Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Daqui se avista o Convento da Penha!

Foto de Guilherme Santos Neves sobrevoando de teco-teco o Convento da Penha em 1953

Desde que a fé e o esforço dos capixabas – tendo à frente o santo Frei Pedro Palácios – plantaram, no alto do penhasco, a ermida das palmeiras e, depois, o Convento da Penha, para lá se voltaram e voltam ainda a vista e as preces de milhares de devotos de Nossa Senhora.

Bem contado o tempo decorrido, pode-se dizer que este cenário esplêndido atrai o olhar de todos há mais de quatrocentos anos. Anchieta anota assim a visão serena, numa de suas cartas, escrita em 1584: “Na capitania do Espírito Santo há duas vilas portuguesas perto uma da outra meia légua por mar. Em uma delas, que está na barra e chamam Vila Velha [...] está num monte mui alto e em um grande penedo uma ermida de abóboda que se chama Nossa Senhora da Penha, que se vê de longe, do mar e é grande refrigério e devoção dos navegantes”.

Também Frei Vicente do Salvador, no século XVIII, registra a ´maravilha`: “a ermida de Nossa Senhora da Penha [...] se pode contar por uma das maravilhas do mundo, considerando-se o sítio, porque está sobre um monte alto, um penedo que é outro monte, a cujo cume se sobe por cinqüenta e cinco degraus lavrados do mesmo penedo, e em cima tem um plano em que está a igreja e a capela, que é de abóboda, e ainda fica ao redor, por onde anda a procissão, [um] cercado de peitoril, donde se não pode olhar para baixo sem que fuja o lume dos olhos”.

Mais uma voz, e concluo: o famoso orador sacro, Frei Francisco de Monte Alverne, que, de 1819 a 1821, foi guardião do nosso Convento, no Panegírico de Nossa Senhora da Penha, talvez pronunciado aqui numa das festas da Santa, dizia aos seus ouvintes exaltados, depois de proclamar de ser a Penha “monumento da grandeza e da magnificência de Maria” e “mais eloqüente que os mais sublimes elogios”. “Quando os vossos netos perguntarem: Que penha é esta, sobre que se levanta este edifício onde à porfia se depositam os mais expressivos penhores de reconhecimento? A voz dos séculos responderá: Foi a gratidão que consagrou a Maria este soberbo troféu para que todas as idades reconhecessem sua preeminência e valia”.

Bem, Estamos às vésperas da Festa maior em que os capixabas exaltam a nossa querida Padroeira. E não será mal – ao revés, será bem – que aqui faça eu, aquém interessar possa, esta sugestão que a muitos parecerá ingênua: o Convento da Penha é o mais alto, o mais belo, o mais impressionante monumento de fé que se construiu no Espírito Santo. De mil partes – dos montes e morros, dos descampados, dos caminhos, das estradas, das pontes, das praias, do alto dos edifícios, de quase todos os recantos da Grande Vitória, na Barra do Jucu, nos altiplanos doutros municípios próximos ou distantes, se avista, em dias de sol ou chuva, lá no alto, imponente e sereno – o Convento de Nossa Senhora.

Ora, para melhor guiar o caminhante – seja gente da terra ou de outras plagas – para alertá-lo, preveni-lo, chamar-lhe a atenção, bem que se poderia, nos pontos em que, por momento fugidio ou por tempo mais demorado, se divisa e avista a bela maravilha da nossa fé, aí fincar um marco de madeira tosca ou polida e nele, em letras de forma ou escrita à mão, se lançar o aviso cordial: “Daqui se avista o Convento da Penha!” Também nos altos prédioa, no tope ou nas janelas, lá em cima, se desfraldaria, em pano, como bandeiras de fé, o aviso amorável.

E olhem: mais do que um aviso ao passante, mais do que um amistoso ato de informação turística, esse marco será – principalmente agora, às vésperas da grande Festa – um meio expressivo e original de proclamar, alto e bom som, a nossa devoção contrita à Virgem da Penha.

 

Autor: Guilherme Santos Neves, publicado originalmente em A GAZETA, de 25 de março de 1973

Convento da Penha

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 3)

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 3)

Vista do Convento (lado norte) - Foto: Do livro Convento de Nossa Senhora da Penha do Espírito Santo, 1965

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Origem do nome Convento da Penha

Nossa Senhora da Penha era o cognome da Nossa Senhora dos Prazeres ou das Alegrias, amplamente venerada pelos fiéis que cultuavam Maria Santíssima. Os antigos portugueses a veneravam como Nossa Senhora da Penha de Cintra,

Ver Artigo
Convento da Penha: 450 anos

Em 2008 o Convento da Penha, situado em Vila Velha, completará 450 anos. Símbolo da religiosidade do capixaba, é o segundo santuário mariano mais antigo do Brasil e o maior centro de peregrinação e turismo do Espírito Santo.

