Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Com o Governo-Geral, chegam o gado, o engenho real e a crítica aos donatários

Tomé de Sousa visitou o Espírito Santo e não gostou do que viu. Vasco Fernandes Coutinho estava fora

Na comitiva de Tomé de Sousa, havia missionários, boa gente e cerca de 400 degredados

Tomé de Sousa visitou o Espírito Santo e não gostou do que viu. Vasco Fernandes Coutinho estava fora. Em carta ao soberano português. queixa-se da ausência de donatários e da má administração das capitanias. Os donatários pedem socorro ao rei, nos termos de "ruim pra nós, pior pra você".

O sistema de colonização do Brasil, por meio das Capitanias Hereditárias, ia de mal a pior. As Capitanias de Pernambuco e São Vicente progrediam, enviando real colaboração para a coroa portuguesa.

No Espírito Santo, a plantação de cana-de-açúcar apresentava bons resultados. Mas, de um modo geral, a situação era difícil na Colônia de além-mar.

Donatários escreviam para Portugal alertando o rei, Dom João III: ..."se com tempo e brevidade Vossa Alteza não socorre a estas Capitanias e costa do Brasil, ainda que nós percamos as vilas e fazendas, Vossa Alteza perderá a terra."

Os estrangeiros continuavam a rodear o litoral brasileiro. Os índios não davam tréguas. Atacavam com ferocidade. A idéia de torná-los escravos para trabalhar na lavoura era cada vez mais remota. Os silvícolas tinham o seu próprio modo de vida e rejeitavam as imposições dos invasores. Defendiam, com unhas e dentes, o seu território, apesar da disparidade de armamento.

Dom João III compreendeu, então, que, se não socorresse a Colônia, ocupando-a, a perderia para sempre.

Foi então inaugurado, em 1548, o sistema de centralização do poder, o governo-geral. Tomé de Sousa foi nomeado primeiro governador-geral do Brasil. Esse novo sistema não dava fim às Capitanias Hereditárias. Extinguia apenas o regime administrativo que elas representavam.

Tomé de Sousa chegou à Bahia em março de 1549. De sua comitiva faziam parte: os missionários jesuítas Manuel da Nóbrega, Leonardo Nunes, Antônio Pires, entre outros; os noviços Vicente Rodrigues e Diogo Jácome; e uma caravana de mil pessoas — auxiliares diretos, militares, soldados, oficiais, inclusive cerca de 400 degredados.

A ordem real era defender a Colônia contra as invasões estrangeiras, fundar uma povoação capaz de auxiliar as demais, procurar fazer justiça a índios e colonos, pôr em prática, enfim, um sistema de governo que garantisse à coroa de Portugal a posse efetiva das terras do Brasil.

Ao incrementar a cultura da cana-de-açúcar, Tomé de Sousa procurou estabelecer um Engenho Real para auxiliar os que não possuíam uma moenda.

A extração do pau-brasil, porém, continuava a ser a principal riqueza da terra brasileira. Logo foi enviado para o reino um carregamento dessa preciosa madeira. Em troca do produto, chegaram algumas cabeças de gado de Cabo Verde para auxiliar nas plantações de cana-de-açúcar.

Esse gado foi a origem do rebanho do litoral e do interior do Leste brasileiro.

Era preciso trabalhar a terra. A agricultura incrementaria a atividade econômica, alimentaria índios e colonos. Mas havia a dificuldade da mão-de-obra. Os índios não se submetiam aos trabalhos da lavoura. Rebelavam-se, fugiam matagal a dentro. Chegavam a adoecer e a morrer, debaixo do jugo da escravidão. Além do mais, contavam com o apoio dos jesuítas, que, na sua missão de catequese, se insurgiram contra a escravidão dos nativos.

