Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Correios, índios e negros na segunda metade do século XVIII

Igreja do Rosário - Vitória, 1830 - Foto: Victor Frond

Passo a passo, aumentavam os recursos locais e, com eles, vinham os benefícios da civilização.

A primeiro de janeiro de 1779, inaugurou-se o serviço de correios entre Campos e Vitória.(50)

Os índios é que, de quando em vez, faziam incursões pelos povoados, demonstrando – com sua presença – quão precária era a segurança que a terra oferecia, não obstante mais de dois séculos de colonização. Naquele mesmo ano de 1779, atacaram o distrito de Santa Maria, no rio do mesmo nome, causando enormes prejuízos em vidas e benfeitorias. Possivelmente, tais assaltos eram represálias às atitudes criminosas dos próprios civilizados, sempre atentos e dispostos a caírem sobre os silvícolas, na ânsia de escravizá-los.

De passagem, seja dito que a população negra da capitania, na segunda metade do século XVIII, devia ser bem numerosa, pois, em 1765, existia, em Vitória, irmandade dos pretos e se levantava – por iniciativa deles – a capela de N. S. do Rosário.(51)

 

NOTAS

(50) - “O correio fora criado no ano anterior [1778]”, informa LAMEGO (Efemérides, I, 9).

– Em 1816, o príncipe Maximiliano recebeu cartas da Europa, trazidas a Vitória pelo correio do Rio de Janeiro. O serviço era feito por terra e não ia além da vila da Vitória (MAXIMILIANO, Viagem, 140).

(51) - DAEMON, Prov. ES, 170.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Muniz Freire

Muniz Freire

Presidente do Estado pela primeira vez, em 1892, Muniz Freire anunciou que suas duas prioridades seriam o povoamento do solo espírito-santense e a construção de ferrovias

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo
Bibliotecas públicas e jornais na República

A Biblioteca Pública Provincial, em 1889, era servida por um amanuense-bibliotecário e um porteiro

Ver Artigo