Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Congo não é música

Congo da Barra do Jucu na UFES - 2014

Quem disser que o congo é a música capixaba, errou em cheio. É bom não pagar mico, pois congo não é música.

Congo é uma nacionalidade; assim como brasileiro, argentino, americano, etc, cujas músicas mais características são o samba, o tango e o rock. Não se pode chamar o brasileiro, o argentino ou o americano de gênero musical, assim como não se pode chamar o congo de música.

Congo é um rio da África que nasce na região dos Grandes Lagos com o nome de Lualaba e que recebe água dos afluentes Ubangui, Sanga e Cassai, banha Kisangani e Kinshasa; cruza duas vezes o Equador, formando um estuário de 4.640 km, sendo uma poderosa via de penetração ao coração da África, e deságua no Atlântico. Foi, aindauma nação africana dominada pela França, e se tornou independente em 1960 - hoje se chama República Popular do Congo, capital Brazzaville.

Nas Barrancas do Cricaré - São Mateus e Conceição da Barra -, congo é cada participante do Reis de Boi e do Ticumbi, também conhecidos como Baile de Congos. Nesses folguedos, os participantes são definidos por suas posições nos cordões: "primeiro congo", "segundo congo". Como música é imperdoável.

Já a Congada é um auto, cuja tradição começa com o Ciclo de Angola (Século 17), com os negros Cabindas e Benguelas dramatizando as lutas entre as nações de Congo e Bamba. Essa tradição começa antes da simbiose dos cultos bantos com a liturgia da Igreja e, sobretudo, com as reminiscências da rainha Njinga Nbandi.

Agora, honra seja feita ao jongo, se é que ele precisa disso: é um dos mais contagiantes ritmos do cancioneiro popular do Brasil. E quando ouvimos a Banda Amores da Lua, além das bandas da Barra do Jucu, Serra, Viana, Cariacica, Regência e São Mateus, estamos ouvindo o velho jongo como a mais genuína música do Espírito Santo.

Quem assiste às nossas tradicionais bandas de congo, vai é "cair no jongo".

 

Texto: Maciel de Aguiar
Fonte: Jornal A Gazeta

 

Links Relacionados:

 Barra do Jucu 
 Semana do Folclore

Matérias Especiais

O Campanelli

O Campanelli

Manhã nascendo. De pé sobre a pedreira, eu observava o voo dos urubus que agouravam a morte do bezerro atolado no asfalto. A estradinha à beira-mar estava sendo pavimentada. Por todo lado amontoavam-se tonéis do betume negro e visguento; alguns derramados. O gado desavisado que por ali perambulava, volta e meia via-se em apuros. Os maiores conseguiam safar-se, mas os pássaros e bezerrinhos que caíam no asfalto derretido, quando mais se debatiam, mais afundavam...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo
As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Ver Artigo
As revolucionárias nos anos 30 - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Maria Stella de Novaes (1894-1990) e Haydée Nicolussi (1905-1970) são da mesma geração e foram revolucionárias de seu tempo, cada uma a sua maneira

Ver Artigo
Gabriel Bittencourt e a Historiografia Espírito-Santense - Por Marcello de Ipanema Cybelle de Ipanema

Prefácio do livro de Gabriel Bittencourt escrito em 1989. Uma incrível visão da cultura regional atualizadíssima. Parabéns Marcello de Ipanema e Cybelle de Ipanema

Ver Artigo
Dr. Luiz Buaiz - Ícone da medicina

Dr. Saulo Ribeiro do Val, ginecologista e obstetra, apresenta Luiz Buaiz como um ícone da Medicina, em Vitória

Ver Artigo