Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Década de 1920 - Serviços de Água e Esgoto

Tubos estocados na Ilha do Princípe para Travessia na Baia de Vitória - Foto: José Tatagiba

1922 – O arrendamento

Com a crise financeira que o Estado enfrentava, sobretudo, pela queda do preço do café, nos anos 1920, todos os serviços públicos ficaram prejudicados, incluindo o abastecimento de água. Em 1922, o Estado arrendou serviços essenciais, como água, esgoto, energia, bonde e telefone. O que ocorreu? A empresa não conseguiu ampliar os sistemas e a população se impacientava com a situação, obrigando o Estado a retomar a responsabilidade dos serviços de água e esgoto.

O engenheiro Florentino Avidos, que governou o Estado de 1924 a 1928, em um dos seus relatórios, registrou: “As longas crises que advieram, após a administração de 1908 a 1912, não permitiram a construção de obras necessárias para o desenvolvimento de nossa capital e nem, ao menos, a conservação dos grandes serviços de abastecimento de água, esgoto, eletricidade e viação urbana.”

1925 – A retomada

Em função desse estancamento, em 1925, o Governo voltou a retomar a responsabilidade pelos serviços de água e esgoto. Para isso, criou a Diretoria de Água e Esgotos subordinada à Secretaria de Viação e Obras Públicas. Construiu duas novas barragens nos rios Bubu e Panelas, além de melhorias na adutora, elevando sua capacidade de produção. Outra adutora foi construída para levar mais água ao Reservatório de Santa Clara. Era de aço Manesmann também com diâmetro de 250 milímetros (10 polegadas), com subtração de três quilômetros. Mais duas travessias submarinas passaram a ser realidade. Com isso, a capacidade quase triplicou: de 3 mil para 8 mil metros cúbicos diários de água para os moradores de Vitória.

Os serviços na tubulação submersa, sempre problemáticos, tiveram uma solução: com a construção da Ponte Florentino Avidos, a adutora pôde ser transferida para ser apoiada na ponte, em 1929. Alguns bairros também passaram a contar com serviços razoáveis de água: Jucutuquara, Praia Comprida, Praia do Suá, em Vitória, Paul, em Vila Velha, e Campo Grande, em Cariacica.

 

Fonte:  Das Fontes e Chafarizes às Águas Limpas – Evolução do Saneamento no Espírito Santo – Cesan, 2012
Autor: Celso Luiz Caus
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

As vilas de Vitória e Nova Almeida expediram uma ordem proibindo falar-se na capitania a língua dos silvícolas, sendo os infratores sujeitos às penas de prisão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo
Milagres Acontecem - Por Geert Banck

Estamos todos na sala de um sítio de Alto Corumbá, no município de Castelo, Espírito Santo

Ver Artigo
De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício na parte lateral da tulipa

Ver Artigo
Por que Canela-Verde?

O nome canela-verde era dado exclusivamente ao cidadão nascido na sede de Vila Velha, estendendo-se hoje para os de todo o município. O termo canela-verde tem sua origem nos portugueses 

Ver Artigo
Abastecimento d’água na década de 50 - Por Celso Caus

Reversão e transferência dos serviços públicos de água e esgotos da Prefeitura de Vitória para o Estado. Criação do Departamento de Água e Esgoto (DAE)

Ver Artigo