Ver Artigo
Os primórdios do Convento da Penha

Fato comovente, nos registros da Penha foi, sem dúvida, a romaria dos jesuítas Inácio de Tolosa, Luiz da Grã e outros companheiros, em 1573

Ver Artigo
Anchieta no Convento da Penha (1594)

Um registro precioso da passagem do “Apóstolo do Brasil” no Convento da Penha foi feito por Simão de Vasconcelos, em sua grande obra de meados do século XVII.

Ver Artigo
Carta de doação do Convento da Penha

A Governadora Luiza Grimaldi e seu Adjunto, Miguel de Azeredo, e oficiais da Vila da Vitória, e assim os da Câmara desta Vila do Espírito Santo da dita Capitania que este ano de noventa e hum servimos, etc. Fazem saber...

Ver Artigo
O Pórtico do Convento

Certa vez, na Casa da Memória de Vila Velha, houve uma pergunta a respeito do antigo Portão dos Fiéis.- O que nos dizem aquelas duas figuras humanas moldadas no “frontispício” desse portão?

Ver Artigo
Fonte para a história do Convento da Penha e de Frei Pedro Palácios

Crônica da Província Franciscana da Arrábida, que tem sua sede na serra portuguesa de mesmo nome, na península de Setúbal, ao sul de Lisboa

Ver Artigo
A ladeira de veículos do Convento da Penha

Só no último mês de governo em 1928, Florentino Avidos mandou corrigir alguns pontos do seu traçado e a tornou transitável para automóveis. Logo depois, seu substituto, o novo Governador Jones dos Santos Neves cuidou de sua pavimentação

Ver Artigo
Museu do Convento da Penha

O Museu renasceu em 12 de dezembro de 2000, desta vez com “cara” de museu mesmo. 

Ver Artigo
Vestígios de cemitério antigo em convento

Escavações arqueológicas descobriram no Convento de São Francisco, no Centro de Vitória, uma montanha de 1,5 metros de ossos, guardados há décadas

Ver Artigo
Visitas ilustres ao Convento

No passado, o Convento registrou como principal visita, a presença de Sua Majestade, o Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Dona Teresa Cristina. Leia mais!

Ver Artigo
Extrato do Livro do Tombo do Convento da Penha - 1786

A capella redonda com porta pequena; da sua circumferencia partiam quatro arcos para o exterior que formavam o corpo da igreja e no meio d’elles estava o púlpito. Em um dos dous arcos do lado da epistola havia a capella de S. Mauricio

Ver Artigo
O Convento da Penha - Por Heribaldo L. Balestrero

Representa para nós, o repositório mais sagrado de todas as nossas esperanças, as emoções mais deliciosas de nossos corações, na contemplação da fé que surpreende até a própria natureza, na sua magnificência

Ver Artigo
A Igreja e o Convento de Nossa Senhora do Monte Carmo

Ignora-se a data precisa de sua construção, mas sabe-se que frei Agostinho de Jesus, em 1682, foi prior do convento. 

Ver Artigo
O Convento, no Alto da Penha

Em 1558 chegava a Vila Velha uma das figuras mais populares do início da colonização do Espírito Santo. O franciscano Pedro Palácios (1500-1570), criador do Convento da Penha. Há versões contraditórias. Uns afirmam que esse espanhol descendia de nobres, e outros que ele era tão pobre a ponto de não poder ter estudado para ser padre. Por isso, tornou-se missionário.

Ver Artigo
As Ruínas do Convento

Subindo os degraus do convento, logo após o patamar do Museu e da Sala dos Milagres, um portão no muro mostra uma surpreendente paisagem: Vila Velha na altura da Praia da Costa, a vegetação atlântica, a subida da ponte que liga o município a Vitória e logo ali, aos pés do visitante, uma área gramada com ruínas.

Ver Artigo
Convento da Penha em 1928

Recebemos foto inédita do Convento da Penha no ano de 1928, enviada por Luciano Lopes e com edição de imagens de Edson Quintaes.

Ver Artigo
O Místico e o Convento da Penha

O primeiro donatário ainda era vivo. Velho, doente e cansado, sobre ele desabavam as mais difíceis atribulações de sua vida. Exatamente nessa época, no ano de 1558, desembarca na Prainha de Vila Velha o franciscano irmão leigo frei Pedro Palácios.

Ver Artigo