Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Desportos - Por Renato Pacheco

Estádio Governador Bley

O pênalti perdido

 

“ – Chico, e aquele pênalti perdido pelo Marmorato?

O pênalti, que daria aos capixabas o empate com a seleção mineira, foi o nosso Brasil e Uruguai de 50. Marmorato, beque riobranquense – e naquele tempo era beque mesmo – veio lá de trás, destróier resoluto singrando através do silêncio expectante do Estádio Governador Bley. Depois, foi o petardo formidável que até hoje ecoa na memória dos pósteros – nós, os pósteros – quando a bola explodiu no alambrado atrás do gol fazendo plat. Ad aeternitatem plat. Imortalizado plat, imortalizado Marmorato.

Grijó ri ouvindo o plat remoto e vivo, torcendo o corpo miúdo de ex-ponta-direita. Porque, naquele tempo (e estamos falando de saudades), havia linha com ponta-direita, que tinha de ser miúdo e corredor como Chico, para ser perfeito.

Com a prerrogativa de quem participou da preliminar do jogo, relembra ele:

- Marmorato só bateu pênalti porque ninguém quis bater. Foi um ato de coragem.”

Esta recordação do cronista Luís de Almeida, pseudônimo sob o qual se esconde o grande escritor capixaba Luiz Guilherme Santos Neves, mostra a grande importância que o futebol havia adquirido na cidade.

De fato, futebol e regatas, se não os únicos, eram os mais populares desportos vitorienses.

O grande clássico do futebol era o Vitória x Rio Branco, que a imprensa apelidara de o Fla x Flu capixaba.

O primeiro campeonato espírito-santense de futebol abrangendo clubes de todo o Estado realizou-se em 1931, mas não logrou êxito, em virtude das dificuldades de comunicação da época e foi vencido pelo Rio Branco FC em duas partidas contra o Cachoeiro FC.

O campeonato local de 1934 contou com sete clubes: a Associação Viminas de Esportes (AVE), que reunia os funcionários da Estrada de Ferro Vitória a Minas; o Uruguaiano; o Rio Branco, de Jucutuquara; o Vitória, da elite; o Santo Antônio, do bairro do mesmo nome; o Americano; e o São João.

Foi então que o Rio Branco FC, fundado em 21 de junho de 1913, resolveu transformar seu barracão, em Jucutuquara, num monumental stadium, que seria inaugurado em 30 de maio de 1936: “animada pelas consecutivas vitórias das cores do Estado em variadas modalidades de ‘sports’, na capital do Brasil, germinou e alastrou-se, ao calor do entusiasmo coletivo, à ideia de dotar-se Vitória de um ‘stadium’.

O sonho virou pesadelo: embora muito se falasse que a obra era fruto da união para “realizações que se equiparam a essa que hoje honra o Espírito Santo e as tradições do Rio Branco FC e que, justamente, recebe o nome Stadium Governador Bley.”

Cheio de dívidas, o clube teve de entregar o estádio que acabou encampado pelo Estado, passando ali a funcionar o Serviço e Escola de Educação Física. Este débâcle de certa forma também arruinou o futebol vitoriense, tanto que A Tribuna, em 1939, dá a seguinte manchete: “ressurgimento do esporte bretão entre nós: torneio aberto.” Compareceram a este torneio, que foi o início do campeonato, o Vitória, o Riobranquinho (condição humilde a que chegara o Rio Branco), o Santos, o Centenário, a Polícia Militar e o Americano, saindo vencedor o primeiro time citado.

Em 1943 havia, em Vitória, o Rio Branco (que voltara ao nome antigo), o Vitória, o Santos, o Leopoldina, o Vila-velhense, o Americano, o Caxias (antigo Polícia Militar) e o América.

O scratch capixaba (naquele tempo o campeonato brasileiro era por estados) era Dias III, Betinho e Pator; Carlota, Rogociono e Juju; Alemão, Darly, Alcy, Jervel e Nilton, sendo reservas Betinho, Pito, Walter, Brant, Wilson, Lambari e Joaninho.

Além do futebol de clubes, por toda a parte havia peladas com bolas de meia, borracha ou couro, sendo as mais famosas a do lado do Saldanha e a da Praia Comprida, onde “todas as manhãs uma pelada muito competitiva e competente se desenvolvia em frente ao bar do Walter, que hoje leva o nome de Miramar”.

Alvarus de Oliveira, falando dos “botes de tostão”, diz que “as regatas são o esporte preferido do capixaba”. De fato, além das regatas de catraieiros havia quatro regatas oficiais dos clubes Álvares Cabral, Saldanha da Gama, Náutico Brasil e Viminas, Os dois primeiros eram os tradicionais rivais, sendo que o Saldanha levava ligeira vantagem pela sua sede ao lado do mar e fábrica própria de embarcações.

Havia regatas com onze páreos, ficando o rebocador Antenor Guimarães à disposição dos sócios dos clubes para melhor assistirem à disputa.

Lutando contra o Vasco da Gama, Flamengo e Guanabara do Rio de Janeiro, o Saldanha ganhou, em 17 de novembro de 1933, a prova clássica “Estado Unidos do Brasil”, tendo o barco como patrão José da Costa Morgado Horta (Costinha), e remadores Wilson Freitas, Darly Encarnação, Arlindo Cardoso, Orfeu Santos, Orozimbo Ferreira, Bráulio Santa Clara, Geraldo Vassalo e Manoel Ferraz Coutinho Júnior.

