Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Eletrificação rural em Castelo é mais barata

Ao assumir a Prefeitura de Castelo, em 1982, o prefeito Paulo Galvão, 39 anos. encontrou apenas 50 quilômetros de linhas de eletrificação rural em todo o município. Desde então, já realizou 84 quilômetros de eletrificação, atendendo a mais de 300 proprietários. E, até o final deste ano, pretende executar mais 50 quilômetros. Entretanto, o que o prefeito considera mais importante em tudo isso é a adoção de um sistema que reduziu os custos da eletrificação em até 60% , fazendo com que a administração municipal tivesse total apoio e confiança dos proprietários rurais.

Ao invés de contratar os serviços de eletrificação do município, o prefeito Paulo Galvão decidiu convocar a participação dos proprietários rurais para que os trabalhos fossem executados em regime de mutirão. O apoio veio de imediato e, através dele, conseguiu-se uma redução nos custos da ordem de 50 por cento. Isso permitiu à prefeitura contratar o engenheiro eletricista, Homero Luiz Palácio Guido, para dar suporte técnico aos trabalhos, de tal forma que obedecessem a normas de segurança rigorosas.

Paulo Galvão salientou que, "com a municipalização da eletrificação rural pelo governador Gerson Camata e pelo ex-secretário do Interior e dos Transportes, Sérgio Ceotto — atual presidente regional do PMDB — a Prefeitura de Castelo acabou com os projetos feitos em gabinetes fechados, e gerados por influência de políticos que desconhecem a realidade da região".

"Agora", acrescentou o prefeito Paulo Galvão, "os projetos são feitos em conjunto com os proprietários rurais, levando eletricidade até a porta da cozinha das famílias do interior, o que não era feito anteriormente pelos políticos despreparados para o cargo". Explicando o despreparo de alguns políticos, o prefeito desabafou, dizendo que no governo anterior foi vítima do desvio da rede de eletrificação nas fazendas Macaco e Criméia, somente pelo fato de ter suas posições político-partidárias diferentes, o que ocasionou prejuízos não só a si próprio como a seus vizinhos proprietários rurais.

Disse que a atual política de eletrificação rural preconizada pelo governo Gerson Camata, ao contrário das administrações anteriores, não discrimina proprietários rurais por sua coloração partidária, mas procura atender a todos de forma eficiente, a preços os mais baixos possíveis e dentro dos melhores padrões de qualidade e segurança.

A Prefeitura de Castelo foi a pioneira no Espírito Santo a adotar o Sistema Monofilar M.R.T. (Monofilar Retorno por Terra), que proporciona um redução nos custos da ordem de 70% em relação ao modelo convencional aplicado pela Escelsa. Atual-mente, aderiram ao mesmo sistema as prefeituras de Alfredo Chaves e São Gabriel da Palha — ambas obtendo resultados bastante satisfatórios, segundo o prefeito Paulo Galvão.

Para conhecer de perto o funcionamento e as vantagens do Sistema Monofilar M.R.T., o prefeito Paulo Galvão, com o apoio do ex-secretário da atual secretária, respectivamente Sérgio Ceotto e Marilza Barbosa, visitou em janeiro do ano passado o Estado do Paraná, onde já tinham sido executados 10 mil quilômetros de eletrificação rural naquele padrão. O sistema também é adotado em larga escala em outros países, como no Canadá, Alemanha e Estados Unidas; devido a seu baixo custo, sem prejuízo da eficiência, qualidade e segurança que proporciona.

Decidido em baratear ao máximo os custos da eletrificação para os proprietários rurais, o prefeito Paulo Galvão encontrou dificuldades técnicas junto à direção da Escelsa para aprovação do Sistema Monofilar M.R.T. Isso fez com que os serviços fossem paralisados durante um ano. Hoje, a Escelsa reconhece: as vantagens do sistema e vem aprovando todos os projetos realizados pela prefeitura.

Entre as regiões atendidas pela eletrificação rural levada pela prefeitura de Castelo, o prefeito Paulo Galvão enumerou as seguintes: Mamona, Apeninos, Pedregulho, Batéia, São Cristóvão e Corumbá, com 23 quilômetros de extensão de linhas; Palmital, Conquista, Sete Voltas, Córrego da Areia, Jabuticabeira, Milagrosa, Atenas e Antiportan, com 26 quilômetros; Vale do Taquaral, 2,5 quilômetros e Monte Alverne e Córrego da Telha com 23 quilômetros, perfazendo a mais de 300 propriedades atendidas.

Ao explicar como conseguiu reduzir os custos da eletrificação rural em até 60%, em relação ao modelo utilizado pela Escelsa, o prefeito Paulo Galvão disse que uma das peças fundamentais para isso foi a participação dos proprietários rurais no trabalho de mutirão. Só em mão-de-obra "foi possível conseguir uma economia de até 50%", explicou.

Ao planejar a eletrificação rural para uma determinada região do município, o prefeito reúne os proprietários rurais para lhes explicar o sistema a ser adotado, suas vantagens e a necessidade do trabalho de mutirão, como forma de redução dos custos. Até agora, disse Paulo Galvão, não foi, encontrada nenhuma oposição ao sistema, com todos os proprietários solicitados a participar dando completo apoio à medida.

Ainda dentro da filosofia de redução dos custos da eletrificação rural, a prefeitura, ao invés de usar postes de cimento e concreto, preferiu os de madeira, tratando-os à base de creosoto, que permite uma durabilidade entre 30 e 35 anos. Como vantagem, explicou que os postes de cimento e concreto se quebram com mais facilidade, exigem mais cuidado na manipulação e são mais caros.

O engenheiro eletricista Homero Luiz Palácio Guido, explicou que os postes de madeira são mais leves que os de cimento e concreto, possibilitando fácil manuseio nas regiões de difícil acesso, como é o caso do município de Castelo, de topografia bastante acidentada.

Além disso, adiantou ainda que os postes de madeira dispensam uso de escoras, devido ao fato ser flexível e não se quebrar quando do rompimento de alguma linha, o que não ocorre com o poste de cimento e concreto.

Outra medida adotada pela Prefeitura de Castelo, visando a redução nos custos da eletrificação rural, baseou-se na utilização de condutores de aço em substituição ao convencional, em alumínio, que aumenta os preços em 60%. Além disso, a prefeitura vem usando dois tipos de condutores de aço — o cordoalha (60% mais barato que o convencional usado pela Escelsa) e o fio de aço que é 80% mais barato que o convencional.

Entre as vantagens de utilização dos condutores de aço, o engenheiro Homero Luiz Palácio Guido, disse que eles permitem maiores vãos entre postes do que com as linhas convencionais. Em virtude disso, assinalou que é possível uma economia em estruturas, uma vez que é utilizado menor número de postes. Disse ainda que o tipo de linha adotado pela prefeitura tem maior resistência mecânica que as convencionais, daí permitindo distâncias maiores entre os postes.

Outra filosofia da administração municipal Paulo Galvão, vem sendo a simplificação no sistema de eletrificação rural, mediante a utilização de menos equipamentos de isolamento da rede. Isso, segundo o prefeito Paulo Galvão, e o engenheiro Guido, também permite uma maior economia em relação ao sistema convencional.

Para exemplificar as vantagens do sistema adotado pela Prefeitura de Castelo, o prefeito Paulo Galvão citou que o quilômetro de linha executado pela Escelsa custa atualmente em torno de 300 Obrigações do Tesouro Nacional (OTN) — o que corresponde a Cz$ 31.919,95 enquanto isso, o realizado pela administração municipal, pelo Sistema M.R.T. fica em 42 OTN (Cz$ 4.536,00), e pelo sistema fase neutro com cordoalha de aço o preço é de 90 OTN (Cz$ 9.575,98).

O prefeito Paulo Galvão contou que teve dificuldade para implantar no município o atual sistema de eletrificação rural, tendo em vista que a Escelsa não dispunha de normas técnicas para o uso do sistema, e até mesmo o desconhecia. Em razão disso, os trabalhos tiveram que ser paralisados por um ano. Ao resumir a importância do sistema usado no município de Castelo, para eletrificar a zona rural, Paulo Galvão — seguindo a filosofia do governo Gerson Camata — declarou: "Temos que mudar estes conceitos tecnológicos impostos por multinacionais no período do chamado "milagre econômico", e aceitarmos a realidade de que somos um país pobre, que exige soluções alternativas e revisão nos padrões, porém sem prejuízo da qualidade, eficiência e segurança.

 

Fonte: A Gazeta, 10/04/1986
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2015

Energia e Eletrificação

Energia aumenta venda de equipamentos e máquinas

Energia aumenta venda de equipamentos e máquinas

Este depoimento pode ser obtido na Comercial Scardua, tradicional empresa do ramo instalada em Campo Grande, Cariacica

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Produtor sugere conselho para gerir eletrificação

Carlos Lindenberg salienta que há problemas de toda ordem. Um deles diz respeito à instabilidade das linhas que levam energia para o campo

Ver Artigo
Análise da política adotada de eletrificação rural

Veja a opinião do presidente da Federação da Agricultura do Espírito Santo, Pedro Burnier e do Secretário da Agricultura, Ricardo Santos

Ver Artigo
Eletrificação Rural – Por José Hisbelo Campos

José Hisbello estará participando do Encontro Estadual de Eletrificação Rural promovido pela Rede Gazeta de Comunicações

Ver Artigo
Eletrificação rural começou com a criação da Escelsa

A partir de 1968, com a absorção pela Eletrobrás da concessionária de energia, teve início o programa de eletrificação rural no Estado

Ver Artigo
Produção de café foi a mais beneficiada pela eletrificação

Os municípios mais favorecidos foram os de Colatina, Boa Esperança, Baixo Guandu, Castelo, Conceição do Castelo, Iuna, Muniz Freire e Ibatiba

Ver Artigo