Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Eduardo Wilberforce adentrando na Baía de Vitória em 03/09/1851

Capitão Edward Wilberforce - Fonte: Site Imperial War Museums

EDUARDO WILBERFORCE — Afonso de E. Taunay, em magnífico ensaio crítico publicado no JORNAL DO COMÉRCIO de 26 de agosto de 1945, sob o título "IMPRESSÕES DE VITÓRIA E SEUS ARREDORES (1850)", nos brinda com diversas traduções de um livro em inglês, editado em Londres em 1856, da autoria do jovem aspirante a oficial da marinha de guerra da Grã-Bretanha, Eduardo Wilberforee e sob o título:

"Brazil viewed through a naval glass

with notes on slavery and the slavetrade

by Eduard Wilberforce

Late of H. M. Navy

London, Longman, Brown, Green and Longman 1856".

O seu autor fazia parte da oficialidade da corveta de guerra da Marinha Inglesa GEYSER, sob o comando do capitão de fragata Eduardo Tatham, a serviço de combate ao tráfego negreiro.

Moço ainda, um simples midshipman, revela entretanto, em sua obra, boa base de cultura e pendores poéticos que o levaram a não se eximir de cantar em versos, a impressão profunda que lhe causou o encantamento da Baía de Vitória, logo que o seu navio transpôs a barra que lhe dá acesso.

Traduziu-os Taunay:

Levemente deslisa o nosso navio

Como uma ave marinha de asas abertas

Através de estreitas correntes onde a fragrância insufla

Fecundantes sopros primaveris

 

Altas, em uma das margens, às grimpas das montanhas,

Enrugam rochas, amontoadas sobre rochas,

De onde muitos ribeiros se precipitam

Claros como fios de prata

 

Ali, no cume, entre rochedos eretos

Ergue-se velho edifício

Que deve ter desafiado os mais violentos embates da tempestade

Ou as mãos presunçosas do inimigo.

 

Do outro lado ilhas baixas se avistam

Onde os verdes cactos vicejam

E onde por baixo de ramalhenda cortina

Descansam os beija-flores

 

E o enrugado oceano brandamente sorri

Onde, em suave quietude repousam

Os espessos cachos de pequenas ilhas

Em seu seio enganador.

Repitamos a estrofe:

"Ali, no cume, entre rochedos eretos

Ergue-se velho edifício

Que deve ter desafiado os mais violentos embates da tempestade

Ou as mãos presunçosas do inimigo."

Era o já então velho Convento da Penha e mal sabia o moço poeta que em seus versos cantava a verdade, pois que realmente o velho edifício sempre desafiou as tempestades e, das culminâncias onde se acha correram os holandeses que o pretenderam assaltar.

Wilberforce sentiu-se atraído pelo impressionante edifício que, ao alto mar é avistado pelos navegantes, dominando os píncaros do monte em que se acha, cobrindo de branco as rochas pontiagudas de seus extremos.

Foi, entretanto, impedido de ir lá, tendo os seus anseios estranhamente vetados pelo médico de bordo.

Teve, por isso, de se valer de um colega mais graduado para lhe colher impressões que desejava registrar.

E assim o fez. Esclareçamos, entretanto, a questão de datas. Na tradução feita, Taunay não conseguiu precisar a data ou ano em que o GEYSER esteve em Vitória.

Pareceu-lhe ser em 1850 e que a 10 de dezembro deste ano aquele vaso de guerra britânico ancorava na Guanabara. A 11 de fevereiro e isto conseqüentemente já em 1851, aprisionava o brigue brasileiro MAGANO, a pouca distância da barra carioca.

Ao que tudo indica, o cruzeiro do GEYSER entre o Rio de Janeiro e a Bahia, foi demorado.

Nos registros do Convento da Penha figura a visita do seu comandante Eduardo Tatham a 3 de setembro de 1851, juntamente com o Primeiro-Tenente John H. Crang.

Coincide, assim, a afirmativa de Wilberforce de que foi impedido de lá ir e que colheu impressões por intermédio de um companheiro mais graduado que, certamente, foi o referido Primeiro-Tenente John H. Crang.

