Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Duarte de Lemos reaparece ainda uma vez

Igreja de São Tiago, 1911, nota-se que a entrada principal da Igreja ainda existia

E aqui aparece, novamente, o nome de Duarte de Lemos. Como proprietário da ilha de Santo Antônio, coube-lhe oferecer algumas terras aos jesuítas, “suficientes,” diz Serafim Leite, “para a construção do Colégio e mantimento dele”.(25)

A presença, no Espírito Santo (em 1552), do padre Manuel de Paiva, visitador da Companhia de Jesus, propiciou oportunidade para legalizar a doação, acrescida pelo loco-tenente do donatário – Bernardo Sanches Pimenta – de outras terras na própria ilha e fora dela, de tudo dando posse “à dita casa de Santiago e Colégio dos Meninos”, livre de todos os encargos fiscais, “salvo dízimo a Deus”.(26)

 

NOTAS

(25) - HCJB, I, 225-6.

(26) - “Na Ilha, eram uns montes maninhos em Jucurutucoara com as seguintes demarcações: partiam com Diogo Fernandes, da parte do sul, cortando ao cume da serra; e, pela parte do nordeste, com Jerônimo Diniz; e, em riba da serra, partia com Diogo Álvares e Manuel Ramalho, assim todas as terras que estavam em aquele limite e não eram dadas. E assim outra terra, que partia com Gonçalo Diniz, por metade do meio, por um brejo acima; e assim partia com Fernão Soares pouco mais ou menos, pela banda do sussueste”.

– Dava-se também “um pedaço de terra que foi do Caldeira, que estava da banda dalém Rio, que partia com Jerônimo Diniz, conforme ao que achasse no livro das dadas. E assim, um bananal, que foi de Afonso Vaz, o qual está da banda dalém do Rio, ao longo do campo” (LEITE, HCJB, I, 225).

– O texto da escritura de doação da sesmaria pode ser lido no vol. I, p. 299-302, das Cartas dos Primeiros Jesuítas do Brasil.

– Há no documento em tela detalhe a ser destacado, qual seja a afirmação de que “a casa”, isto é, o Colégio de Santiago, “ora novamente ordenada nesta Capitania do Spirito Sancto” (o grifo é nosso). Colhe-se aqui a impressão de que houve breve hiato nas atividades do estabelecimento, agora novamente ordenada.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Belchior de Azeredo teve de se haver logo com os franceses, que infestavam a costa. No decorrer de 1561

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Ano de 1561 – Por Basílio Daemon

Falece em 1561 o donatário desta capitania, Vasco Fernandes Coutinho, não sabendo-se ao certo a data de seu passamento 

Ver Artigo
O Vasco do Espírito Santo - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Portanto, Vasco Cominho chegou aqui, premeditadamente, no dia da festa de Pentecostes, para tomar posse sua capitania, a que nomeou do Espírito Santo

Ver Artigo
Ano de 1535 – Por Basílio Daemon

Chega a 23 de maio de 1535 à barra desta capital, tomando por ponto marítimo o pico do Mestre Álvaro, o donatário da capitania do Espírito Santo, Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo