Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Congo não é música

Congo da Barra do Jucu na UFES - 2014

Quem disser que o congo é a música capixaba, errou em cheio. É bom não pagar mico, pois congo não é música.

Congo é uma nacionalidade; assim como brasileiro, argentino, americano, etc, cujas músicas mais características são o samba, o tango e o rock. Não se pode chamar o brasileiro, o argentino ou o americano de gênero musical, assim como não se pode chamar o congo de música.

Congo é um rio da África que nasce na região dos Grandes Lagos com o nome de Lualaba e que recebe água dos afluentes Ubangui, Sanga e Cassai, banha Kisangani e Kinshasa; cruza duas vezes o Equador, formando um estuário de 4.640 km, sendo uma poderosa via de penetração ao coração da África, e deságua no Atlântico. Foi, aindauma nação africana dominada pela França, e se tornou independente em 1960 - hoje se chama República Popular do Congo, capital Brazzaville.

Nas Barrancas do Cricaré - São Mateus e Conceição da Barra -, congo é cada participante do Reis de Boi e do Ticumbi, também conhecidos como Baile de Congos. Nesses folguedos, os participantes são definidos por suas posições nos cordões: "primeiro congo", "segundo congo". Como música é imperdoável.

Já a Congada é um auto, cuja tradição começa com o Ciclo de Angola (Século 17), com os negros Cabindas e Benguelas dramatizando as lutas entre as nações de Congo e Bamba. Essa tradição começa antes da simbiose dos cultos bantos com a liturgia da Igreja e, sobretudo, com as reminiscências da rainha Njinga Nbandi.

Agora, honra seja feita ao jongo, se é que ele precisa disso: é um dos mais contagiantes ritmos do cancioneiro popular do Brasil. E quando ouvimos a Banda Amores da Lua, além das bandas da Barra do Jucu, Serra, Viana, Cariacica, Regência e São Mateus, estamos ouvindo o velho jongo como a mais genuína música do Espírito Santo.

Quem assiste às nossas tradicionais bandas de congo, vai é "cair no jongo".

 

Texto: Maciel de Aguiar
Fonte: Jornal A Gazeta

 

Links Relacionados:

 Barra do Jucu 
 Semana do Folclore

Matérias Especiais

Patrimônio da Humanidade – Por José Reginaldo Santos Gonçalves

Patrimônio da Humanidade – Por José Reginaldo Santos Gonçalves

Uma das conseqüências da “redescoberta” de Ouro Preto pelos intelectuais modernistas foi o seu reconhecimento oficial como “monumento nacional”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Ver Artigo
Cachoeiro de Itapemirim e a República

O amor à terra, como o indestrutível apego a suas tradições, é característico do cachoeirense

Ver Artigo
O regime das terras devolutas na República

O advento da República alterou, profundamente, o regime da propriedade, na parte concernente às terras devolutas

Ver Artigo
O Primeiro Clube Republicano do ES - Por Newton Braga

Em setembro de 1888 reunia-se em Cachoeiro o Primeiro Congresso Republicano do Espírito Santo, vindo representantes de toda a Província

Ver Artigo
Ensino Artístico - Professor Paulo Gomes Cardim

A reforma do ensino da musica, confiada à competência e dedicação do ilustre professor Paulo Gomes Cardim

Ver Artigo