Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Elisiário e Nossa Senhora da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Retrato da verdadeira imagem de Nossa Senhora da Penha

Registramos, noutras páginas, lendas inspiradas na escravidão, capítulo doloroso da História do Espírito Santo, assim como do Brasil inteiro.

Mais uma relatamos aqui, nesta evocação da revolta dos negros, no Queimado:

- Feito o julgamento em Vitória, cinco escravos foram condenados à morte; vinte e cinco, a açoites, que variavam de trezentos a mil; e seis, absolvidos. Os demais haviam desaparecido.

Cumprida a sentença dos açoites, faltava a dos condenados à forca, presos, de pés e mãos, a ferro, na cadeia de Vitória. Aconteceu porém, que, a 7 de dezembro de 1849, o carcereiro Joaquim José dos Prazeres comunicava ao Juiz de Direito e Chefe de Polícia que, às três horas e um quarto da madrugada, haviam desaparecido da enxovia, do lado Sul, cinco presos, dois condenados às galés perpétuas, e três, à pena de morte.

- Milagre! – foi a exclamação geral.

E conta-se que ao sentir aproximar-se a hora do seu sacrifício, Elisiário, o chefe da Insurreição do Queimado, voltou-se, fervoroso, para Nossa Senhora da Penha. Rezou, com toda a confiança no poder da Virgem, perante o trono do Altíssimo. Sim, a Virgem Poderosa, jamais lhe faltaria, naquela hora de angústia!

Enlevado, murmurando ainda a súplica filial, adormece. Antes da aurora, porém, quando a cidade toda jazia ainda imersa na plenitude da noite, um clarão misterioso irradia-se, no cárcere imundo e desperta os cativos. Atônitos, em cálculo talvez da hora fatal, divisam, entretanto, ao seu lado, uma figura de meiguice infinita, que lhes acaricia as frontes doloridas, desta as correntes e aponta a porta entreaberta.

Interposta, aos seus devotos, martirizados pela “Justiça” dos homens, e o carcereiro Prazeres, que dormia, sem receber a graça de vê-la, a Celestial Protetora dos Aflitos garantiu a evasão dos cativos.

Pela manhã, quando circulou a notícia pela cidade, - notícia comentada, em todos os bancos de farmácias e transmitida, de sacada em sacada, pelas comadres e vizinhas, exclamaram todos os que se condoíam da sorte cruel daqueles negros infelizes:

- Foi Nossa Senhora da Penha!

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo