Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Empresa utiliza água da chuva captada de enxurradas da Pedra Azul

Lago e caixas de fibra usados para capitar água da chuva na região de Pedra Azul

A empresa Pedra Azul Ecologia e Desenvolvimento, que possui uma propriedade modelo de 120 hectares aos pés da Pedra Azul, em Domingos Martins, tem um receita simples para driblar a escassez de água e economizar energia: criatividade e consciência ecológica.

A propriedade capta a água da chuva no momento que ela cai pela Pedra Azul, na forma de enxurradas, por meio de dois lagos e quatro reservatórios (caixas d’ água circulares) com capacidade para 100m3 cada.

“O procedimento é simples: a água que desce movimenta uma roda d' água que, por sua vez, joga a água até caixas mais altas”, explicou o engenheiro agrônomo Edimar Cardoso Binotti.

Segundo ele, as caixas, que são construídas em ferro e cimento, podem captar, numa chuva de verão, até 1,5 mil litros d' água.

“A água é utilizada na alimentação animal, no combate aos incêndios, na pulverização de produtos orgânicos, além de irrigar jardins e hortaliças. No futuro, será usada nas descargas das casas (esgotos)”, contou.

Para fazer o transporte da água até os locais de uso são utilizadas redes de tubulações instaladas estrategicamente e tratores – não há gastos com bombeamento. Como os veículos sobem leves e descem pesados, ocorre menor gasto de energia.

De acordo com o engenheiro, os dois lagos (o maior com 7,5 milhões de litros e o menor, com 2,5 milhões de litros), no topo dos morros, servem como reservatórios para que a água possa descer por gravidade.

“Escolhemos locais onde há muitas rochas, por elas serem impermeáveis, e fazemos as paredes laterais. Criamos uma espécie de piscina, onde são colocados peixes (piabas) para controlar a disseminação de mosquitos e algas. Se toda a água for utilizada, os peixes são consumidos”, informou.

Binotti explicou que a adoção de técnicas para otimizar o uso da água e realizar a economia da energia surgiu de uma necessidade, já que a propriedade está localizada numa região montanhosa em que as diferenças de nível de água variam em até 100m, além do fato das nascentes possuírem pequenas vazões e serem poucas.

Na propriedade também são realizados plantios de árvores, cavalgadas ecológicas com cavalos noruegueses da raça Fjor e produção de café orgânico.

 

Alternativa com a água da chuva

 

Apesar das bacias dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória ainda possuírem disponibilidade hídrica para atender a atual demanda, o uso da água da chuva já é visto como uma opção viável.

“Com uma precipitação média anual de 1.600mm na Grande Vitória, uma área de 100m², que é menor que a maioria dos telhados, poderia acumular 160 mil litros de água”, informa o gerente do Iema Fábio Ahnert.

Segundo ele, o número é suficiente para abastecer, em usos menos nobres (descarga, limpeza de piso, jardinagem), uma família de cinco pessoas pelo período de 5,5 meses.

“Resultado: menos água sendo extraída dos rios, menor valor a pagar na conta e menos água contribuindo para os alagamentos na Grande Vitória”, enumera.

 

Você sabia?

 

Se toda a água da Terra fosse dividida entre seus habitantes, cada um teria oito piscinas olímpicas. Mas se for dividir somente a água potável, cada pessoa receberia apenas cinco litros.

 

Fonte: Cartilha de mobilização da sociedade para criação dos CBH’s dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória elaborado pela ONG Ecobacia e o Iema.
Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rio Jucu – 26/08/2007
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

 

Ecologia

Descoberto pau-brasil no ES

Descoberto pau-brasil no ES

O pau-brasil, árvore que deu origem ao nome do país, não está totalmente extinto no Espírito Santo. Em abril de 2008, uma expedição encontrou um fragmento florestal da espécie no município de Aracruz, com cerca de 25 árvores, que serão estudadas...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Descida Ecológica do Rio Jucu

Ela foi a grande motivadora para a criação do Consórcio Jucu-Santa Maria e é o primeiro movimento do Estado a mobilizar a sociedade para discutir os problemas das águas

Ver Artigo
Projeto Águas Limpas ajuda a preservar

Quando a Cesan faz as redes, a obra também não acaba. É preciso que moradores liguem o esgoto de suas casa a elas

Ver Artigo
Seminário – Bacias hidrográficas dos Rios Jucu e Santa Maria

Pela primeira vez na história, as 10 prefeituras que compõem as bacias hidrográficas dos rios Jucu e Santa Maria vão debater os problemas em conjunto e propor soluções

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo
As bacias dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória

O aumento do consumo de água na Grande Vitória junto com a redução da demanda tem levado a uma conta amarga: o perigo real de racionamento

Ver Artigo
Dinheiro para plantar florestas

O projeto Florestas Para a Vida, do governo do Estado, pretende remunerar produtores rurais que atuarem em favor do meio ambiente

Ver Artigo
Indústrias sobrevivem dos rios Jucu e Santa Maria

A atividade industrial predomina nas bacias dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória, que concentram o maior contingente populacional do Estado

Ver Artigo
Comitês dos rios Jucu e Santa Maria vão sair do papel

Governador vai assinar decretos de nomeação das diretorias dos rios Jucu e Santa Maria

Ver Artigo