"Convento que nada tinha digno de nota", disse o seu informante e sobre o que registrou entre parêntesis:

"Quanto me envergonho de ti, ó herege camarada que destes larga a este sentimento".

Prosseguindo com as impressões de seu colega, Wilberforce diz que a capela conventual era pequena, dispunha de órgão, sendo o edifício habitado por freiras mestiças nenhuma das quais se mostrou visível aos visitantes hereges, e comenta:

"embora o meu camarada não haja visto uma só das habitantes do convento alguns dos rapazes mais moços desembarcados sob o comando de nosso mestre de armas contaram que se haviam defrontado com algumas delas vestidas do modo mais primitivo".

O jovem inglês parece que não acreditou muito nos informes desses marujos que, mais tarde, foram encontrados nas ruas de Vitória "alguns a cambalear selvagemente pelas vias da cidade e outros sentados pelas esquinas como se fossem carpideiras a prantear sobre os disparates e os vícios de sua época." É ainda o próprio Wilberforce quem diz e, segundo Taunay, o faz pérfida e toleironamente:

"Convém lembrar que estes rapazes eram protestantes e os protestantes nunca podem falar a verdade até quando não têm motivos para agir de outro modo. Haviam estes moços provavelmente, sido educados a mentir desde o berço. E deviam saber que todos os santos são virtuosos não se aventando a lançar estigmas sobre a santidade de "Sua Santidade" ."

Na visita feita a Vitória, Wilberforce não visitou o Convento: colheu impressões através de terceiros. Mas esteve em visita ao Presidente do Espírito Santo em seu palácio, encontrando na pessoa daquele potentado (sic) personagem baixote e gorducha que vestia paletó com botões de latão".

Em setembro de 1851 o Presidente da Província do Espírito Santo era o bacharel José Bonifácio Nascente Azambuja.

Compensando a sua ironia, arremata o midshipman com um registro que, afinal é favorável às autoridades espírito-santenses, quando afirma:

"Em todo caso as autoridades espírito-santenses pareciam ser adversas ao tráfico. Dois navios estavam fundeados em frente a Vitória. Recentemente capturados, eram um deles brigue de trinta toneladas, apenas, vindo de Cambinda com 180 míseros africanos".

 

NOTA: Comandante Eduardo Tacham e o Primeiro Tenente John H. Crang do vapor de guerra inglês GEYSER, estiveram no Convento da Penha no dia 3 de setembro de 1851

 

Fonte: O Convento da Penha, um templo histórico, tradicional e famoso 1534 a 1951
Autor: Norbertino Bahiense
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

Curiosidades

Anchieta e o Milagre da Laje no Morro do Moreno - Por Elmo Elton

Anchieta e o Milagre da Laje no Morro do Moreno - Por Elmo Elton

Tempo havia que desejava este homem aquela laje para mesa de sua oficina, mas era de moderada grandeza e toda gente, que possuía, não podia movê-la

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Regatas de Santa Catarina

O ponto de saída do páreo era na Pedra dos Ovos e o de chegada no Cais do Santíssimo onde, bem mais tarde, se construiu o Teatro Glória

Ver Artigo
Setor Informal (1985): O mata-borrão da Economia

Este papel, que o setor informal desempenha é muito lógico, visto sua estreita relação com o resto da economia

Ver Artigo
Ossada Humana - Reportagem do Jornal O Diário, 1912

Alguns passos para o interior e uma tristonha cruz plantada no sopé da escarpa que dá acesso ao Morro do Moreno demonstrava que ali fora enterrado o fúnebre achado

Ver Artigo
Sítios arqueológicos e acervo pré-histórico no Espírito Santo

Sítios arqueológicos podem conter valiosas informações geomorfológicas, botânicas e zoológicas, notadamente os sambaquis litorâneos

Ver Artigo
Crimes e contrabandos no ES, entre 1659 e 1660

Assassinaram, com tiros de bacamarte, o capitão-mor João de Almeida Rios. O crime se deu quando a autoridade deixava o Colégio dos jesuítas

Ver Artigo