Oliveira Santos faz uma pinturesca descrição de uma regata a que assistiu: “Procuravam as pessoas de todas as classes, no dia do prélio, vestir-se a propósito, de forma que era bastante olhar para logo saber quais as suas simpatias.” Preto e branco se Álvares, e vermelho e branco se Saldanha.

Muitos botes e lanchas embandeiradas, como as de Antenor Guimarães, Mesquita, Saúde, Praticagem e particulares coalhavam a baía.

Os vapores do porto também se embandeiravam com as bandeiras de todas as nações, dando um aspecto festivo à disputa.

Viva o Álvares! Viva o Saldanha! – eram gritos frequentes.

Muitos espectadores ficavam na margem do canal acompanhado a regata com o mesmo entusiasmo.

A partida dos barcos era dada no Penedo, em frente à sede do Saldanha.

Nas olimpíadas de Berlim, em 1936, dois capixabas se fizeram presentes: Ary Furtado (Pavão) no basquete e Wilson Freitas na regata.

Além de futebol e regata, o Vitória, o Álvares e o Saldanha também disputavam campeonatos de basquete. O Vitória, que trouxera em 1935 Togo Renan Soares (Kanela), técnico do Botafogo, para dirigir sua equipe, foi campeão nos quatro anos seguintes. Com a perda de sua quadra, na Jerônimo Monteiro, o Vitória decaiu no basquete. Em 1943 inaugura-se uma cancha no terreno baldio ao lado do teatro Carlos Gomes, onde muitos circos foram armados: chamava-se Interventor Jones Santos Neves e durante muitos anos (até a construção do prédio do IAPI) centralizou as atenções para o basquete local.

Não só os clubes disputavam torneios de basquete: as escolas também o faziam. EM 1936 houve um animado torneio entre São Vicente, Escola Normal, Escola Superior do Comércio e Faculdade de Direito, tendo saído vencedor o São Vicente: “a vibração e o entusiasmo da torcida, sobretudo dos ginasianos do São Vicente, que se apinhavam unidos nas arquibancadas, tocaram as raias do delírio”, comenta o analista do Diário da Manhã.

O Serviço de Educação Física do Estado e a Casa do Estudante Capixaba procuravam organizar o atletismo com provas de salto, em extensão, em altura e de vara; corridas de 110 metros com barreiras, 100 metros rasos, 400 metros e 1500 metros; lançamento de dardo; arremesso de disco; provas de futebol; basquete e vôlei.

Havia também adeptos de tênis, tanto no Parque Tênis quanto no Praia Tênis, o primeiro no Parque Moscoso e o segundo em terrenos da CCBFE na Praia Comprida. Eram adeptos deste esporte: Alcides Guimarães, Asdrúbal Peixoto, Raul Oliveira Neves, Paulo Ribeiro Write, e Jonas e Guilherme Santos Neves.

O xadrez tinha o Capichaba Xadrês Clube, que realizou torneio em 1936, tendo tirado o primeiro lugar Raul Sodré e os segundos lugares César Gianordoli, Nelson Augusto Moreira e Thiers Cunha. Outros enxadristas: Délio Dessaune, Arnaldo Magalhães Júnior, Nilton de Barros, Clóvis Machado, major Edgar Fontoura de Barros, José Akerman, Ranulfo Gianordoli, Hilário Soneghet, João Mameri e Mauro de Araújo Braga.

Outras modalidades desportivas eram realizadas com menor frequência.

O water-pólo, no mar, na prainha em frente ao Saldanha. O golfe, no Victoria Country and Golf Club, que reuniu estrangeiros e uns poucos nacionais no terreno onde hoje está o Campus da Universidade Federal do Espírito Santo.

Corridas de cavalo havia na praia de Camburi, “aprazível recanto”, e eram promovidas por Lourival Nunes e Brandolino Ribeiro.

O pugilismo se apresentou no tablado do Politeama, tendo Clement Sinclair sido derrotado por Alípio dos Santos, o Pantera Negra, no quinto round.

Fundou-se também o Moto Clube Espírito-santense, com quinze motociclistas, que faziam excursões até a Serra, onde realizavam torneio de tiro ao alvo, corrida de sacos e corrida de três pés. Entre os “motoqueiros” de então, estavam Guilheme de Prá, famoso pela subida da morte com uma Harley de dois cilindros, Henrique Ribeiro, Mário Batistela, Dionísio e Flávio Abaurre e Augusto Amado.

 

Fonte: Os dias antigos, 1998
Autor: Renato Pacheco
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

O Esporte na História do ES

Modalidades de Pesca

Modalidades de Pesca

Veja algumas modalidades de pesca amadora mais praticadas no litoral brasileiro. Vamos fazer um pequeno especial nesta semana, dividindo em 2 categorias: Pesca de Mar e Pesca de Água Doce

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo
Fluminensinho, uma lição para a vida - Por Marcelo Bonfim Dessane

Os encontros continuavam na Prefeitura, perto da secular palmeira que enfeitava a praça, no bar do Olímpio, depois no Britz, na Sapataria Musiello

Ver Artigo