Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Efemérides da Penha - Por Frei Venâncio Willeke O. F. M.

Convento da Penha Expedição Thayer - Hartt, 1870

Santuário e Convento

1558 Trazendo um painel de Nossa Senhora chega da Bahia a Vila Velha o irmão franciscano Frei Pedro Palácios, disposto a levar vida de ermitão-missionário. Aos poucos levanta a ermida de S. Francisco no chamado "campinho" e depois a capela de N. Sra. no ponto mais alto do mesmo morro.

1570 Vinda a imagem de N. Sra. celebra Frei Pedro mais uma vez a festa, na segunda-feira depois da Pascoela e morre na capela de S. Francisco.

1573 Romarias de Padres Jesuítas ao Santuário da Penha, depois, de salvos do naufrágio, e outra vez em 1584, segundo relata o Pe. Cardim, S.J.

1589 O 1º Custódio franciscano, Frei Melchior de Sta. Catarina, a pedido dos capixabas, manda de Olinda dois religiosos, Frei Antônio dos Mártires e Frei Antônio das Chagas, para fundarem convento em Vitória.

1591 6 de dezembro: Da. Luiza Grimaldi, governadora do Espírito Santo, oferece aos franciscanos a escritura de doação do Morro da Penha.

1592 Os franciscanos de Vitória assumem o culto divino dominical e a assistência espiritual aos romeiros da Penha.

1609 18 de fevereiro: O Guardião de Vitória Frei Antônio da Estrela promove a trasladação dos restos mortais de Frei Palácios, da Penha para o convento de S. Francisco (Vitória).

1616 27 de julho: O Custódio Frei Vicente do Salvador instaura, em Vitória, o processo informativo para beatificação de Frei Pedro Palácios, sem levá-lo a termo.

1627  Frei Vicente do Salvador, Pai da História do Brasil, descreve em sua obra prima o santuário da Penha.

1628   Em cumprimento de promessa, visita à Penha D. Luís de Cespedes Xeria, governador do Paraguai.

1639  Frei Paulo de Sto. Antônio, guardião de Vitória, inicia a ampliação do Santuário da Penha.

1643 Invadindo Vila Velha, os holandeses não conseguem tomar a Penha.

1650  21 de novembro: O capítulo custodial da Bahia, presidido pelo Pe. Custódio Frei Sebastião do Espírito Santo, resolve a fundação do convento da Penha, nomeando superior a Frei Francisco da Madre de Deus.

1651 Após os trabalhos preparatórios, Frei Sebastião lança a primeira pedra, nos alicerces.

1652 O Governador Salvador Correa de Sá e Benevides oferece vultosa doação para as obras do convento da Penha, sendo agraciado com a admissão à confraternidade dos benfeitores.

1653 Os holandeses invadem o Santuário, roubando-o, profanando-o.  — D. João IV concede ao convento da Penha, para o culto divino, a ordinária anual de vinho de missa, azeite, farinha de trigo para hóstias e cera.

1660  Terminam as obras de construção do convento da Penha.

1669 A imagem de N. S. da Penha segue em procissão para Vitória, onde permanece 15 dias para debelar uma terrível epidemia.

1675  Criada a Província Franciscana da Imaculada Conceição, com sede no Rio de Janeiro, o convento da Penha passa para a mesma.

1730  Frei Apolinário da Conceição atesta que os "romeiros concorrem de todos os estados" e referindo-se aos frades: "assistem aqui como capelães e serventes desta Senhora 15 religiosos que, cultivando o coro nas horas do dia, não faltam nunca ao da noite".

1750   O Provincial Frei Agostinho de S. José manda aumentar o prédio do convento da Penha.

1761  Em Lisboa sai do prelo a obra de Frei Jaboatão "Novo Orbe Seráfico Brasílico" que longamente trata de Frei Pedro Palácios e da Penha.

1765  O Convento aumentado conta 23 franciscanos, sendo 12 sacerdotes, 6 coristas e 5 irmãos.

1769  Durante a tremenda seca, a imagem de N. Sra. da Penha segue em procissão marítima para Vitória, obtendo-se com muitas orações a desejada chuva.

1770 O Guardião Frei Tomás de Sta. Catarina reconstrói grande parte do convento que ameaçara ruir. — O "Poema Mariano" de 1770 menciona a capela do Bom Jesus no campinho e os Passos ladeira acima.

