Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Curas Miraculosas

"Achava-se gravemente enfermo de febres contínuas o Irmão corista Frei João dos Anjos, em o mesmo convento da Vila da Vitória, e tendo tomado alguns remédios sem efeito, lhe agravaram mais os achaques; e indo naquele mesmo dia o Guardião aonde estava o enfermo, e levando um dos ossos do Servo de Deus, lhe lançou ao pescoço, advertindo-lhe que encomendasse com fé, a Deus, na proteção do seu Servo, e que esperasse ter melhora, a qual o enfermo logo conseguiu. Com a fama deste prodígio concorreram logo outros vários, a pedir Relíquias dos ossos, que, sendo-lhes dados, sararam todos.

"Na mesma ocasião, Duarte de Albuquerque, de uma enfermidade grave, que se não explica no processo (processo preliminar de beatificação de Frei Pedro, em 1616), e nos dias seguintes, João Gonçalves, a mulher de Lourenço Afonso e uma menina sua, e Gomes Fernandes, todos estes e outros mais, por depoimentos seus próprios e de várias testemunhas, sendo uma destas Frei João da Assunção, que depõem o milagre do Religioso enfermo, sendo ele nesta ocasião o presidente do Convento da Vitória, e presenciou o caso. Todos estes e outros semelhantes constam por depoimento das testemunhas referidas no alegado instrumento, sendo três destes o mesmo Lourenço Afonso, Gomes Fernandes e Frei João da Assunção, o qual, além da milagrosa saúde do Religioso enfermo do Convento da Vitória, depõe que, achando-se depois assistente no do Rio de Janeiro, indo em um dia visitar a Gaspar da Cunha, que se achava enfermo gravemente de febres na cidade, em casa de Baltazar de Serós, e pedindo o enfermo ao dito Padre algumas Relíquias do Servo de Deus, Frei Pedro, que ouvia dizer obrava com elas muitos prodígios e lançando-lhe uma ao pescoço - que era dos seus ossos - incontinenti ficou livre o enfermo daquele mal.

"De outros semelhantes dizem as mesmas testemunhas ouviram falar obravam os ossos do Servo de Deus, sarando com a aplicação deles muitas pessoas, de várias enfermidades, e especialmente de febres e sezões, de que o Servo do Senhor, naquela Capitania, é particular advogado tomando dos seus

ossos algumas Relíquias desfeitas em água, ou trazendo-as ao pescoço.

"Com estes prodígios e maravilhas, quis confirmar o Senhor os merecimentos do seu Servo, pelos quais não só nos certificamos da bem-aventurança de sua alma no Céu, mas também a de o podermos venerar na terra entre os varões Santos, como a um deles; porque é certo que os milagres e prodígios nos Servos de Deus, se a não fazem, mostram eles a sua Santidade. A esta podemos, por conclusão, ajuntar o grande testemunho de outro Servo do mesmo Senhor, e seu grande Operário nesta mesma vinha do Brasil, o venerável Padre José de Anchieta, da Sagrada Companhia de Jesus, que em uma carta sua, escrita no ano de 1572, e se guarda em Coimbra no cartório do seu Colégio, diz estas palavras, falando de Frei Pedro de Palácios: Varão Evangélico, que viveu e morreu santamente."

Há, dessas curas milagrosas, um testemunho insuspeito: o de Frei Vicente do Salvador - a cujas instâncias se iniciou, a 27 de julho de 1616, o processo sobre a vida prodigiosa e santa de Frei Pedro: "na trasladação de seus ossos desta igreja [Penha] para o nosso convento [São Francisco em Vitória] fez muitos milagres, e poucos enfermos os tocam com devoção que não sarem logo, principalmente de febres, como tudo consta do instrumento de testemunhas que está no arquivo do convento." 

 

Autor: Guilherme Santos Neves
Fonte: História Popular do Convento da Penha - 3ª edição, 2008 

Convento da Penha

 Fonte para a história do Convento da Penha e de Frei Pedro Palácios

Fonte para a história do Convento da Penha e de Frei Pedro Palácios

Crônica da Província Franciscana da Arrábida, que tem sua sede na serra portuguesa de mesmo nome, na península de Setúbal, ao sul de Lisboa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo