Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Década de 1920 - Serviços de Água e Esgoto

Tubos estocados na Ilha do Princípe para Travessia na Baia de Vitória - Foto: José Tatagiba

1922 – O arrendamento

Com a crise financeira que o Estado enfrentava, sobretudo, pela queda do preço do café, nos anos 1920, todos os serviços públicos ficaram prejudicados, incluindo o abastecimento de água. Em 1922, o Estado arrendou serviços essenciais, como água, esgoto, energia, bonde e telefone. O que ocorreu? A empresa não conseguiu ampliar os sistemas e a população se impacientava com a situação, obrigando o Estado a retomar a responsabilidade dos serviços de água e esgoto.

O engenheiro Florentino Avidos, que governou o Estado de 1924 a 1928, em um dos seus relatórios, registrou: “As longas crises que advieram, após a administração de 1908 a 1912, não permitiram a construção de obras necessárias para o desenvolvimento de nossa capital e nem, ao menos, a conservação dos grandes serviços de abastecimento de água, esgoto, eletricidade e viação urbana.”

1925 – A retomada

Em função desse estancamento, em 1925, o Governo voltou a retomar a responsabilidade pelos serviços de água e esgoto. Para isso, criou a Diretoria de Água e Esgotos subordinada à Secretaria de Viação e Obras Públicas. Construiu duas novas barragens nos rios Bubu e Panelas, além de melhorias na adutora, elevando sua capacidade de produção. Outra adutora foi construída para levar mais água ao Reservatório de Santa Clara. Era de aço Manesmann também com diâmetro de 250 milímetros (10 polegadas), com subtração de três quilômetros. Mais duas travessias submarinas passaram a ser realidade. Com isso, a capacidade quase triplicou: de 3 mil para 8 mil metros cúbicos diários de água para os moradores de Vitória.

Os serviços na tubulação submersa, sempre problemáticos, tiveram uma solução: com a construção da Ponte Florentino Avidos, a adutora pôde ser transferida para ser apoiada na ponte, em 1929. Alguns bairros também passaram a contar com serviços razoáveis de água: Jucutuquara, Praia Comprida, Praia do Suá, em Vitória, Paul, em Vila Velha, e Campo Grande, em Cariacica.

 

Fonte:  Das Fontes e Chafarizes às Águas Limpas – Evolução do Saneamento no Espírito Santo – Cesan, 2012
Autor: Celso Luiz Caus
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Carta de doação – Limites da capitania

Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo