Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

D. Pedro II em Linhares

Laurita Calmon Dessaune bisneta do Comendador Rafael Pereira de Carvalho

Já li muito sobre a visita de D. Pedro II ao Espírito Santo. Contudo, tais escritos fazem sempre a mesma indagação: por que Linhares teve a honra de receber a visita de D. Pedro II? Nasci e fui criada em Linhares e, assim sendo, decidi contar o que conheço sobre esse trecho da nossa História.

Desde criança, ouvi de pessoas criteriosas que existia uma grande amizade entre o comendador Rafael Pereira de Carvalho, meu bisavô, e D. Pedro II.

O comendador morava no Rio de Janeiro com sua esposa, Maria Joaquina, e seu único filho, Augusto Rafael. Prova da amizade e da intimidade que a família Carvalho gozava com a família imperial é o fato de que o filho do comendador, meu avô Augusto, quando criança, brincava com a princesa Isabel.

Certa feita, o comendador partiu do Rio de Janeiro com destino a Linhares, para conhecer as riquezas que ali existiam. Descobriu que aquele lugar era de fato encantador, pelas belezas naturais e fertilidade de sua terra.

Com tanto encanto, o comendador tornou-se dono de sesmaria em torno da Lagoa Juparanã e não mais retornou ao Rio de Janeiro, onde deixou sua esposa e filho. O tempo passava e, com a ausência do marido, Maria Joaquina adoeceu e veio falecer. Diante dos tristes acontecimentos, o comendador mandou buscar o filho Augusto, de 15 anos, rapaz inteligente e culto.

Mais tarde Augusto veio a se casar com Maria Alberto da Silva Carvalho e teve cinco filhos, entre eles minha mãe, Graciosa, que se casou com meu pai, Lastenio Calmon. Além do magistério, meu avô exerceu diversos cargos públicos e ainda foi deputado estadual em 1990.

Como amigo íntimo de D. Pedro, o comendador mandava-lhe com freqüência notícias das belezas e fertilidade das terras linharenses, junto com um convite para que um dia viesse pessoalmente conhecer aquelas plagas brasileiras.

Aceito o convite, o comendador mandou construir com antecedência uma bela canoa, que serviria para o traslado de D. Pedro II e passeios pelo rios Doce e Juparanã. Foi nessa canoa, sempre acompanhado do comendador, que D Pedro também foi levado a conhecer a bela Lagoa Juparanã, diante da qual exclamou: “Que maravilha, que beleza! Quanta água!”

Nessa Lagoa existe uma única ilha, então de propriedade do comendador, para onde ele levou o monarca e lá ofereceu-lhe um lauto almoço. Depois dessa visita, o local passou a se chamar Ilha do Imperador.

D. Pedro II visitou Linhares em 3 de fevereiro de 1860, a convite do meu bisavô, seu amigo, o comendador Rafael Pereira de Carvalho, e lá se hospedou na melhor casa na época, que pertencia a Anselmo Calmon, filho de João Felipe Calmon, fundador da cidade.

 

Material transcrito por Walter de Aguiar Filho – Setembro/2010
Fonte: 
Jornal A Gazeta 15/11/2004

Autora: Laurita Calmon Dessaune é viúva do ex-reitor e fundador da Universidade Federal do Espírito Santo, Jair Etienne Dessaune.

 

Nota do Site: Dona Laurita Calmon Dessaune faleceu em 18/08/2010 aos 97 anos, conhecida em todo o país como umas das "vovós aventureiras" que, em 2002 e 2007, rodaram mais de 20 mil quilômetros de carro por várias regiões do Brasil. 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Linhares
>> Visita de D. Pedro II ao ES 
>> D. Pedro II e o Rio da Costa
>> D. Pedro II no ES  
>> 200 Anos da Família Real no Brasil



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Loren Reno, educador

Loren Reno, educador

Loren Reno veio da outra América como missionário batista para a evangelização do Brasil. Aqui trabalhando, fez-se também educador emérito, e é nesta qualidade que iremos focalizá-lo.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Auguste François Biard

Na relação dos principais viajantes estrangeiros ilustres que estiveram em nosso país, no segundo meado do século dezenove, sem muito destaque, inclui-se o nome do pintor francês — Auguste François Biard

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

"No dia seguinte, a comitiva regressou a Vitória, onde o presidente Sousa Carvalho já havia providenciado uma canoa grande e cinco remadores, escravos, para subirem o curso caudaloso do rio Santa Maria, até a colônia de Santa Leopoldina"...

Ver Artigo
Palácio das Águias

A Barra do Itapemirim, em Marataízes, é um antigo núcleo de povoação fundado no ano de 1771 pelos portugueses 

Ver Artigo
Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
Mais nomes curiosos de ruas de Vitória

RUA DO FOGO ou CARAMURU - Foi conhecida por Ladeira do Quebra-Bunda, pois com leito em pedra, muito íngreme e sempre molhada por infiltrações, era bastante escorregadiça

Ver Artigo