Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine Teatro Melpômene

Cine Teatro Melpômene

Denominação: CINE TEATRO MELPÔMENE

Localização: Praça da Independência, esquina das ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, no Centro. Atual Praça Costa Pereira, Centro, Vitória.

Inauguração: maio 1896.

Capacidade: 800 lugares.

Período de funcionamento: 1896-1924.

Exibidor: Empresa Santos & Cia.

 

Histórico: Nos primórdios do cinema no estado, entre 1896 e 1907, a exibição era ambulante, com apresentações esporádicas em lugares públicos como cafés, quermesses e parques de diversão. Em 1896, foi inaugurado o Teatro Melpômene, no antigo Largo da Conceição, na Praça da Independência, atualmente Praça Costa Pereira, no Centro de Vitória. Este teatro foi o primeiro, de acordo com os mais antigos arquivos disponíveis, a equipar-se da máquina dos irmãos Lumière no Espírito Santo. Segundo a imprensa local o teatro possuía iluminação própria, era todo em madeira, com 800 lugares e possuía camarotes, poltronas e cadeiras para a platéia.

 

Também, como foi prática na época, o teatro utilizava uma orquestra para dar o som aos filmes mudos.

 

Além disso, para reproduzir o som, um sonoplasta fazia imitação dos ruídos (sonoplastia), técnica tradicional do teatro. Ficava uma pessoa atrás da tela com um material reunido em uma “mesa de ruídos” e acompanhava a projeção.

 

Os efeitos eram os mais variados possíveis, tudo para realçar as imagens: derramava arroz numa placa de zinco para reproduzir o trovão, esfregava escovas metálicas ou mexia grãos secos quando as ondas se quebram, etc.

 

Durante a exibição de um filme, em 1924, no Teatro Melpômene ocorreu um princípio de incêndio que causou um imenso tumulto e deixou dezenas de pessoas feridas. O jornal a “Folha do Povo”, em 9 de outubro de 1924, apresentava a seguinte manchete: “O incêndio de hontem no Theatro Melpomene – vários mortos e grande numero de feridos”, com duras críticas ao teatro que logo depois foi demolido, deixando somente sua estrutura. Mais tarde esta estrutura seria aproveitada pelo arquiteto italiano André Carloni para a construção do Teatro Carlos Gomes, na mesma praça.

 

Fonte: Memórias Fotográficas – A História das Salas de Cinema de Vitória. Vitória, 2011
Autor: André Malverdes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011

 

 

LINKS RELACIONADOS

 

Teatro Melpômene

Teatro no ES

O Teatro capixaba de antanho

A história dos cinemas no ES


 




GALERIA:

📷
📷


História do ES

Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Comício de Jânio Quadros em Vitória

Cerca de dez mil pessoas, animadas por grande vibração cívica, aplaudiram ontem, na Praça Oito, o Sr. Jânio Quadros e sua comitiva

Ver Artigo
São Mateus adere ao movimento emancipador

Em 1823, São Mateus aclamou o novo soberano do Brasil e seus habitantes declararam-se sujeitos ao governo capixaba 

Ver Artigo
ES x BA - Limites (Capítulo I - Martim Affonso)

O Sistema de colonização. — A divisão primitiva em Capitanias. — Cartas de doação. — Posse dos donatários. — Mem de Sá

Ver Artigo
As minas e o território capixaba - Início do Século XVIII

O século XVI, que se distinguiu pelo número de bandeiras, pela busca desesperada às brenhas promissoras, ainda assistiu à revelação do ouro no território que passaria a denominar-se das minas gerais

Ver Artigo
Revista Vida Capichaba

A Vida Capichaba, existente desde 1923, já era um periódico com extensa folha de serviços prestados à cultura e à comunicação no estado

Ver Artigo