Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Praia do Suá, ao fundo Morro do Moreno - Foto: Antonio Carlos (Tonico), arquivo José Tatagiba Vitória, ES

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes. Sentiam-se infelizes, no seu trabalho.

Um dia, antes ainda de iniciar a pregação da Boa Nova, Jesus passava incógnito pelo grupo e, penalizado, ante o desânimo dos pobres homens, se lhes acercou e disse:

— "Faltam-lhes peixes, porque não sabem pescar. Espantam-nos, redando para o mar. Joga-se a rede, do mar para a terra e não, da terra para o mar".

Seguiram o conselho do Senhor e a pesca foi maravilhosa.

Disse, então, São Pedro aos seus companheiros:

— "Que daremos a esse homem, que nos ensinou a pescar?"

Consultado, Jesus respondeu-lhes:

— "Se apanharem dez peixes, devem-me dar um peixe, isto é, o dízimo. E assim, por diante, na mesma proporção."

Aprendeu-se, desse modo, a ser dividido o peixe, entre os pescadores. Mais tarde, passou a ser o quinto.

São Pedro, contudo, era interesseiro e começou a contar os peixes, separando os menores, para Jesus.

Nesse momento, aproximou-se do grupo um lavrador, que levava a lenha, para o seu ranchinho. Ofereceu-a, para que o Mestre assasse os peixes.

Jesus armou a fogueira e queimou o seu dízimo. A fumaça foi para o céu e Jesus exclamou:

— "Nobre lavrador e vil pescador." Por isso, é que todo pescador é esperto e sovina.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

A Pata - Por Adelpho Monjardim

A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo