Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Correios, índios e negros na segunda metade do século XVIII

Igreja do Rosário - Vitória, 1830 - Foto: Victor Frond

Passo a passo, aumentavam os recursos locais e, com eles, vinham os benefícios da civilização.

A primeiro de janeiro de 1779, inaugurou-se o serviço de correios entre Campos e Vitória.(50)

Os índios é que, de quando em vez, faziam incursões pelos povoados, demonstrando – com sua presença – quão precária era a segurança que a terra oferecia, não obstante mais de dois séculos de colonização. Naquele mesmo ano de 1779, atacaram o distrito de Santa Maria, no rio do mesmo nome, causando enormes prejuízos em vidas e benfeitorias. Possivelmente, tais assaltos eram represálias às atitudes criminosas dos próprios civilizados, sempre atentos e dispostos a caírem sobre os silvícolas, na ânsia de escravizá-los.

De passagem, seja dito que a população negra da capitania, na segunda metade do século XVIII, devia ser bem numerosa, pois, em 1765, existia, em Vitória, irmandade dos pretos e se levantava – por iniciativa deles – a capela de N. S. do Rosário.(51)

 

NOTAS

(50) - “O correio fora criado no ano anterior [1778]”, informa LAMEGO (Efemérides, I, 9).

– Em 1816, o príncipe Maximiliano recebeu cartas da Europa, trazidas a Vitória pelo correio do Rio de Janeiro. O serviço era feito por terra e não ia além da vila da Vitória (MAXIMILIANO, Viagem, 140).

(51) - DAEMON, Prov. ES, 170.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Ano de 1867 – Por Basílio Daemon

Ano de 1867 – Por Basílio Daemon

Em 14 de fevereiro de 1867, caíram dois raios na tarde deste dia no antigo e monumental Convento de Nossa Senhora da Penha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo