Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cidade de Afonso Cláudio

Mapa de Afonso Cláudio

A origem do nome da cidade é em homenagem ao ilustre espírito-santense que foi primeiro governador do Estado de regime republicano: Dr. Afonso Cláudio.

É uma bonita cidade, cortada pelo Rio Guandú e cheia de árvores em suas redondezas. Sua colonização começou com a descoberta de ouro no lugar, nos meados do século XIX. É conhecida como a Capital Estadual do Milho.

O atual território de Afonso Cláudio pertenceu primeiramente ao município de Cachoeiro de Itapemirim, tendo sido, mais tarde, desmembrado e anexado ao de Serra, passando depois a integrar o de Santa Leopoldina, permanecendo nessa condição até 20 de Novembro de 1890, data de sua Emancipação.

O primeiro explorador do território, segundo a tradição, foi o engenheiro Frederico Wilmer que teria descoberto o Ouro no lugar denominado "Lagoa Sêca", na fazenda Santo Antônio do Alto Guandú, e no Atual distrito de Pontões, e que pertencia a Antônio de Souza Barros, conhecido por Barros Preto. Sabe-se que Frederico Wilmer contraíra febre amarela e, em consequência faleceu em Vitória no ano de 1851.

Algum tempo depois, um aventureiro de nome ignorado, vindo provavelmene de Minas Gerais, chegou a construir um rancho, no local que hoje é a Praça Adherbal Galvão, na sede municipal prosseguindo sua penetração, foi ter à casa de Antônio de Souza Barros, a quem conseguiu entusiasmar, com a descrição das terras férteis que percorrera.

Na primeira metade do século XIX, Frederico Wilmer, que viria a contrair febre a amarela e morrer em 1851, andou pela região que mais tarde constituiria o município de Afonso Cláudio, procurando ouro. Encontrou-o efetivamente no lugar denominado Lagoa, na fazenda Santo Antônio do Alto Guandu, pertencente a Antônio de Souza Barros.

Em 1885, Sabino Coimbra, Inácio Lemos, Jorge Gomes e Joaquim Galvão lançaram os fundamentos da povoação, construindo as primeiras casas. Batizaram o povoado com o nome de São Sebastião do Alto Guandu.

De 1896 a 1900, os índios que ali havia foram aos poucos desaparecendo.

A povoação progrediu rapidamente. Os primeiros caminhos carroçáveis que viriam incrementar seu desenvolvimento, ligando-a às localidades vizinhas, foram construída por Inácio Gonçalves com o auxílio dos indígenas.

Por essa época, os habitantes do lugar estavam ainda sob jurisdição de Porto do Cachoeiro de Santa Leopoldina. Em 20 de novembro de 1890, foi criado o município.

Ao novo município foi dado o nome de um republicano, Afonso Cláudio, espíritosantense, abolicionista e primeiro governador do Estado.

 

Fontes: www.citybrazil.com.br/es/regioes/afonsoclaudio/
e http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/espiritosanto/afonsoclaudio.pdf



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Roteiros de Santa Maria de Jetibá

Roteiros de Santa Maria de Jetibá

Santa Maria de Jetibá, município colonizado por imigrantes pomeranos e que ainda preserva toda a cultura e história de um povo que, no século XIX, escolheu o Brasil para estender os seus costumes e tradições

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Ver Artigo
Iconha

O Município de Iconha, localizado na BR 101, região de montanha do ES, teve início nas povoações de Piúma, no vale do rio Orobó, fundadas pelo Padre José de Anchieta

Ver Artigo
Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha

Ver Artigo
A política e o coronelismo em Iconha - Por Luciana Maximo

O Jornal conversou com Aldieris Braz Amorim Caprini, que cedeu alguns artigos de sua tese de mestrado que descreve com detalhes a história política do município de Iconha

Ver Artigo
Vila do Riacho - Por Maurilen de Paulo Cruz

A origem da Vila do Riacho se situa em 1800, quando foi instalado um quartel na confluência dos Rio Riacho e Comboios, pelo Capitão-mor Antônio Pires da Silva

Ver Artigo