Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dr. Denizarth Santos

Escola de Viana homenageando o grande humanista que foi o médico Dr. Denizath Santos

Morava em Vila Velha. Era um apaixonado por aquela cidade. Era médico-cirurgião do Exército e foi também, durante muitos anos, diretor do Hospital dos Funcionários Públicos.

Quem o via sempre tão sério, sisudo, emburrado, e, às vezes, até um tanto grosseiro, não podia, nem de longe, imaginar o ser humano maravilhoso que ele era. Por detrás daquela “carapaça de aço”, pulsava um coração generoso.

Rígido, severo, impunha à equipe de médicos, enfermeiros e demais funcionários do hospital um verdadeiro regime militar.

O doente era prioridade e nada que o prejudicasse ou incomodasse podia acontecer, fosse qual fosse a sua posição social.

Certa vez, eu estava na Praça Oito aguardando uma condução, quando tive a minha atenção despertada por uma conversa entre dois menininhos de rua:

- Cara – disse o mais velho -, você tá fervendo! Deve de tá com um febrão...
- É, acho que tô doente mesmo. Tô com uma dor de cabeça danada e o corpo todo doído também.
- Você deve ir ao médico, cara!
- Eu, heim, médico? Eu nem sei onde tem, nem tenho ninguém pra me levar.
- Olha, vem comigo, eu sei a que médico vou te levar! Ao Dr. Denizarth. É só subir aquela escadaria ali e a gente chega lá. Eu conheço ele, é um cara legal! Já tratou de mim. Fiquei internado com comida e tudo e nem paguei nada! Só saí de lá quando fiquei bom.

Ouvi encantada essa conversa e fiquei distraída olhando os dois menininhos se encaminharem para a escadaria Maria Ortiz, o que estava bom amparando o doentinho.

Coisa do Dr. Denizarth, que tinha uma infinidade de “clientes de cortesia”. Às vezes, até mesmo operação ele realizava e nada cobrava.

Dizem que ele era espiritualista, mas a caridade não é privilégio de nenhuma religião, e sim do coração onde ela se abriga.

Mas... um dia, esse batalhador incansável tombou ferido por aquela que ele tanto combatera: a morte!

Na catedral apinhada de amigos, colegas e admiradores, o silêncio respeitoso só era quebrado pela voz comovida do padre oficiando o serviço religioso.

Na cerimônia de corpo presente, as enfermeiras fizeram o juramento de manterem a disciplina e eficiência que ele sempre exigira delas. Após o juramento, uma a uma, em fila, aproximaram-se do esquife e colocaram um botão de rosa vermelha.

Quando do término da Terceira Ponte, procuravam um nome para batizá-la. Como eu torci para que alguém lembrasse daquele que tantas vezes uniu Vitória a Vila Velha no incansável exercício de sua profissão.

Mas, infelizmente, essa ponte não levou o seu nome; eu, porém, tenho a plena certeza de que uma força espiritual de energias positivas nos liga a ele, e por essa “ponte de luz” nos vem os fluidos benéficos de sua inteligência e generosidade.

Na certeza de que o bem é imortal, eu sei que ele vive!

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA - Volume 15, Personalidades de Vitória — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Autora do texto: Beatriz Monjardim F. Santos Rabelo
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Personalidades Capixabas

Benedito Calixto

Benedito Calixto

Os grandes momentos da história do Convento da Penha foram perpetuados pela arte de Benedito Calixto, considerado um estudioso das tradições capixabas...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo
Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo