Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine São Luiz

Cine São Luiz

Denominação: CINE SÃO LUIZ.

Localização: Rua 23 de maio, 100, Centro, Vitória.

Inauguração: 3 de maio de 1951.

Capacidade: 585 lugares.

Período de funcionamento: 1951-2001.

Exibidor: Empresa de Cinemas de Vitória Ltda (Edgar Rocha).

 

Histórico: Em 1951, foi inaugurado o Cine São Luiz com grandes festividades e que contou com a presença de autoridades locais e representantes das áreas culturais e artísticas. Seus proprietários Edgar Rocha e Luiz Severiano Ribeiro não pouparam esforços e fizeram um cinema que tinha de mais moderno para a época, pois queriam que o Cine São Luiz fosse a melhor sala de cinema da cidade. Segundo Edgar Rocha Filho, que mais tarde assumiria os negócios do pai, o cinema foi a segunda sala do Brasil a ter um sistema de ar condicionado, a primeira foi no Rio de Janeiro.

 

Em 3 de maio de 1951, no térreo do Edifício Rocha, com capacidade de 586 lugares, foi inaugurado o Cine São Luiz com o filme: Aviso Aos Navegantes (1950). No evento estavam presentes estrelas do cinema brasileiro que eram do elenco da chanchada da estréia: Anselmo Duarte, Adelaide Chioso, Ilka Soares, Eliana e a presença de Luiz Severiano Ribeiro.

 

Nota sobre o desenvolvimento da pesquisa coordenada pelo Professor André Malverdes

Descrição: O acervo documental referente a "História da Exibição Cinematográfica no Espírito Santo" é uma iniciativa desenvolvida no âmbito de pesquisa pessoal que iniciou no curso de Especialização Lato Sensu, do Departamento de História da UFES no ano de 2000, desdobrada na pesquisa de dissertação no Mestrado em História Social da Relações Políticas do Programa de Pós Graduação em História da UFES e que resultou no livro No Escurinho dos Cinemas: A história das salas de exibição da Grande Vitória. A coleção resultante dessa pesquisa possui um acervo fotográfico composto de XXX documentos, produzidos entre 1907 e 2008, retratando as salas de exibições, seus entornos, inaugurações e interiores. O acervo conta ainda com notícias da imprensa local, cartazes, documentos textuais e entrevistas com ex-proprietários, funcionários e freqüentadores das salas. Os resultados esperados da pesquisa compreendem analisar a história da exibição cinematográfica no ES entre 1979 e 1985, descrever as informações encontradas e realizar a organização dos documentos digitalmente formando um banco de dados sobre o assunto e realizar levantamento dos acervos disponíveis em arquivos públicos e privados referentes a história do cinema no ES.

Como posso entrar em contato com o Projeto CINEMAES?

Por e-mail:malverdes@gmail.com

Por telefone: (27) 9907-5955 (dias úteis das 10 às 20 horas)

 

O autor

 

André Malverdes nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no bairro da Tijuca, em 1972.

Veio para o Espírito Santo aos 7 anos onde vive até hoje. Formou-se em História, em 2000, especialização em História Social do Brasil, em 2002, Arquivologia, em 2004 e três anos depois concluiu o Mestrado em História Social das Relações Políticas na Universidade Federal do Espírito Santo. Durante sua graduação pesquisou a expedição Pietro Tabacchi (1872/1874) e o Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. Durante a pós-graduação realizou a pesquisa sobre a história das salas de cinema do qual resultou esse livro, quatro exposições e diversas palestras na América Latina em eventos científicos. Atualmente é Professor Assistente do Departamento de Arquivologia da Universidade Federal do Espírito Santo, Membro

da Câmara Técnica do Patrimônio Arquitetônicos, Bens Imóveis e Acervos do Conselho Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo, Associado Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e Coordenador do Projeto de Pesquisa Cinememória - A História das Salas de Cinema no Espírito Santo.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Seu nome atual deriva de uma lenda, segundo a qual alguns navegadores portugueses, encontrando água doce defronte à foz deste rio, a seis milhas da barra, deram-lhe o nome de RIO DOCE

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discórdias na Capitania - Início Século XVIII – Ainda o caminho das minas

À Bahia chegaram delações contra o capitão-mor Francisco de Albuquerque Teles, obrigando o governador geral a dirigir-se ao provedor da Fazenda Manuel Correia de Lemos

Ver Artigo
Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro

Ver Artigo
O Construtor do Relógio da Praça Oito

Quem passa pela Praça Oito, em Vitória, vê, ali, um relógio de grande porte, mas lhe não sabe a história nem, sequer, o nome daquele que o construiu

Ver Artigo
Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Ver Artigo
Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Ver Artigo