Em 1552, Tomé de Sousa visitou a Capitania do Espírito Santo. Depois continuou a viagem até São Vicente e enviou correspondência ao soberano contando o que viu e as providências que foram tomadas. Quando ele chegou ao Espírito Santo, o donatário Vasco Fernandes Coutinho estava ausente. O governador-geral se refere à abastança da Capitania. A cana-de-açúcar era o sustentáculo do desenvolvimento.

Em carta ao soberano, reclama da má administração encontrada à frente das terras visitadas. Queixa-se da ausência dos donatários que, afinal de contas, deveriam estar dirigindo os trabalhos e fazendo prosperar as suas Capitanias.

Conta que fez cercar de taipa todas as vilas e povoações de engenho das costas visitadas. E deu-lhes toda a artilharia que lhe pareceu necessária. Ordenou a construção de casas de audiências e de prisão em todas as vilas.

Também se preocupou em melhorar a situação de algumas ruas e mandou que tudo se fizesse sem opressão do povo.

Os termos da carta são bastantes gerais, mas a  Capitania do Espírito Santo deve ter-se beneficiado de todas essas providências.

O padre Afonso Brás já havia levantado o Colégio de São Tiago, constituído de grande Casa e Igreja, onde é hoje o Palácio do Governo do Espírito Santo.

 

Tomé de Sousa rezou na igreja dos jesuítas, ao lado do padre Manuel da Nóbrega

 

Tomé de Sousa visitou o Colégio e orou ao lado do padre Manuel da Nóbrega.

Essas informações são do historiador Serafim Leite. Ele acrescenta que "a quatro de maio de 1552 já chamavam Casa de São Tiago e Colégio dos Meninos", ao hoje Palácio Anchieta, depois de passar por inúmeras reformas.

Documentos informam que, na organização da Companhia, colégio não significava escola, mas a principal categoria administrativa e geográfica, da qual dependiam as casas ou residências das aldeias.

Na Casa de São Vicente, em São Paulo, por exemplo, funcionaram as primeiras aulas, e não em nenhum colégio.

Duarte da Costa, o segundo governador-geral,  enfrentaria sérias crises. E Mem de Sá, o terceiro a ocupar o cargo, encontraria nos invasores franceses do Rio de Janeiro seu maior problema.

Os governadores seguintes também lutariam com dificuldades sem conta para administrar uma terra tão vasta, mas o importante era manter a unidade e o crescimento econômico.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 20/05/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes e Sebastião Pimentel
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2016

História do ES

O Combate na Baía do Espírito Santo - Cavendish (5ª Parte)

O Combate na Baía do Espírito Santo - Cavendish (5ª Parte)

O capitão Morgan lembrou minhas palavras aos marinheiros, mas alguns “cabeças-duras” começaram a praguejar, dizendo que sempre consideraram Morgan um covarde, que fingia sofrer de diarréia, para fugir da briga, quando na verdade, se borrava de medo de tudo

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Luísa Grinalda, a primeira Governadora

Em 1589, com a morte do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho, sucedeu-lhe no Governo da Capitania sua viúva, Dona Luísa Grinalda. O casal não tinha filhos para seguir a linha de sucessão. Dessa maneira, uma mulher herdou o posto e nomeou seu adjunto o Capitão Miguel Azeredo...

Ver Artigo
Com o segundo donatário, mais prosperidade

Sem o benefício da riqueza fácil do ouro e pedras, o jeito foi tirar o açúcar da terra com o suor do rosto

Ver Artigo
A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

Dez anos depois do desembarque do primeiro donatário, já estavam instalados, em 1545, na Capitania do Espírito Santo, quatro engenhos de açúcar 

Ver Artigo
O ocaso do comandante

Com a morte de Vasco Fernandes Coutinho, assume o filho bastardo, porque os legítimos haviam falecido 

Ver Artigo
Um encontro com Luísa Grinalda

Fui a Évora visitar o Convento de Nossa Senhora do Paraíso, para onde se retirou a primeira governadora em terras do Brasil, Dona Luísa Grinalda, logo após ter deixado a direção da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo