Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Duarte de Lemos, homem providencial

Vasco Fernandes Coutinho x Duarte Lemos

Foi nessa conjuntura que lhe caiu nos braços um homem providencial – Duarte de Lemos. Mais tarde, este urdirá intriga, parece que sem fundamento, para desbancá-lo das graças reais, mas é impossível negar o mérito do seu auxílio naquele momento cruciante em que a capitania madrugava.

Fidalgo da casa real,(22) Duarte de Lemos vivera na Bahia, onde, ao que parece, se incompatibilizara com Francisco Pereira Coutinho – donatário daquela colônia – em cuja comitiva viera para o Brasil.(23) Aventureiro ambicioso, no conceito de quantos o estudaram, possuía recursos, sabia mandar e era dotado de espírito prático. Os motivos que o trouxeram ao Espírito Santo são ignorados.

Atraído por alguma proposta vantajosa, ou vislumbrando na situação precária de Vasco Coutinho uma oportunidade de se tornar, pelo menos, seu sócio e igual na capitania, Duarte de Lemos rumou para o Espírito Santo com seus “criados e outras pessoas que por seu respeito vieram com ele”.(24)

 

NOTAS

(22) - Carta de confirmação da doação da Ilha de Santo Antônio. – Arquivo da Torre do Tombo, Chancelaria de D. João III, liv. 6, 512 (apud MALHEIRO, Regimen Feudal, 265).

– “Duarte de Lemos figura entre os autores de versos do Cancioneiro, de Garcia de Resende” (CALMON, Hist. Brasil, I, 192, nota).

(23) - LAMEGO, Terra Goitacá, V, 371.

– RODOLFO GARCIA informa: “Duarte de Lemos, fidalgo da casa real, que na Ásia obrara grandes feitos, acompanhou ao Brasil Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo” (Explicação, in DH, XXXVII, p. XXVIII).

(24) - Da escritura de doação, transcrita na carta régia de oito de janeiro de 1549, in HCP, III, 266.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

O primeiro jornal do ES

O primeiro jornal do ES

Justamente trinta e dois anos depois de iniciar-se a publicação da Gazeta do Rio de Janeiro,[30] o Espírito Santo viu circular O Estafeta – primeiro jornal impresso na terra (1840)

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1843 – Por Basílio Daemon

Falece no Rio Doce Guido Pokrane, célebre chefe índio da tribo dos botocudos, muito coadjuvado por Guido Tomás Marlière, seu padrinho de batismo 

Ver Artigo
Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo