Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estação Ferroviária de Muqui

Estação de Muqui - Foto: Site Morro do Moreno, abril 2013

O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho.

A Macaé-Campos, por sua vez, havia constrtuído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim, foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina.

O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória.

A ESTAÇÃO: "A terceira estação (Muqui), projetada no arraial dos Lagartos, quilômetro 50, será o centro de um bom raio de plantações de café, da pequena e grande lavoura, que pode fornecer de 50 a 60.000 arrobas de 15 quilogramas". (Edmundo Siqueira, Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938).

A estação e o trecho da linha até ela somente foi entregue, em 1902, depois de a Leopoldina entrar novamente na posse dessas linhas, em 1/3/1901, depois de um litígio de posse que demorou cerca de dois anos, para esse trecho. Nos anos 40, a estação passou a se chamar Muqui do Sul. Hoje a cidade e a estação se chamam novamente apenas Muqui. A estação virou centro cultural.

E. F. Leopoldina (1902-1975)
RFFSA (1975-1996)

Inauguração: 12.01.1902
Uso atual: centro cultural

 

Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2013 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ilhas no mar, baía e nos rios - Por Basílio Daemon

Ilhas no mar, baía e nos rios - Por Basílio Daemon

Em 1879 Basílio Carvalho Daemon publicou o livro Província do Espírito Santo, sua descoberta, história cronológica, sinópse e estatisticas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo