Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

Capa do livro de Daemon dedicado à D. Pedro II, 1879

DEDICATÓRIA AO IMPERADOR, D. PEDRO II

 

 

À S. M. O IMPERADOR.

Senhor!

Não podíamos dedicar a outrem o fruto de nossos incessantes estudos durante seis e meio anos, senão a V. M. imperial: o primeiro cidadão deste vasto império, o propugnador estrênuo das letras pátrias, o protetor constante daqueles que se hão esforçado por esclarecer a história de nosso país, que até certa época era bastante obscura.

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos, já pelo dispêndio na obtenção de obras raras e manuscritos até hoje ignorados, como pelo tempo que empregamos no compulsar e estudar o que havia de notável a respeito da província do Espírito Santo. Não terá esta publicação o mérito das obras de grande fôlego, mas conterá em si um predicado, e esse é, a verdade dos fatos aqui narrados, descritos e reunidos com insano trabalhar.

Esperamos, Senhor, em Vossa Magnanimidade aceiteis este livro, projetado com o patriotismo de quem quer ser útil a seu país, pois descrevemos nele o que há e tem havido de notável nesta província, na fé de que prestamos, com isso, um serviço à nossa pátria.

Aceitai-o, pois, Senhor.

 

De V. M. imperial

Súdito leal e reverente

 

Basílio Carvalho Daemon

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2019

História do ES

Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo