Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Congo não é música

Congo da Barra do Jucu na UFES - 2014

Quem disser que o congo é a música capixaba, errou em cheio. É bom não pagar mico, pois congo não é música.

Congo é uma nacionalidade; assim como brasileiro, argentino, americano, etc, cujas músicas mais características são o samba, o tango e o rock. Não se pode chamar o brasileiro, o argentino ou o americano de gênero musical, assim como não se pode chamar o congo de música.

Congo é um rio da África que nasce na região dos Grandes Lagos com o nome de Lualaba e que recebe água dos afluentes Ubangui, Sanga e Cassai, banha Kisangani e Kinshasa; cruza duas vezes o Equador, formando um estuário de 4.640 km, sendo uma poderosa via de penetração ao coração da África, e deságua no Atlântico. Foi, aindauma nação africana dominada pela França, e se tornou independente em 1960 - hoje se chama República Popular do Congo, capital Brazzaville.

Nas Barrancas do Cricaré - São Mateus e Conceição da Barra -, congo é cada participante do Reis de Boi e do Ticumbi, também conhecidos como Baile de Congos. Nesses folguedos, os participantes são definidos por suas posições nos cordões: "primeiro congo", "segundo congo". Como música é imperdoável.

Já a Congada é um auto, cuja tradição começa com o Ciclo de Angola (Século 17), com os negros Cabindas e Benguelas dramatizando as lutas entre as nações de Congo e Bamba. Essa tradição começa antes da simbiose dos cultos bantos com a liturgia da Igreja e, sobretudo, com as reminiscências da rainha Njinga Nbandi.

Agora, honra seja feita ao jongo, se é que ele precisa disso: é um dos mais contagiantes ritmos do cancioneiro popular do Brasil. E quando ouvimos a Banda Amores da Lua, além das bandas da Barra do Jucu, Serra, Viana, Cariacica, Regência e São Mateus, estamos ouvindo o velho jongo como a mais genuína música do Espírito Santo.

Quem assiste às nossas tradicionais bandas de congo, vai é "cair no jongo".

 

Texto: Maciel de Aguiar
Fonte: Jornal A Gazeta

 

Links Relacionados:

 Barra do Jucu 
 Semana do Folclore

Matérias Especiais

Bar Santos

Bar Santos

Mas o mais charmoso do Bar Santos, um pedacinho de chão então com cheiro de século passado incrustado na Vila Rubim, era a canoinha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo