Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Com o segundo donatário, mais prosperidade

Os frades franciscanos vieram para o Estado no início da colonização. Além do Convento da Penha, construíram outro no centro de Vitória. - Obra de Álvaro Conde

A administração de Vasco Fernandes Coutinho Filho propiciou um período de tranqüilidade à Capitania: novas construções de engenhos, desenvolvimento da catequese e levantamento da igreja dos jesuítas (São Tiago). Os colonos, voltados para as suas diversas tarefas, pareciam menos agressivos e mais preocupados com os seus próprios afazeres.

As riquezas da época, nesta parte do mundo, seriam as pedras e os metais preciosos ou a lavoura da cana-de-açúcar. A riqueza fácil não foi encontrada. Era preciso pensar em tirá-la com trabalho, da terra, e a cultura da cana vicejava. O algodão também trazia divisas para a Capitania, bem como as cabeças de gado.

O historiador Rower chama a atenção para o zelo com que os franciscanos trabalhavam nos conventos e missões do Norte do Brasil. E acrescenta que Vasco Coutinho Filho, impressionado com as notícias de tanta dedicação por parte desses religiosos, pediu ao chefe daquela Ordem na Bahia, a vinda de alguns frades franciscanos para o Espírito Santo.

O trabalho dos franciscanos no Espírito Santo teve início com frei Pedro Palácios

O trabalho religioso dos franciscanos no Espírito Santo tivera início com Frei Pedro Palácios. E continuou com a chegada de Antônio dos Mártires e Antônio das Chagas, que já não encontraram o donatário Vasco Coutinho Filho, falecido meses antes.

Os franciscanos foram recebidos festivamente pela nova governadora, Luísa Grinalda, e pelo seu adjunto, o Capitão Miguel Azeredo; pelo vigário da Vila de Vitória, Padre Francisco Pinto; e autoridades da terra.

Tempos após a chegada, esses religiosos iniciaram a construção, em Vitória, do Convento de São Francisco, em terreno doado à Ordem, por escritura assinada pela governadora, pelo seu adjunto e demais autoridades constituídas.

Luisa Grinalda doou também aos franciscanos o terreno do Convento da Penha, que fazia parte de sua propriedade (contíguo), a fazenda do Moreno. Ela conviveu com Frei Pedro Palácios e foi testemunha de sua generosidade e abnegação.

Depois da chegada dos franciscanos, vieram para o Espírito Santo os beneditinos, representados pelos sacerdotes Frei Damião da Fonseca e Irmão Basílio.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 20/05/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes e Sebastião Pimentel
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

História do ES

Um bacharel morando em Vitória em 1700

Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Luísa Grinalda, a primeira Governadora

Em 1589, com a morte do donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho, sucedeu-lhe no Governo da Capitania sua viúva, Dona Luísa Grinalda. O casal não tinha filhos para seguir a linha de sucessão. Dessa maneira, uma mulher herdou o posto e nomeou seu adjunto o Capitão Miguel Azeredo...

Ver Artigo
Com o Governo-Geral, chegam o gado, o engenho real e a crítica aos donatários

Tomé de Sousa visitou o Espírito Santo e não gostou do que viu. Vasco Fernandes Coutinho estava fora

Ver Artigo
O ocaso do comandante

Com a morte de Vasco Fernandes Coutinho, assume o filho bastardo, porque os legítimos haviam falecido 

Ver Artigo
Um encontro com Luísa Grinalda

Fui a Évora visitar o Convento de Nossa Senhora do Paraíso, para onde se retirou a primeira governadora em terras do Brasil, Dona Luísa Grinalda, logo após ter deixado a direção da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo