Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

“Escada” ajuda os peixes – Rio Doce

Sistema que ajuda os peixes a subirem o rio - Foto: Gleberson Nascimento

A Usina de Aimorés, que faz limite com o município de Baixo Guandu, implantou um Sistema de Transposição de Peixes (STP), popularmente conhecido como “escada de peixe”, que está servindo de referência para todo o País.

A importância ambiental do projeto se deve ao fato dele permitir a piracema (fenômeno da subida dos peixes para o alto dos rios, buscando o melhor local para a desova).

Na barragem da Usina de Aimorés foi construído um STP formado por pequenos tanques, alinhados na forma de escada. Os tanques têm conexão entre si pelas ranhuras verticais, evitando do peixe saltar. Dessa forma, ele é forçado a nadar contra a corredeira, subindo para o reservatório.

O sistema foi construído junto com a barragem, no projeto original. Tem 116 metros de comprimento e, aproximadamente, 16 metros de altura. A transposição de peixes pelo STP ocorre durante todo o ano, mais freqüentemente no período da piracema.

Os biólogos acompanham a passagem de peixes pela estrutura. Também já foram realizadas campanhas de marcação de peixes abaixo da barragem. Serão realizadas mais duas marcações este ano.

No Brasil, há pouco mais de 60 Sistemas de Transposição de Peixes (STP’s) instalados em barragens e o mais novo deles foi construído junto à Usina Hidrelétrica de Aimorés.

Em várias ocasiões, especialistas e técnicos neste assunto têm citado o sistema de Aimorés como exemplo pela eficiência e características favoráveis à transposição de peixes pela estrutura.

Como forma de repovoar as espécies de peixes com estoques reduzidos no rio Doce, a Usina de Aimorés, em parceria com Escola Agrotécnica Federal de Colatina (Eacol), executa desde o ano passado o sistema de peixamento.

Para isso, a Eacol foi equipada com um laboratório para reprodução de peixes nativos da bacia do rio Doce. A iniciativa é desenvolvida desde 2004, quando a hidrelétrica firmou convênio com a instituição de ensino visando estudos e criação de peixes. O primeiro peixamento foi realizado em dezembro do ano passado.

Na ocasião foram lançadas no rio Doce 20 mil espécies jovens de lambari. O outro repovoamento aconteceu no dia 24 de março deste ano, com lançamento de 30 mil peixes da espécie curimba e 10 mil da espécie lambari. Este ano serão realizadas mais duas solturas, uma de piau branco e outra de piau vermelho.

O que é piracema?

É o fenômeno da subida dos peixes para o alto dos rios, buscando o melhor local para a desova. Nesta luta para subir os rios somente os mais fortes conseguem chegar.

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rio Doce - 01/07/2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaborador de texto: Nelson Gomes, Wilton Junior e Lívia Scandian
Diagramação: Carlos Marciel Pinheiro
Edição de fotografia: Sérgio Venturim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2016

Rios do ES

Oportunidade de futuro – Escola de Pesca em Piúma

Oportunidade de futuro – Escola de Pesca em Piúma

Filhos de pescadores aprendem a preservar o conhecimento que vem do mar na Escola de Pesca de Piúma

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Rio Doce, o gigante pede socorro

Vinte e oito municípios do Espírito Santo estão ligados ao rio Doce, que precisa de ajuda para superar os problemas

Ver Artigo
Futuro é de esperança – Rio Doce

Problemas do rio Doce colocam do mesmo lado sociedade civil e poder público para busca de soluções

Ver Artigo
Encontro internacional em Linhares – Rio Doce

O IV Fórum das Águas do Rio Doce, programado para abril de 2008, vai ter participação de vários países

Ver Artigo
Parceria ajuda a garantir o futuro – Rio Doce

Numa iniciativa inédita, órgãos ambientais do Espírito Santo, Minas Gerais e governo federal trabalharão juntos pelo rio Doce

Ver Artigo
Força do rio movimenta a economia – Rio Doce

A bacia do rio Doce em toda a sua extensão é berço de atividades econômicas de importância nacional e internacional

Ver Artigo
Amor ao rio e aventura de Baixo Guandu ao mar

Passeio ecológico na foz de Regência deu origem à Descida do Rio Doce, num percurso de 154 quilômetros

Ver Artigo
Ouro, índios e quartéis na história do Rio Doce

Para impedir o contrabando de ouro era proibido navegar pelo rio Doce, por isso o progresso chegou mais tarde ao interior

Ver Artigo
Degradação ameaça cidades – Rio Doce

O processo de desertificação pode afetar 38 municípios do Estado em 2025, a maior parte situada na área da bacia do rio Doce

Ver Artigo
Pescadores apontam mudanças – Rio Doce

Os profissionais que vivem às margens do rio Doce avisam que algumas espécies de peixes estão em extinção

Ver Artigo