1777  Frei Francisco de Jesus Camargo, guardião da Penha, termina várias obras: reconstrução da casa dos romeiros, calçamento da ladeira e construção dos muros dela.

1802  Abre-se, no convento da Penha, um curso de língua indígena para os missionários franciscanos do Espírito Santo e de S. Paulo.

1807 Morre afogado no mar o presidente do convento Frei Lourenço da Piedade.

1821 O Guardião Frei Francisco do Monte Alverna realiza importantes, melhoramentos no santuário e no convento, apesar de contar apenas três súditos, em conseqüência do fechamento dos noviciados, desde 1764.

1824  Dom Pedro I determina que prossiga em vigor a doação anual de 30 novilhos feita à Penha pelo Governador Sá e Benevides. De fato continua, até 1849.

1842 O Pe. Diogo Antônio Feijó passa uma temporada na Penha. 

1844  A Assembléia do Espírito Santo vota a lei no. 7 de 12 de novembro, declarando o dia da festa da Penha "de grande gala" e feriado para as repartições públicas.

1849 Frei Vitorino de Sta. Felicidade que em várias guardianias efetuou relevantes serviços de restauração, rubricou o 1º "Livro de Visitas" da Penha.

1853  Frei João Nepomuceno Valadares levanta oito casas de romeiros e restaura boa parte da Penha.

1856 Durante a epidemia do cólera-morbo, a imagem do Menino Jesus da Penha segue em procissão para Vitória e a Serra.

1860 O casal imperial D. Pedro II e Da. Teresa Cristina visitam a Penha, sendo o guardião Frei João Valadares nomeado pregador imperial.

1862 O mesmo guardião reedificou o frontispício da capela do Bom Jesus.

1867 Frei Teotônio de Sta. Humiliana, último guardião canonicamente eleito entrega o cargo, tendo em 1864 colocado a lousa comemorativa de Frei Palácios, na Gruta deste.

1874 O administrador da Penha, Frei João do Amor Divino contrata o escultor José Fernandes Pereira para obras demoradas encarregando-o da escultura do zimbório, retábulos, cornijas, capitéis e arcadas enquanto Vitor Meireles é incumbido das pinturas dos retábulos.

1879 Dom Pedro Lacerda, Bispo do Rio de Janeiro, proíbe por decreto de 14 de abril a celebração de festas de N. Sra. da Penha fora do seu famoso Santuário.

1880  O mesmo Prelado visita a Penha.

1881 O Papa Leão XIII concede indulgência aos romeiros da Penha.

1898 A Sta. Sé confia o Santuário da Penha à diocese do Espírito Santo, na pessoa do 1º Bispo, D. João Batista Correia Neri.

1902 O 2º Bispo, D. Fernando de Sousa Monteiro incentiva as romarias e reforma o interior do Santuário.

1910 O Comendador Cícero Bastos oferece o mármore para o altar mor da Penha, o qual é inaugurado a 8 de setembro desse ano.

1912 A Sta. Sé confirma a vontade dos capixabas declarando e proclamando N. Sra da Penha Padroeira da diocese do Espírito Santo.

1918  O 3º Bispo, D. Benedito de Alves Sousa adapta o convento da Penha para retiros do clero.

1927 Inauguração das 4 valiosas telas de Benedito Calixto que evocam a história da Penha.

1942  Voltam para a Penha os franciscanos, sendo o 1o. superior Frei Luís Wand, ex-missionário dos Índios Mundurucu do Pará.

1951 8 de setembro: Em Vitória, ao ensejo do IV Centenário da Cidade, a solene coroação de N. Sra. da Penha pelo Núncio Apostólico, D. Carlos Chiarlo, legado do Papa Pio XII.

1953  1 de maio: D. José Joaquim Gonçalves, Bispo do ES, procede à sagração do Santuário da Penha, incluindo no altar mor relíquias de S. Pio X, Maria Goretti e de outros santos.

1958  Sob a presidência do 1º Arcebispo do Espírito Santo, D. João Batista da Mota e Albuquerque, comemora-se o IV Centenário da chegada de Frei Pedro Palácios a Vila Velha.

1970 IV Centenário da santa morte do servo de Deus Frei Pedro Palácios, havendo, além das comemorações religiosas, o lançamento de um selo postal alusivo.

 

Fonte: Antologia do Convento da Penha, ano 1974
Autor do livro: Frei Venâncio Willeke O. F. M.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2016

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo