Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estradas, Café, 1.ª Guerra Mundial e Bernardino Monteiro

Bernardino Monteiro

Bernardino Monteiro dedicou-se, preferentemente, à construção de rodovias. Era o imperativo do momento, pois os cafezais exigiam estradas por onde escoar seus frutos.(38)

Em 1918, o café ainda contribuía com 60% para a receita total do Estado. Diminuíra bastante sua importância, pois, em 1903, chegara a cobrir 95% da receita, (III) mas Bernardino Monteiro afirmava uma verdade quando escrevia que, “afinal, [o café] era o resumo da história econômica do Estado nos dias republicanos”.(39)

Outros produtos figuram nos quadros de exportação do ano de 1918: madeiras, feijão, farinha, milho, tecidos, areias monazíticas, (40) couros, arroz e açúcar.(41)

A convulsão que abalava a Europa desde 1914, e que, ao fim, envolveu a América e o Brasil, refletiu – como era natural – no comércio, na agricultura e na indústria capixabas, impossibilitando o governo de mais eficiente ação administrativa.

 

NOTAS

(38) - “O Dr. Bernardino Monteiro assumiu o governo no auge da guerra, em vinte e três de maio de 1916. Homem de força de vontade e equilibrado, inaugurou a política rodoviária do Estado, verdadeiro milagre administrativo, sob a profunda depressão financeira nacional.

Construiu as estradas de traçado mais difícil do Estado: Santa Leopoldina a Santa Teresa e Castelo a Muniz Freire.

Henrique de Novaes, notável engenheiro sob todos os títulos, estudou-lhes e dirigiu-lhes a construção, não obstante ocupar o cargo de prefeito municipal. Essas estradas modificaram fundamentalmente a estrutura econômica das regiões atingidas. Assim, muito antes do tráfego motorizado na Capital, o interior agreste das montanhas via sua produção circular em autocaminhões” (DERENZI, Biografia, 203-4).

(39) - Mensagem dirigida pelo Presidente do Estado do Espírito Santo, Dr. Bernardino de Sousa Monteiro, ao Congresso Legislativo, em sua sessão ordinária da décima legislatura. (A Mensagem é datada de doze de outubro de 1919).

(40) - Segundo o depoimento de MUNIZ FREIRE, “só em 1898, foi divulgada a existência, no Espírito Santo, dessa riqueza, que até há pouco tempo era reputada exclusiva das costas do Município do Prado, no Estado da Bahia; de então para cá ficou averiguado que possuímos dela importantes jazidas, sobretudo em os Municípios da Barra de S. Mateus, Guarapari e Benevente”

(Mensagem apresentada ao Congresso Legislativo na abertura da terceira sessão da terceira legislatura pelo Presidente do Estado, Dr. José de Melo Carvalho Muniz Freire – Vitória – 1900).

– Um longo pleito com a União, a propósito da competência para explorar os depósitos – situados nos terrenos ditos de marinha – retardou de longos anos o aproveitamento das areias monazíticas do Espírito Santo.

(41) Ver imagem abaixo do texto.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Era Vargas no ES - O Estado Novo

A Era Vargas no ES - O Estado Novo

Bley é novamente nomeado interventor federal em 25 de novembro de 1937. O Estado Novo manteve o mesmo interventor. Um pequeno acréscimo nos versos de famosa marchinha de carnaval talvez sintetize bem o desfecho político do início do Estado Novo no Espírito Santo: “Mulata, mulatinha meu amor, fui (outra vez) nomeado seu tenente-interventor”.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo