Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Depois de Francisco Gil de Araujo assume seu filho

Brasão de Francisco Gil de Araújo

Com o falecimento de Francisco Gil de Araújo, a capitania do Espírito Santo coube, por sucessão, a seu filho, Manuel Garcia Pimentel, que teve confirmação da herança por carta de cinco de dezembro de 1687.(35)

O novo donatário deixou-se ficar na Bahia, administrando as propriedades que ali possuía, sem jamais visitar o senhorio capixaba.

Era, portanto, a volta ao regime dos capitães-mores, com todos os seus malogros e deficiências.(36)

 

NOTAS

(35) - JOSÉ MARCELINO, Ensaio, 27. – “Registro da carta de doação e sucessão” datada de Lisboa, nove de março de 1688, in DH, LXXX, 24-43.

(36) - Parece que, ao se retirar para a Bahia, Francisco Gil de Araújo deixou a capitania entregue a Manuel de Morais, nomeado pelo marquês das Minas (DH, XXIX, 150).

Em 1687, o governador geral dirigia-se a Manuel de Morais, determinando-lhe que entregasse o governo a Manoel Peixoto da Mota, novo capitão-mor (DH, XI, 136).

A provisão de nomeação traz a data de vinte e quatro de outubro de 1687 (DH, XXIX,149-52). Aconteceu, porém, que Peixoto da Mota deixou a Bahia em busca do Espírito Santo sem ordem do governador geral. Foi quanto bastou para que este passasse nova carta aos oficiais da Câmara de Vitória, determinando-lhes que o prendessem e o enviassem metido em ferros à cidade do Salvador (DH, XI, 138-9). Coube ao sucessor do governador Matias da Cunha, frei Manuel da Ressurreição, expedir a segunda carta de nomeação de Manuel Peixoto da Mota para a direção da terra capixaba (DH, XXIX, 324-7).

A catorze de março de 1689, em Lisboa, o soberano nomeava, por proposta de Manuel Garcia Pimentel, a João de Valasco (sic) e Molina para o cargo de capitão-mor do Espírito Santo (DH, XXIX, 455-8).

A vinte e dois de fevereiro de 1690, o governador geral interino dirigia-se aos oficiais da Câmara de Vitória, informando-os de que levantara o preito a Manuel Peixoto da Mota, ao mesmo tempo que lhes apresentava o novo capitão-mor nomeado por el-rei (DH, XI, 162). Embora constasse das cartas régias que o nomeado governaria “por espaço de três anos”, tudo indica que José Pinheiro de Barbuda foi o capitão-mor que sucedeu a Velasco de Molina. Sua nomeação foi lavrada em Lisboa, a quatro de março de 1694 (DH, LVI, 184-7). Barbuda morreu durante o período de governo (DH, LVIII, 325) e foi substituído por Francisco Monteiro, a vinte e dois de abril de 1699 (idem, ibidem).

Vale notar que, por carta patente de S. Majestade, datada de sete de março de 1696, foi nomeado capitão-mor da capitania a Francisco de Albuquerque Teles, que só se apresentou ao governo da Bahia em 1709 (DH, LIX, 13-7).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2017

História do ES

Fale os sábios das escrituras – Presidente Avidos

Fale os sábios das escrituras – Presidente Avidos

Abstraindo-se da afoiteza, com que algumas obras foram executadas, a crítica aos dois Avidos, por jornalistas anônimos e políticos preteridos, não teve justificativa recomendável

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo