Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Companhia Vale do Rio Doce

Cais do Atalaia

O desenvolvimento da Segunda Guerra Mundial sofreu um refluxo em 1942. As nações do Eixo começaram a perder terreno para as potências aliadas – Estados Unidos, União Soviética e Inglaterra.

No esforço de guerra, a responsabilidade do Brasil, na fase anterior ao envio de tropas, era bem restrita. Devia abastecer os aliados de alimentos e, principalmente, matérias-primas.

Para selar compromisso, Brasil, Estados Unidos e Inglaterra firmaram os “Acordos de Washington”, exatamente em 1942. Por meio dos contratos assinados entre os representantes dos três países, o Brasil, financiado pelo capital norte-americano, comprometia-se a fornecer, anualmente, com exclusividade, 1,5 milhão de toneladas de minério de ferro para os Estados Unidos e a Inglaterra, a fim de suprir suas indústrias bélicas.

Para cumprir a meta de exportação, o governo brasileiro encampou uma mineradora inglesa sediada em Minas Gerais – Itabira Iron Company – e, também, a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), cujas obras, iniciadas em 1903, haviam sido concluídas em 1940. Foi criada, dessa forma, a Companhia Vale do Rio Doce – CVRD. Sua função era gerenciar a extração, o transporte e a exportação do minério de ferro.

A CVRD contraiu empréstimo no exterior – Eximbank, nos Estados Unidos – com os seguintes objetivos: ampliar a capacidade de produção das minas, reaparelhar a EFVM e terminar as obras do cais especial de embarque e exportação de minério de ferro, na baía de Vitória.

O cais especial de minérios foi construído defronte da Ilha de Vitória, no continente – Morro do Atalaia. Com um sistema de descarregamento mecânico de vagões, deixou para trás a época em que a carga de minério, após chegar à estação terminal de EFVM, era transportada, até o porto de Vitória, em caminhões, e desembarcada na rua, no centro da cidade, de onde era transferida para os navios por trabalhadores braçais.

Com o término da Segunda Guerra Mundial, a CVRD enfrentou inúmeros problemas. A exclusividade de venda para a Inglaterra e os Estados Unidos chegou ao fim, uma vez que os dois países renunciaram à opção de renovação de contratos. Essa decisão deixou a Companhia sem mercado garantido a curto prazo.

As dificuldades foram agravadas graças à redução da demanda mundial por minério de ferro e em razão dos altos custos dos fretes marítimos, uma vez que o Brasil competia com países como o Canadá e Venezuela, situados a menor distância dos principais mercados consumidores – Estados Unidos e Europa.

Somente em 1952, após enfrentar inúmeros contrayenpos, é que a CVRD consegue modernizar as operações do complexo mina-ferrovia-porto e atingir a meta de 1,5 milhão de toneladas exportadas por ano. Nessa mesma época, saldou seus compromissos com os credores e ganhou credibilidade internacional.

 

Fonte: História do Espírito Santo, Vitória/2002
Autor: José Pontes Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

A Caminho da Vitória - Por Mário Gurgel

A Caminho da Vitória - Por Mário Gurgel

Thiers Vellozo era jornalista. No seu diário, sempre esteve a serviço de causas nobres e retas, combatendo os desmandos, perseguindo tenaz e irredutivelmente os que se esqueciam da verdade e negavam os princípios da democracia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De vento em popa

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo

Ver Artigo
Referências bibliográficas do livro

Já vi quem iniciasse a leitura de um livro pelas suas referências bibliográficas. Para os macróbios da historiografia será de grande valia

Ver Artigo
Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro

Ver Artigo
Segunda Viagem ao Interior do Brasil. Espírito Santo

Esse lugar (Lagoa Juparanã) será, certamente, então, um dos mais bellos do imperio do Brasil 

Ver Artigo
Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo