Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Contos de Surfe - Por Paulo Marreco

Paulo Marreco

Paulo Marreco surfa há mais de 25 anos. Desde 2007, mantém uma coluna no maior portal de surfe do Espírito Santo, onde escreve contos e crônicas que retratam o universo do surfe naquele Estado. São quase 150 contos e crônicas produzidos neste período; alguns foram publicados no Waves, como o surpreendente conto Metamorfoseando a Metamorfose, inspirado na mais famosa obra de Kafka; Surfo, Logo -Ainda- Existo, uma homenagem ao guerreiro Taiu Bueno; e Surfistas no Poder.

Agora, o surfista resolveu fazer uma compilação de alguns dos textos em um livro. Nele, o, leitor encontrará, textos inspirados em surfistas reais (O Mar e a Fúria); outros são inspirados em grandes nomes da literatura mundial como Kafka (o já mencionado Metamorfoseando a Metamorfose) Borges (Os Outros) e Tchekov (A Revolução); alguns são homenagens a personalidades do surfe nacional como Taiu (Surfo, Logo -Ainda- Existo) e mundial como Andy Irons (Andy DeFerro) e Kelly Slater (A Receita); há contos de natureza cômica (O Doente, O Melhor Emprego do Mundo, Relógio Novo), outros mais dramáticos (Surfo, Logo Existo, A Tribo dos Surfistas Selvagens). Quer dizer, contos para todos os gostos. E tudo isso será ilustrado com uma seleção de belas fotos de surfe, que retratam o potencial e a beleza do maravilhoso litoral capixaba. SURFO, LOGO EXISTO é uma tentativa do autor de traduzir e revelar em palavras um pouco do sentimento que nós, surfistas, temos ao remar de encontro às ondas, ao ficar de pé sobre uma prancha. É também a experiência de utilizar o surfe como ferramenta para a produção de literatura. SURFO, LOGO EXISTO é um livro sobre esporte; especificamente, sofre surfe. Mas não é apenas isso; afinal, o surfe não é apenas um esporte. Não é apenas um hobby, nem é simplesmente um estilo de vida. Surfe é um estado de espírito.

Ou seja, SURFO, LOGO EXISTO é uma homenagem vibrante a essa tribo de alucinados adoradores de ondas da qual, graças a DEUS, fazemos parte!!

Para que o livro se concretize, o autor cadastrou o projeto no CATARSE, site que promove o financiamento coletivo de obras. O internauta interessado em adquirir a obra pode escolher uma das várias opções de investimento que o site oferece. Também há opções para empresas que queiram patrocinar o livro e imprimir sua marca nas páginas da obra. E também na história do surfe capixaba, pois este é o primeiro empreendimento desse tipo realizado pro aquelas bandas.

Saiba como garantir o seu exemplar no link abaixo (IMPORTANTE: A ÚNICA FORMA DE ADQUIRIR O LIVRO É ATRAVÉS DO CATARSE):

http://catarse.me/pt/projects/783-surfo-logo-existo

Além de adquirir o seu exemplar, divulgue o livro. Compartilhe no Facebook, Twitter, fale sobre ele na escola, no trabalho, no almoço de domingo na casa da vovó ou da sogra. Ajude a tornar esse projeto uma realidade e a construir esse marco na história da cultura surfe no Espírito Santo; não perca a oportunidade de adquirir essa obra histórica!!!

 

Dica do Site: Leia também sem parar, do mesmo autor: "Vagas lembranças de um quase atleta" 

Literatura e Crônicas

Otinho - Por Elmo Elton

Otinho - Por Elmo Elton

Quando mais moço, dançava, sob aplausos, já que sempre arrodeado de curiosos, a "dança do laço"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Ver Artigo
Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso

Ver Artigo
Quarta-feira no Parque - Por Maria Helena Hees Alves

Admiro as peças antigas que o Parque ainda guarda: um sinaleiro apagado, um chafariz sem água e um relógio parado

Ver Artigo
Fumaça nos meus olhos - Por Marzia Figueira

A jovem de longo vestido branco, em renda e tule,...correm os anos dourados, suave é a noite, o salão é do Clube Vitória e a debutante sou eu...

Ver Artigo
O Fim - Por Maria Amélia Dalvi

A imagem mais recorrente quando eu pensava nele era: nós dois prendendo as bicicletas com correntes nas calçadas da Rua Sete

Ver Artigo