Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Doutrina e prática de Frei Pedro Palácios

Portal velho do Convento da Penha, localizado ao lado da gruta de Pedro Palácios

"Todos os domingos, dias santos e festas maiores da Igreja, saía do retiro da sua Penha, e indo até a residência dos padres jesuítas na vila da Vitória, ali se confessava com o Padre Brás Lourenço, primeiro que achou, e com os mais que se lhe foram seguindo, com atos de verdadeiro penitente, comungava com afetos de consumado justo, ouvia missa com devoção, e daí se retirava para o seu domicílio. Nestes mesmos [dias], pela tarde, e nos mais por muitas vezes, o seu exercício era pregar ao povo pelas ruas, doutrinar aos meninos nos mistérios da fé, e persuadir a todos a que jejuassem se confessassem e fizessem penitência de suas culpas, para alcançarem de Deus o perdão delas, e este era o tema comum e assunto geral de sua doutrina e práticas, assim públicas como particulares. Para elas se vestia de sobrepeliz com uma Cruz nas mãos, e acompanhado dos meninos do lugar e da Vila, assim Velha como da Vitória, corria todas as suas ruas com um tão entranhável como conhecido zelo do bem das almas.

"Outras vezes, [...] saía a pedir esmolas, e tendo aquela que julgava precisa para os dias em que se havia de ocupar em outros exercícios, e não podia tornar à vila ou acudir com elas à necessidade de outros pobres, não aceitava mais nada, ainda que para isso fosse importunado.

"Quando saía do seu monte para a vila, desembarcando no porto dela, o primeiro caminho que seguia era o da Igreja matriz, a adorar o Santíssimo Sacramento, o que fazia com a boca em terra, por grande espaço, e uma dilatada e devota oração, a qual acabava, ia direito à casa do pároco, e posto de joelhos lhe beijava a mão, tomava a bênção, pedia licença para continuar com o seu exercício. de pedir esmola ou fazer a sua doutrina." [Crônica, in Correio da Vitória, n. 72, 1872].

 

Fonte: História Popular do Convento da Penha, 3ª edição 2008
Autor: Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2016

Convento da Penha

O Jantar de Deus

O Jantar de Deus

Ainda estavam dando graças a Deus pela fome que sentiam quando escutaram reboliço nas palhas do telhado e uma coisa caiu pesadamente no chão da casa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Milagres e Graças da Penha – Por Norbertino Bahiense

De certo tempo para cá, foi adotado no Convento o sistema de registrar no mármore, as graças recebidas ou os milagres atribuídos à Santa

Ver Artigo
Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo