Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Eu pisei onde o Imperador pisou

Foto tirada do mesmo local em que o Imperador desenhou o Mestre Álvaro

Este site despertou em mim o interesse nas histórias do Estado do Espírito Santo. É muito interessante a maneira pela qual as matérias são publicadas. O comparativo entre o passado e o presente da Casa do Navio e da enchente de Vila Velha, entre outras, me fez vir à mente, imediatamente, algo parecido quando eu estava lendo a página 81 do livro Viagem de Pedro II ao Espírito Santo de Levy Rocha, o que me motivou a preparar a matéria que se segue:

No livro Viagem de Pedro II ao Espírito Santo há um desenho do perfil orográfico que emoldura a capital capixaba, preenchido o espaço em branco com anotações na letra miudinha de D. Pedro II. Entre os alcantis do Pontal e Mestre Álvaro, D. Pedro II escreveu: “Copiado do Convento da Penha – 28 de janeiro de 1860: lado do N.”

O Imperador do Brasil veio ao Espírito Santo aos 34 anos acompanhado da Imperatriz Teresa Cristina e sua comitiva. Ele subiu a ladeira do Convento da Penha a pé e não se sentiu cansado. Um repórter do Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro, que integrava a comitiva, narrou, em sua reportagem: “Sua Majestade entrou para o convento e percorreu todo o pavimento baixo, e no fim dele sentou-se sob uma janela por muito tempo, que aproveitou em tomar em sua carteira suas notas de viagem.”

Em outro apontamento, D. Pedro registrou: “O Convento da Penha possui 40 e tantos escravos e recebe muitíssimas esmolas, o chão da capela é de mármore, e os degraus da cor rosa.”

O Imperador e sua comitiva almoçaram no convento. A descida da ladeira foi debaixo de chuva.

Muitas pessoas têm o desejo de conhecer pessoalmente o Presidente da República, um artista famoso, o Papa, um rei ou uma rainha. Para mim isso é quase impossível. Em se tratando do Imperador D. Pedro II, isso é completamente impossível.

Eu fico muito satisfeito em saber, pelo menos, que pisei no local onde o Imperador pisou e pude ter, ainda hoje, a mesma vista que ele teve.

Por isso resolvi fazer o comparativo da vista que vejo hoje, que neste mês de janeiro de 2005 completam 145 anos, com a que ele viu em 28 de janeiro de 1860.

 

 

Veja as fotos abaixo da matéria e compare com o desenho de Dom Pedro II:

 Foto da Vista do Mestre Álvaro, da janela do Convento da Penha - 2017

 Foto do Desenho de Dom Pedro II, da janela do Convento da Penha, em 1860.

Autor: Paulo Roberto Vicente - Estudante do 4º período do Curso Saneamento Ambiental – CEFETES e morador de Terra Vermelha, Vila Velha, 2005


GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

O Morro do Moreno e a História da Província do ES

O Morro do Moreno e a História da Província do ES

Assim que chegou à sua capitania, Vasco Fernandes Coutinho estabeleceu o colono João Moreno naquele que seria o primeiro posto de observação da província e que, mais tarde, tomou seu nome

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo