá aviados muitos papéis da senhora Dona Luíza e anda aviando os de vossa mercê. Tudo creio irá bem aviado porque o senhor Governador tem prometido de escrever, bispo, provedor-mor, etc. Como se aviarem os papéis do caso da eleição, entenderei nos da tomada do livro da Câmara, que toca a banhos, e entendam vossas mercês que para isto é infinito vagar do Governador e ando espreitando para lhe falar em semelhantes cousas, e depois disso o padre Cardim, que o aperta. No caso da querela, não fará o Governador nada sem perdão da parte; agora espera que venha dos Ilhéus onde o mameluco Pedro Gonçalves está e, quando não vier, determino de abalroar com o ouvidor geral, o qual se mostra grande meu amigo, e do padre Afonseca muito mais, e creio ele buscará alguma boa saída. Ao menos não irão lá mais papéis sobre o caso enquanto não houver quem atice. Ao menos o Governador por sua parte os mandará e como lá está a provisão dos outros passados bastará. A querela não foi nula como lá cuidavam, ainda que foi dada por induzimento de inimigos porque a ordenação está clara nisso. Mas a justiça dos papéis, que cá vieram, do caso como passou bastava para tudo. Enfim, tudo se fará bem com a graça de Deus.

O padre Provincial partirá juntamente com o padre Afonseca para Pernambuco e de lá logo em chegando diz que mandará o navio para irem os que hão de ir para essa banda e parece que também irei eu pela promessa que o padre Provincial fez a vossa mercê; que a não ser isso muito puxaram por mim cá para Pernambuco, mas quererá o Senhor tornar-me a levar a esta terra para consolação de vossa mercê e desses senhores todos meus amigos, a quem cá mando mil encomendas, das quais vossa mercê há de dar em particular a Cândida com todo o mais que lhe toca e não falo, porque já isso é sabido. Para a senhora dona Luíza basta esta mesma carta, a letra da qual mostra bem o vagar que tenho. De não vir de lá... vários os sucessos do tempo. Haja a paz, saúde e amizade entre todos e principalmente com Deus, e isto basta; e não é necessário encomendar a vossa mercê em particular os padres, pois é irmão verdadeiro (e não me engano) e pai de todos. Vale interim et ora pro mecum tota familia.

Desta Bahia, o primeiro de dezembro de 1592.

Se vossa mercê quiser dar parte desta ao padre Gabriel e Pedro Soares; se aí estiver, será caridade, porque não lhes posso escrever senão breviter. Não há cá pólvora, poupem lá a que houver, e o padre Afonseca faz conta de levar ao Reino o dinheiro do açúcar da senhora Dona Luíza, que cá se vendeu, para prover de lá. Na Provisão que digo vai vossa mercê por capitão, se nas cousas de guerra, e que com a senhora Dona Luíza possa dar todas as liberdades que se dão em semelhantes tempos aos homiziados.

De vossa mercê servo em Cristo

 

Obs.:

Anchieta, que desde fins de 1587 se encontra no Espírito Santo, seguira para Bahia a fim de participar da congregação provincial que elegeu o padre Luiz da Fonseca procurador a Roma.

O capitão de ordenanças Miguel de Azeredo (ou Azevedo) exerceu o governo da Capitania, como adjunto de Dona Luíza Grimaldi, viúva de Vasco Fernandes Coutinho (filho), de 1589 a 1593. Retirando-se a viúva do Reino, Continuou Azeredo no governo da capitania, com o título de capitão-mor; durante o qual faleceu José de Anchieta, a 9 de junho de 1597.

 

 

Fonte: Jesuítas e Governantes do Espírito Santo (1551 – 2008): O Palácio Anchieta de Vitória – 2013
Autor: Gabriel Bittencourt
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2019

História do ES

200 Anos da chegada da Família Real

200 Anos da chegada da Família Real

Em 2008, estamos completando 200 anos da chegada da Família Real portuguesa ao Brasil, liderados por D. João VI e D. Carlota Joaquina 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo